domingo, 10 de setembro de 2017

It

Nome do Filme : “It”
Titulo Inglês : “It”
Titulo Alternativo : "It : Chapter One"
Titulo Português : “It”
Ano : 2017
Duração : 135 minutos
Género : Drama/Terror
Realização : Andres Muschietti
Produção : Barbara Muschietti
Elenco : Jaeden Lieberher, Jeremy Ray Taylor, Sophia Lillis, Finn Wolfhard, Chosen Jacobs, Jack Dylan Grazer, Wyatt Oleff, Nicholas Hamilton, Jake Sim, Logan Thompson, Owen Teague, Jackson Robert Scott, Megan Charpentier, Bill Skarsgard, Stephen Bogaert, Stuart Hughes, Geoffrey Pounsett, Pip Dwyer, Molly Atkinson, Steven Williams, Elizabeth Saunders, Joe Bostick, Ari Cohen, Anthony Ulc, Javier Botet, Katie Lunman, Tatum Lee, Neil Crone, Sonia Gascon, Janet Porter, Isabelle Nelisse.

História : Após o desaparecimento de algumas crianças na cidade de Derry, no Maine, um grupo de adolescentes é confrontado com os seus maiores medos quando inicia um confronto com o maquiavélico Pennywise, cujo historial de crimes e violência tem origem há séculos.

Comentário : Este filme tem como base um livro de grande sucesso escrito por Stephen King que eu não li e já ouve um filme antigo adaptado desse livro, filme esse que eu também não vi. Por isso, irei aqui fazer uma espécie de critica imparcial e independente deste filme. O filme foi construído em duas bases bem sólidas e que são os seus principais alicerces : o drama e o terror. O realizador Andres Muschietti (Mama) soube trabalhar essas duas componentes, mas somente quando elas estão unidas, quando uma ajuda a outra, apoiando-se mutuamente. Ou seja, ele trabalhou muito bem a primeira componente – o drama – nos mostrando os personagens principais (os sete miúdos do grupo) e os seus dramas/medos pessoais, dando espaço a cada um para ser devidamente desenvolvido e realçou bem não só as relações entre cada um dos sete membros, como de todos enquanto grupo. E soube articular bem essa vertente dramática com o terror das situações em que eles se envolviam, quer seja sobre a figura sobrenatural ou quando se tratava do bullying que dois personagens fora do grupo praticavam. Aqui, apesar de haver um grupo de quatro rapazes que humilham e agridem os nossos sete protagonistas, fora desse núcleo de agressores, existe ainda uma menina que adora maltratar a rapariga protagonista.

No entanto e é aqui que o caldo entorna, o director falhou na componente de terror quando esta surge separada do drama, e na forma como a exibiu, ou seja, o Pennywise não assusta em nada, ele não impõe medo nem respeito pela sua figura, ele roça o ridículo e é profundamente irritante enquanto boneco. Algumas cenas de sustos e de terror não causam esses mesmos efeitos, eu assisti a essas partes completamente indiferente, não tiveram qualquer impacto em mim. As figuras paternas dos personagens principais foram aqui mostradas quase como se fossem também vilões, muito pela maneira como tratavam os filhos e pelo facto de se estarem a borrifar para aquilo que eles faziam ou viviam. O director podia ter mostrado mais cenas com adultos e era suposto tornar o papel da cidade, face aos acontecimentos, mais marcante. O filme tem ainda alguns erros na lógica das coisas e cenas que não fazem sentido. A nível das interpretações, os sete miúdos principais estiveram excelentes, com destaque para a personagem da única rapariga do grupo, a sua história e o seu drama são os mais interessantes da trama. É um filme muito violento e tem algum humor, duas componentes que funcionaram. Destaque também para a excelente fotografia e para os efeitos sonoros. O filme não é sobre um palhaço que mata crianças, mas sim sobre crianças desajustadas que encontram força e consolo umas nas noutras. Neste aspecto, o director acertou em cheio, aquilo que ele fez de melhor foi mostrar as relações entre os sete miúdos e as suas personalidades, o lado humano aqui funcionou. Por fim, o terceiro acto é um desastre. No geral, gostei do filme, mas esperava muito mais. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário