segunda-feira, 17 de julho de 2017

Spider-Man : Homecoming

Nome do Filme : “Spider-Man : Homecoming”
Titulo Inglês : “Spider-Man : Homecoming”
Titulo Português : “Homem-Aranha: Regresso a Casa”
Ano : 2017
Duração : 132 minutos
Género : Aventura/Ação
Realização : Jon Watts
Produção : Kevin Feige/Amy Pascal
Elenco : Tom Holland, Robert Downey Jr., Michael Keaton, Marisa Tomei, Laura Harrier, Jacob Batalon, Jon Favreau, Donald Glover, Gwyneth Paltrow, Tony Revolori, Bokeem Woodbine, Michael Chernus, Angourie Rice, Garcelle Beauvais, Kenneth Choi, Abraham Attah, Tyne Daly, Hannibal Buress, Selenis Leyva, Martin Starr, Michael Mando, Logan Marshall Green, Jorge Lendeborg Jr., Tiffany Espensen, Isabella Amara, Michael Barbieri, Stan Lee, Zendaya.

História : Depois da sua experiência numa missão de apoio aos Vingadores, Peter Parker regressa a casa e recebe uma oferta do meu mentor Tony Stark, um uniforme tecnológico muito à sua medida. Com alguma dificuldade em distanciar-se das aventuras vividas com os super-heróis e encarar a relativa normalidade do seu dia a dia, vai lutando contra o crime nas proximidades, ajudando os vizinhos a enfrentar os seus problemas com os marginais. É então que, ao deparar-se com o terrível Vulture, um vilão que pretende prejudicar Tony Stark, encontra a oportunidade por que esperava para provar ao seu mentor, que é muito mais do que um simples adolescente com poderes e que, pela sua coragem e determinação, merece um lugar na equipa dos Vingadores.

Comentário : É a terceira vez que nos jogam à cara uma saga do Homem-Aranha, querem recomeçar novamente tudo do início. Claramente que este filme é totalmente desnecessário, ele só existe para duas coisas : fazer muito dinheiro para os grandes estúdios e abrir uma nova porta para se fazer mais filmes com Tom Holland. O Homem-Aranha era o meu super-herói preferido da minha infância, eu até aceitei a versão de Sam Raimi, eram filmes intrigantes e que trabalhavam bem as questões pessoais do super-herói e os seus dilemas. Já a versão com o Andrew Garfield eu achei bem fraca, foram dois filmes que não trouxeram nada de novo, para além de encher os bolsos ao respectivo estúdio. Agora chega a versão com Tom Holland, tal como disse, acho que é uma nova fase desnecessária mas vai abrir portas para mais filmes. Confesso que este é o melhor Homem-Aranha do cinema e estou a referir-me ao personagem, não ao filme. Esta versão do aracnídeo foi dada a conhecer no filme “Capitão América : Guerra Civil” e eu confesso ter gostado da participação dele, ainda que por breves dez minutos. Até posso aceitar que o queiram incluir no universo cinematográfico dos Vingadores, mas é imperdoável que iniciem mais uma saga com ele, bastaria que ele surgisse nos próximos dois filmes de união dos super-heróis.

Mas vamos falar do filme. O realizador fez bem em não nos dar outra história de origem. Assim, Jon Watts teve espaço para desenvolver à vontade o seu protagonista. Este Tom Holland é o único actor dos três que convence como adolescente e temos que confessar que é essa a essência deste super-herói. Quase todas as características do jovem adolescente estão patentes no Peter Parker de Tom Holland e isso é bastante positivo. Os dois tipos de uniforme que são usados neste filme são os melhores dos seis filmes. Infelizmente, o filme peca por transparecer que é um produto da Marvel, estão lá as principais características que definem os filmes deste estúdio, com destaque para o insuportável e exagerado humor. Mesmo assim, o realizador consegue colmatar um pouquinho esse problema, já que estabelece uma boa relação entre o filme de escola e um filme de super-heróis. Volto a dizer, este Homem-Aranha passa na perfeição a imagem de adolescente com todos os problemas e dilemas dessa condição, e quem assiste aos seus feitos, sente o peso do seu personagem. Ao contrário de todos os vilões que a Marvel já nos facultou, pela primeira vez num filme do estúdio, temos um bom vilão, Michael Keaton está bastante convincente e, apesar de ter pouco tempo de antena o que faz com que não saibamos o motivo para algumas das suas acções, nós entendemos no geral a razão para a existência do seu personagem. Penso que ele precisava de mais desenvolvimento, mas possui um twist que é brutal. 

Todo o elenco está bem nos seus papéis, eu só acho que o amigo nerd de Peter Parker tem demasiadas cenas no filme enquanto que Laura Harrier foi injustamente atirada para segundo plano, a sua Liz merecia ser mais desenvolvida e ter mais tempo no ecrã. Praticamente pode-se dizer o mesmo da curta participação da actriz Angourie Rice, cuja personagem nos quadrinhos é relevante para a história e aqui surge somente em escassas cenas. Mas já é tradição nos filmes da Marvel, as personagens femininas são sempre mal trabalhadas e têm pouca relevância para as histórias. Tom Holland possui a melhor prestação do filme. Aliás, é este Peter Parker que nós queremos ver nos cinemas, na sua versão colegial com os colegas de escola, com os problemas típicos de um miúdo de quinze anos, tendo os seus primeiros namoricos com meninas, tendo desavenças com a tia May e tentando conciliar a escola com a responsabilidade de ser um super-herói. Por outro lado, a Zendaya está péssima, a sua personagem não está lá a fazer nada. E Robert Downey Jr também por cá aparece, mas apesar de ter uma sequência bem ridícula, no pouco que aparece está perfeito como sempre. Eu confesso que gostava de ter visto uma parceria Iron Man/Spider-Man mais activa neste filme. Os efeitos especiais nem sempre convencem, em algumas cenas nota-se que é um boneco digital, para além de algumas dessas sequências de ação não serem nada de especial, a Marvel já fez muito melhor em outros filmes. 

Certas situações da história não fazem muito sentido, outras são bem ridículas. A sequência final que era para ser a mais grandiosa, na verdade, não é nada de especial, para não dizer que é bem fraca. A banda sonora é banal, a saga de Sam Raimi trabalhou melhor essa componente, por exemplo. Volto a dizer, eu adorei o fato tecnológico deste Homem-Aranha, o drone em forma de aranha é um mimo. A trilogia de Sam Raimi era suficiente, mas este novo filme que inicia uma nova saga apesar de desnecessário, está bastante aceitável, porque além de trazer sangue novo ao seu universo cinematográfico, é um filme muito bem concebido e com um protagonista que é um dos melhores super-heróis representado por um actor. Eles podiam ter-se ficado por somente este filme a solo de Tom Holland como Homem-Aranha, mas infelizmente, vão fazer mais dois filmes com ele, a fim de ser uma trilogia. Além do mais, eles pretendem usar o personagem em filmes derivados do aracnídeo. Recorde-se que este filme só viu a luz do dia devido ao facto de dois grandes estúdios unirem esforços nesse sentido. Gostei do filme, mas contentava-me apenas por ver este Homem-Aranha nos filmes dos Vingadores. A conclusão que se tira deste filme é que o Homem-Aranha é muito bem vindo à equipa dos Vingadores no cinema. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário