segunda-feira, 17 de julho de 2017

Beyond Sleep

Nome do Filme : “Beyond Sleep”
Titulo Inglês : “Beyond Sleep”
Ano : 2016
Duração : 108 minutos
Género : Drama/Aventura
Realização : Boudewijn Koole
Produção : Hans De Wolf/Hanneke Niens
Elenco : Reinout Scholten Van Aschat, Pal Sverre Hagen, Anders Baasmo Christiansen, Thorbjorn Harr, Maria Annette Tandero Berglyd, Zoi Gorman.

História : Alfred é um geólogo holandês que se encontra na Noruega para fazer uma pesquisa sobre montanhas e crateras onde supostamente caíram meteoritos. No decorrer dessa aventura, ele conhece outros três homens que se juntam a ele nessa odisseia. No entanto, Alfred acaba por se apegar mais a um deles e os dois iniciam uma longa jornada sozinhos.

Comentário : Esta co-produção entre a Holanda e a Noruega é um filme interessante, reflectivo e relaxante. Com uma banda sonora magnética, é uma obra cinematográfica firme no propósito de nos colocar a pensar sobre o que andamos a fazer neste mundo ou qual é o nosso papel nesta vida. Temos um protagonista que passa o tempo do filme quase todo numa espécie de delírio acordado, como se estivesse sob o efeito de drogas. Não quero com isto dizer que a interpretação do actor seja má, não se trata disso, ele até representa bem o seu papel, mas no meio de tanto delírio, quem assiste a essas cenas quase perde o interesse de continuar a ver o filme. Dava para tirar cerca de vinte minutos ao filme que não se perdia nada. Eu confesso que não entendi o que essas cenas de delírio significavam, mas achei sinceramente que esticaram o filme além do necessário e nada adiantaram. Por exemplo, se colassem a cena em que Alfred segue o companheiro no desfiladeiro com a cena em que ele o reencontra no topo da montanha, as coisas iam dar no mesmo.

O filme também faz referência a uma situação do passado do protagonista que envolve o seu pai, embora isso nunca seja devidamente explicado. Gostei daquela cena que se passa no sonho do protagonista que envolve uma mulher, logo no início do filme, é muito sugestiva. Os mosquitos possuem um papel a destacar nesta fita e não pelas melhores razões. Podemos contar com imagens muito bonitas, afinal, quase tudo são cenários naturais. A natureza é realmente muito bonita e encantadora e assume aqui um papel determinante, ela é quase uma personagem. O actor que dá corpo ao protagonista deve ter tido imenso trabalho a desempenhar o seu papel, existem pelo menos duas ou três cenas em particular que lhe devem ter custado muito a filmar. Embora ligeiramente disfarçado, o tema da amizade também é aqui referido e mostrado no relacionamento de Alfred com Arne, foi curioso ver o avançar da relação dos dois, que culmina de forma digna desse sentimento. Um último destaque para o final, é muito tocante e comovente, quando a miúda lê um pequeno excerto do caderno de anotações de Arne para Alfred, é uma sequência muito bonita que encerra o filme com chave de ouro. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário