domingo, 21 de maio de 2017

The Hunter's Prayer

Nome do Filme : “The Hunter's Prayer”
Titulo Inglês : “The Hunter's Prayer”
Titulo Internacional : “Hunter's Prayer”
Ano : 2017
Duração : 90 minutos
Género : Thriller/Aventura/Crime
Realização : Jonathan Mostow
Produção : Sam Worthington
Elenco : Odeya Rush, Sam Worthington, Katia Bokor, Sameera Rock, Claudia Trujillo, Alice Maguire, Rory Mulroe, Eudald Font, Sam Cullingworth, Allen Leech, Amy Landecker, Veronica Echegui, Martin Compston, Mateo Rufino, Tina Maskell, Shayne Elsa Drummond.

História : Lucas é um assassino profissional toxicodependente que é contratado para matar uma adolescente cuja família foi morta por alguém a mando de um poderoso magnata criminoso. Mas após conhecer a menina, Lucas decide protegê-la em vez de a matar.

Comentário : Confesso que muito raramente vejo filmes de ação, para que eu os veja eles necessitam de possuir certas condições que me agradem e neste caso, a principal razão foi a sinopse. Não gosto do actor Sam Worthington, mas apesar disso resolvi dar-lhe uma oportunidade com este pequeno filme, mas ainda não foi desta e nem com o seu novo e execrável “The Shack”, que eu fiquei a simpatizar com ele. Existem certos actores que são uma espécie de robots, sempre com a mesma forma de representar, sem expressão característica e que não possuem carisma. Foi isto que se passou nestes dois filmes que acabo de frisar. No entanto, gostei do seu personagem. Lucas é alguém perturbado e com um passado traumatizante, tem uma filha menor que nunca conheceu e vive unicamente para ganhar dinheiro a matar gente, tendo a sua querida droga como vício principal. O filme peca porque não explica porque motivo ele muda tão rapidamente a ponto de ajudar a rapariga que ele foi contratado para matar. Ainda assim, Lucas é um personagem cativante e bastante interessante e quem vê o filme deseja que tudo corra bem com ele. Apesar de raramente se entenderem, a química dele com a actriz que desempenha a jovem em perigo resulta muito bem. Como vítima, a bonita Odeya Rush vai muito bem, é dela que se extrai a melhor prestação do filme, a sua Ella tem carisma e sede de vingança, apesar de ser ligeiramente indecisa. Sente-se claramente que a personagem da miúda podia ter mais substância, ela podia ter sido mesmo a verdadeira protagonista desta fita, tinha todo o potencial para tal. As mulheres e mesmo as personagens femininas em geral, ainda são muito prejudicadas na sétima arte. O vilão principal é patético, o filme peca também por ter alguns erros habituais neste tipo de narrativas e tem igualmente erros na lógica das coisas, para além de falhas geográficas e temporais. Um último reparo, esqueceram-se de usar o cão geneticamente alterado no final da fita. Gostei deste filme, mas gostava de ter visto mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário