domingo, 21 de maio de 2017

Cinzento e Negro

Nome do Filme : “Cinzento e Negro”
Titulo Inglês : “Grey And Black”
Titulo Português : “Cinzento e Negro”
Ano : 2015
Duração : 126 minutos
Género : Drama/Mystery
Realização : Luís Filipe Rocha
Produção : Luís Galvão Teles
Elenco : Filipe Duarte, Joana Bárcia, Monica Calle, Miguel Borges, Camila Amado, Ana Risueno, Manuel de Blas, João Fonseca.

História : Maria é traída por David, o marido, que rouba todo o seu dinheiro e foge para a ilha do Pico, nos Açores. Destroçada e com um enorme sentimento de humilhação, ela só anseia por vingança. É então que resolve contactar Lucas, um inspector de polícia, para encontrar pistas sobre o paradeiro do ex-companheiro. Porém, numa visita à ilha do Faial, Lucas apaixona-se por Marina, empregada do café local. Este amor vai alterar o curso dos acontecimentos.

Comentário : Gosto de cinema português, mas não daqueles filmes tipicamente portugueses e ordinários, cheios de asneiras e calão, prefiro o cinema de autor, sendo o Pedro Costa o meu realizador preferido. Infelizmente, o cinema português é mais reconhecido e premiado em outros países e somente depois alguns filmes são estreados no nosso país e muitas vezes sem o reconhecimento merecido por cá. Mas a maioria dos portugueses é assim, não dá valor ao que é seu, esperando sempre que outros o façam para depois ir apanhar as migalhas. Pessoalmente, gosto tanto de cinema português independente e de autor como gosto de documentários. Penso que nós temos cá bons profissionais no ramo da sétima arte, embora na televisão haja muita porcaria. Tudo isto para dizer que estou sempre disposto a conferir um filme português, desde que a história me cative e seja apelativa. No caso deste novo filme de Luís Filipe Rocha, confesso que não gostei muito e aqui o principal problema consiste no facto de nem a história e nem os personagens me terem despertado o interesse, à medida que as coisas iam se passando, simplesmente, eu não ficava preso ao ecrã. As paisagens são lindas e a fotografia deslumbra, além disso gostei muito das interpretações de Filipe Duarte, de Joana Bárcia e de Monica Calle, os três vão muito bem nos seus papéis. É como disse, o principal problema reside nas personagens, que não são capazes de gerar empatia connosco, é tudo muito seco, elas parecem distantes, apesar de haver aqui boas prestações. A história também é pouco interessante e o final deixa muito a desejar. É lamentável, porque com o material que tinham em mãos, a coisa podia ter resultado bastante bem, valeram as tentativas. Mas algum cinema português continua bom e recomenda-se.

Nenhum comentário:

Postar um comentário