sábado, 4 de fevereiro de 2017

Split

Nome do Filme : “Split”
Titulo Inglês : “Split”
Titulo Português : “Fragmentado”
Ano : 2016
Duração : 117 minutos
Género : Thriller/Drama
Realização : M. Night Shyamalan
Produção : M. Night Shyamalan
Elenco : James McAvoy, Anya Taylor Joy, Haley Lu Richardson, Jessica Sula, Betty Buckley, Sebastian Arcelus, Brad William Henke, Izzie Leigh Coffey.

História : Kevin sofre de transtorno dissociativo de identidade, e dentro de si, existem várias personalidades distintas. Há muito que é acompanhado por uma psiquiatra especializada em distúrbios de identidade que se interessa particularmente pelo seu caso e acredita que essas alteridades podem provocar alterações no próprio corpo. Certo dia, Kevin rapta três bonitas adolescentes e as mantém aprisionadas numa cave, atormentando-as diariamente.

Comentário : Capaz de fazer bons filmes e de nos facultar fitas medíocres, M. Night Shyamalan aparece agora com este “Split” que já chega tarde. O filme era para ter estreado no ano passado, agora parece que é moda, estarem constantemente a adiar a data de estreia de filmes. Confesso que gostei deste “Split”, embora tenha que dizer que continua longe da qualidade de obras como “O Sexto Sentido” e “A Vila”, os dois melhores filmes do cineasta. O filme possui um clima de tensão que se vai adensando conforme os minutos vão passando e isso atinge o auge no final do confronto entre o predador e a presa, com o twist final a que o realizador já nos habituou. Gostei do twist e curti bastante o final do filme, apesar de acabar em aberto para essas duas personagens. O argumento não é grande coisa, peca por coisas mal explicadas e por falhas várias que vão sucedendo, de realçar também que o realizador faz referências a outros filmes seus. A banda sonora é cordata e a fotografia é apelativa. O principal problema deste filme é que custa a acreditar que um ser humano chegasse a tanto, pelo menos daquela maneira.

James McAvoy tem aqui uma boa prestação, apesar dos exageros da sua personagem. As jovens Haley Lu Richardson e Jessica Sula estão bem, embora as suas personagens sirvam apenas os propósitos estabelecidos, não lhes é dado quase nada para fazer durante o filme, é como se não tivessem utilidade, como se não produzissem. Betty Buckley tem uma interpretação segura e bastante consistente, a sua química com James McAvoy sente-se em cada cena que contracenam. Depois de ter tido uma excelente prestação no muito e bem aclamado “The Witch”, a jovem e bonita Anya Taylor Joy repete o feito, a miúda possui a melhor interpretação deste “Split”, é uma personagem muito forte, complexa e dramática, a adolescente consegue passar para quem vê a fita, a complicada vivência da sua personagem. O filme tem a sua trama central na história do psicopata que lida com as suas três vítimas capturadas, sendo também pautado por cenas que o mostram em consultas com a sua psiquiatra e ainda com flashbacks que nos dão a conhecer o facto de que uma das miúdas raptadas sofreu desde tenra idade e continua a sofrer de abusos sexuais e psicológicos por parte de um tio nojento. Gostei deste filme, embora tenha que confessar que é uma obra que vive muito das prestações de James McAvoy e de Anya Taylor Joy. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário