domingo, 15 de janeiro de 2017

Bang Gang

Nome do Filme : “Bang Gang (Une Histoire D'Amour Moderne)”
Titulo Inglês : “Bang Gang (A Modern Love Story)”
Titulo Alternativo : “Bang Gang”
Ano : 2015
Duração : 98 minutos
Género : Drama/Romance
Realização : Eva Husson
Elenco : Daisy Broom, Marilyn Lima, Finnegan Oldfield, Lorenzo Lefebvre, Manuel Husson, Olivia Lancelot, Raphael Porcheron, Tatiana Werner, Olivier Lefebvre, Yolande Carsin, Alexandre Perrier, Patricia Husson, Jules Cabat, Julien Gomez, Lea Bertin, Gaia Oliarj Ines, Julien Granel, Giulia Nori, Mathilde Cartoux.

História : Na área nobre de uma cidade, um grupo de adolescentes bem ajustados e acima da média acabam seguindo por um caminho singular.

Comentário : Realizado por uma mulher, este filme transmite uma imagem muito má dos jovens adolescentes, principalmente das raparigas. Pessoalmente, gostei do filme em geral, ele acaba por transmitir a ideia de que na adolescência temos liberdade para tudo, quando às vezes não é bem assim. O filme tem jovens irresponsáveis, droga e muito sexo, algumas cenas são explícitas e as cenas de nu imperam. Mas tudo isto acontece mais na segunda parte da fita. A banda sonora é serena e existe aqui também um alerta para os perigos da internet e das plataformas digitais. O filme não é só drama, a componente dramática existe sim e acentua-se mais na última meia hora, mas também existe romance por aqui e isso concentra-se mais nas personagens de George e Gabriel. As traições no namoro também fazem parte da trama do filme, embora aquilo não se considere namoro, é mais curtes.

A realizadora aborda a adolescência no geral, focando-se principalmente em quatro jovens, dois rapazes bem diferentes e duas meninas muito parecidas. Estas últimas possuem uma estranha relação de amizade e são elas as protagonistas do filme. Daisy Broom veste a pele de uma rapariga que vive com o pai e a forma como perde a virgindade não é propriamente aquela que uma rapariga ambiciona. Ela tem uma boa prestação, mas é a Marilyn Lima que calha o principal mérito, esta bonita adolescente possui a melhor prestação do filme. Além disso, a empatia entre as duas miúdas é bastante notável e funciona, mesmo quando elas estão zangadas uma com a outra. No papel de rapaz irresponsável e leviano, Finnegan Oldfield encarna-o muito bem, ele tem estilo disso e sai-se bem, nós não simpatizamos com ele pela maneira como ele trata as raparigas. Por último, Lorenzo Lefebvre tem a melhor prestação masculina da fita, aqui no papel de um jovem calmo e responsável que tem que lidar com a complicada situação de ter um pai paraplégico, sendo também um rapaz que tem um enorme respeito pelas raparigas. No geral, os quatro jovens convencem. Estamos perante um filme razoável que mostra como a adolescência é a fase mais complicada do ser humano, mas é igualmente marcante para eles e para elas. O filme aborda também a temática das doenças sexualmente transmissíveis e é uma fita baseada em factos reais. Os pais que têm filhos na idade da adolescência deviam ver este e outros filmes que abordem estas temáticas. Uma das grandes surpresas de 2015. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário