sábado, 15 de outubro de 2016

Jane Got A Gun

Nome do Filme : “Jane Got A Gun”
Titulo Inglês : “Jane Got A Gun”
Titulo Português : “As Armas de Jane”
Ano : 2016
Duração : 95 minutos
Género : Western/Drama
Realização : Gavin O'Connor
Elenco : Natalie Portman, Joel Edgerton, Noah Emmerich, Ewan McGregor, Boyd Holbrook, Rodrigo Santoro, Maisie McMaster, Piper Sheets, Sam Quinn, James Burnett, Alex Manette.

História : Na América e em finais do século XIX, depois de um passado atribulado, Jane construiu uma nova vida com o marido, Bill Hammond, e a filha nas áridas planícies do Oeste. Mas, quando Bill regressa a casa com ferimentos graves depois de se envolver num tiroteio com John Bishop e o seu bando de criminosos, Jane sabe que a família corre perigo. Sem saber o que fazer, decide pedir ajuda a Dan Frost, um homem com quem teve um relacionamento amoroso no passado e que se tornou a única pessoa de confiança. Apesar de relutante em envolver-se com a mulher que nunca deixou de amar, Dan resolve ajudá-la.

Comentário : Vi na noite passada este western protagonizado pela talentosa e versátil Natalie Portman, pelo que gostei. Apesar de ter sido realizado por um tarefeiro, estamos perante uma obra razoável, embora muito parada. Apesar de ser um filme onde o primeiro e o segundo acto são um pouco parados, eles possuem um ritmo lento, a coisa funciona ainda assim e tudo graças às corajosas e aceitáveis prestações de Natalie Portman e Joel Edgerton. Se os protagonistas funcionam bem, o mesmo não se pode dizer dos vilões, todos muito fracos, nem sei o que faz Ewan McGregor neste filme, se tivessem colocado um ator desconhecido no seu papel, o resultado seria o mesmo. O argumento é bom, mas perdeu-se um pouco quando nos mostra cenas do passado da protagonista ou da personagem de Dan Frost. Não gostei da fotografia, não entendo porque motivo a maioria dos westerns têm que ter quase sempre a cor em tom pastel, naquela época, as coisas talvez não fossem bem assim. O terceiro acto é o melhor do filme, com uma maravilhosa sequência da armadilha assim que começa a invasão à casa da protagonista. A cena dela a balear o vilão principal está brutal, senti-me muito bem a ver essa parte. Notei alguns erros na lógica dos acontecimentos. No fundo, o filme está todo embalado numa brutal história de vingança de ambos os lados. Não sendo um grande filme e muito menos um grande western, temos assim uma obra razoável que cumpriu os mínimos. Um último apontamento, gostei imenso do final, e que os quatro sejam muito felizes. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário