sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Gohatto

Nome do Filme : “Gohatto”
Titulo Inglês : “Taboo”
Titulo Português : “Tabu”
Ano : 1999
Duração : 99 minutos
Género : Drama/Thriller
Realização : Nagisa Oshima
Elenco : Takeshi Kitano, Ryuhei Matsuda, Shinji Takeda, Tadanobu Asano, Yoichi Sai, Jiro Sakagami, Koji Matoba, Masa Tommies, Masato Ibu, Zakoba Katsura, Tomorowo Taguchi, Chikako Aoyama, Yoshiaki Fujiwara, Daisuke Iijima, Yoichi Iijima.

História : Num templo, a milícia de Shinsengumi escolhe novos recrutas para os transformar em guerreiros samurai. Aqueles que esperam ser escolhidos devem enfrentar o melhor homem da milícia, Soji Okita. Apenas dois são selecionados : Tashiro e Kano. Rígidas regras e regulamentos mantêm na ordem este grupo de homens que são a força unificadora face à adversidade. Mas de repente a milícia entrega-se a boatos e ciúmes. Tashiro sente-se imediatamente atraído por Kano, mas este entrega-se a relações homossexuais com alguns dos outros guerreiros do grupo. Para agravar a situação de todos, surge um assassinato no meio do grupo e os dois parecem ser os principais envolvidos.

Comentário : Depois de mais uma grande desilusão numa sala de cinema, é tempo de regressar ao lar e, no conforto da nossa casa, ver um filme bom. Foi o que me aconteceu com este filme do chamado cinema do mundo. Neste caso, trata-se de um filme japonês. Confesso que nunca fui grande admirador do cinema de Nagisa Oshima, mas gostei deste seu filme que já possui uns bons anos. Tem a ver com a cultura dos samurai, os mestres, os templos, as artes-marciais, as linhagens, regras e relações aparentemente proíbidas. No centro de tudo, temos um jovem guerreiro chamado Sozaburo Kano, mas conhecido geralmente por Kano, um homem que é bonito demais para tal, ou seja, é bonito demais para homem (se tivesse cabelo comprido passava por mulher), despertando a curiosidade de outros guerreiros que habitam no templo. Principalmente, as atenções de um outro samurai que foi recrutado na mesma altura que ele, Hyozo Tashiro, mas conhecido geralmente por Tashiro, que ama perdidamente Kano. O argumento está muito bem articulado, a fotografia é excelente e muitas cenas parecem quadros profissionalmente pintados, a banda sonora é serena e as interpretações são impecáveis. O filme começa como um drama, mas termina na forma de um thriller, culminando numa espécie de duelo final entre os dois amantes. Gostei imenso das interpretações dos atores que fizeram das patentes mais altas dentro do templo. Grande filme. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário