domingo, 28 de agosto de 2016

The Jungle Book

Nome do Filme : “The Jungle Book”
Titulo Inglês : “The Jungle Book”
Titulo Português : “O Livro da Selva”
Ano : 2016
Duração : 105 minutos
Género : Aventura/Drama
Realização : Jon Favreau
Elenco : Neel Sethi, Ben Kingsley, Bill Murray, Idris Elba, Giancarlo Esposito, Scarlett Johansson, Lupita Nyong'o, Christopher Walken.

História : Após a morte do pai, Mogli foi deixado na selva indiana ainda bebé. Incapaz de cuidar de si próprio, o pequeno foi resgatado pela pantera Bagheera e criado no seio de uma alcateia. Apesar das dificuldades em ser aceite por quase todas as criaturas selvagens, ele foi crescendo saudável, adquirindo os hábitos dos lobos. Mas a sua vivência só não é pacífica porque quem manda na selva, um poderoso tigre, não gosta dele e o quer ver morto a todo o custo.

Comentário : Mais um filme que vi em que resolvi desligar-me de tudo e regressar à minha infância, tal como havia feito com “Pete's Dragon”. Claro que gostei deste filme, tudo nele está muito bem concebido, recorde-se que é tudo digital e o pequeno Neel Sethi é o único ator relevante de carne e osso que é filmado e surge na pelicula. Não deve ter sido nada fácil para o pequeno ator ter filmado todas aquelas cenas, tendo em seu redor apenas fundos verdes e ter sido colocado a falar para nada. Por isso, eu digo que Neel Sethi e o seu Mogli são o melhor do filme. Os cenários são maravilhosos, está tudo no seu lugar, tudo bem construído e feito, não vi qualquer erro dessa natureza. Os efeitos especiais são soberbos, tudo parece o mais real possível, nota-se que houve um grande cuidado com todos os detalhes no sentido a que a coisa desse realmente certo. Nas salas de cinema, dominou a versão dobrada em português (péssima, segundo se ouviu), mas agora saiu o DVD que abarca igualmente a versão com as vozes originais que resulta bem melhor.

Gostei de quase todas as personagens, menos do enorme macaco Louie de Christopher Walken, mas eu sou suspeito, porque não gosto muito de macacos. A Kaa de Scarlett Johansson, apesar de ser uma vilã que tenta matar o nosso protagonista, está bem concebida, apesar de um pequeno erro e do facto do miúdo ver nos olhos dela o seu passado não possuir nada de credível. As minhas personagens preferidas foram o Mogli, a loba Raksha e a pantera Bagheera. Não gostei muito do urso, porque penso que o filme ficava melhor sem aquele humor ridículo e os dois números musicais eram totalmente dispensáveis. O interface entre o miúdo e os animais digitais está muito bem concebido. Gostei dos elefantes, mas não entendi porque motivo não existiam leões naquela selva. Achei mal associarem o mal ao tigre, animal já bastante sacrificado ao longo da história da humanidade, as crianças ainda ficam com uma imagem pior destes animais. Faria mas sentido, o macaco gigante Louie ter sido o vilão do filme. Não vi o filme no cinema, vi-o em DVD e no conforto da minha cama, sem ninguém para me incomodar, confesso ter tido uma boa experiência. Um último reparo positivo para a excelente fotografia. E o filme encerra com um belíssimo genérico final. No geral, gostei. 

Before I Wake

Nome do Filme : “Before I Wake”
Titulo Inglês : “Before I Wake”
Ano : 2016
Duração : 98 minutos
Género : Drama/Terror/Mystery
Realização : Mike Flanagan
Elenco : Jacob Tremblay, Kate Bosworth, Thomas Jane, Annabeth Gish, Dash Mihok, Scottie Thompson, Jay Karnes, Kyla Deaver, Courtney Bell, Hunter Wenzel, Aurora Blue, Natalie Roers.

História : Um jovem casal que perdeu o seu filho, resolve adoptar outro da mesma idade, mas algumas coisas estranhas começam a acontecer. Os sonhos do menino se manifestam na realidade e o que, a princípio, parece algo bonito, depressa se transforma em algo muito perigoso. Caberá à jovem mulher desvendar o passado do garoto, para tentar colocar um fim à terrível situação.

Comentário : Na última noite vi este filme de terror que não gostei tanto quanto pensava que ia gostar. O jovem ator Jacob Tremblay (Room) tem aqui uma prestação muito a baixo daquela demonstrada no referido filme anterior, não sei o que se passou com ele, talvez fosse problema das exigências feitas à sua personagem ou até mesmo devido ao péssimo argumento da fita. Kate Bosworth e Thomas Jane também não deram nada de especial, já fizeram muito melhor em outros filmes, ainda que ela esteja bem melhor. Aquilo que mais gostei foi das borboletas e de algumas cenas que estavam muito bem conseguidas. Não senti medo nenhum, embora tenha apanhado um ou dois sustos. Mas adorei a ideia fulcral do filme, aquilo que alguém sonha acontece na vida real, é algo que fascina do início, mas por outro lado, impõe algum respeito, pois existe o oposto do sonho, que é o pesadelo e aí as coisas podem-se complicar bastante. O filme tem um twist que achei curioso lá perto do final que envolve a mãe verdadeira do menino e uma figura sinistra dos pesadelos da criança, confesso ter ficado bastante impressionado com esta situação. Mas repito, o filme em si, é bastante fraco. 

Beijing Bicycle

Nome do Filme : “Shiqi Sui De Dan Che”
Titulo Inglês : “Beijing Bicycle”
Titulo Português : “Bicicleta de Pequim”
Ano : 2001
Duração : 115 minutos
Género : Drama
Realização : Xiaoshuai Wang
Elenco : Lin Cui, Bin Li, Xun Zhou, Yuanyuan Gao, Shuang Li, Yiwei Zhao, Yan Pang, Fangfei Zhou, Jian Xie, Yuhong Ma, Lei Liu, Mengnan Li, Jian Li, Yang Zhang.

História : Guei, de 17 anos, chega da província a Pequim e encontra trabalho como paquete. Dão-lhe roupa e emprestam uma bicicleta. Quando já a tem quase paga, a bicicleta é roubada e sem ela, Guei fica desempregado. Desesperado, ele corre Pequim à procura da bicicleta. Quase por milagre, o seu melhor amigo diz-lhe que a viu na posse de Jian, um estudante que a comprou numa feira em segunda mão.

Comentário : Este é o último filme da série “Cinema do Mundo” da Atalanta Filmes que me faltava comentar. E é um dos melhores do grupo, pessoalmente, adorei este filme. Puxa, nunca pensei que uma simples bicicleta fosse inspiração para um argumento tão bom quanto este, é que a coisa resultou muito bem. Começando logo pelo genérico inicial, muito giro. Mas antes disso, somos logo apresentados ao nosso protagonista, Guei, muito bem interpretado por Lin Cui. Também gostei da prestação do seu rival, o jovem Bin Li, teve igualmente um excelente desempenho, embora aqui num personagem mais enervante. As duas senhoras que aparecem no filme foram vividas por duas atrizes muito bonitas, cada uma à sua maneira. O filme aborda também a violência na juventude e o amor não correspondido, bem como as consequências que estes dois factores abarcam. A realização é muito boa e a montagem está perfeita, tudo graças a um grande argumento que, repito, é muito bom e resultou bem. O filme tem alguns twists que também deram certo, quase tudo gira em torno da bicicleta. Um objecto que servia para um dos jovens trabalhar e ganhar a vida, enquanto que para o outro jovem, além de ser um meio de deslocação para a escola, servia também para dar longos passeios com a namorada. Apesar da fita ter terminado mal, eu gostei bastante de quase tudo neste filme. 

Gabbeh

Nome do Filme : “Gabbeh”
Titulo Inglês : “Gabbeh”
Titulo Português : “Gabbeh”
Ano : 1996
Duração : 75 minutos
Género : Drama/Romance
Realização : Mohsen Makhmalbaf
Elenco : Shaghayeh Djodat, Abbas Sayah, Hossein Moharami, Rogheih Moharami, Parvaneh Ghalandari.

História : “Gabbeh” é um tipo de tapete persa muito peculiar. Os seus desenhos são sempre diferentes e retratam pedaços da vida quotidiana, tribal, as paisagens que percorrem ou as histórias de amor. No sudeste do Irão, as tribos nómadas especializadas em tecer o “gabbeh” estão em vias de extinção. Na margem de um rio, um casal idoso lava o seu “gabbeh”, resmungando carinhosamente. A água transparente realça os desenhos que contam a história de uma linda jovem, também chamada Gabbeh, proibida de casar com o homem que ama e que persegue a sua tribo a cavalo, pelos montes, os rios e a neve, uivando como um lobo.

Comentário : Continuando a analisar os filmes da coleção “Cinema do Mundo”, agora venho com este “Gabbeh”, um filme persa, com o qual eu aprendi bastante. Principalmente, fiquei a saber que aquelas pessoas que percorrem o país inteiro e que são conhecidas em grupo como tribos nómadas, têm imenso trabalho para o fazerem. Veja-se por exemplo, a grande dificuldade que possuem em atravessar os rios, nomeadamente com todos aqueles animais. Desta vez, não estamos perante um filme “denuncia”, mas sim uma história de amor, entre uma linda jovem e o seu estranho amado. Na época em que a fita estreou, houve gente que não entendeu o filme, mas para mim, a protagonista e o amado não foram mortos na fuga, eles são o casal de idosos que aparece a lavar o tapete. Pelo menos é esta a minha interpretação dos acontecimentos. O filme também possui uma ligeira componente de fantasia. Gostei de ter ficado a saber do valor e do significado que aqueles tapetes têm para eles, é tudo muito curioso. Gostei igualmente da banda sonora e alguns planos são lindíssimos, pareciam cuidadosamente pintados. Este e outros filmes são a prova viva que, mesmo com poucos meios e com orçamentos muito reduzidos, é possível fazer-se bom cinema e filmes bons. Dois últimos reparos, a atriz que desempenhou a protagonista que dá nome ao titulo é linda e a cor tem um papel importantíssimo na fita, funciona quase como uma espécie de personagem secundária. Grande filme.

Shower

Nome do Filme : “Xizao”
Titulo Inglês : “Shower”
Titulo Português : “Chuveiro”
Ano : 1999
Duração : 91 minutos
Género : Drama/Comédia Dramática
Realização : Yang Zhang
Elenco : Jiayi Du, Bing He, Wu Jiang, Ding Li, Cunxin Pu, Xu Zhu.

História : Depois de o filho mais velho ter partido em busca de fortuna, o pai e o mais novo, deficiente mental, permanecem em Pequim continuando ligados ao seu trabalho de mestre de banhos públicos. Erradamente convencido da morte do pai, o filho mais velho regressa a casa para redescobrir a magia dos banhos públicos. Escondida, esta casa funciona para os homens mais velhos como uma casa-fora-de-casa, onde passam o dia a beber chá e a jogar, entre outras actividades. O filho mais velho vê-se então forçado a assumir responsabilidades familiares e a reflectir sobre a sua vida.

Comentário : Vi este filme chinês de que gostei bastante, realizado pelo conceituado Yang Zhang. O tema principal do filme é o valor da família, enquanto principal bem moral. A sequência inicial do banho automático está espectacular, só mesmo os chineses para inventar tal coisa. Temos boas prestações do trio familiar, principalmente de Wu Jiang, bastante credível. Achei o idoso, pai dos rapazes, muito querido. O filho mais velho regressa a casa, devido a um “engodo” do irmão mais novo e acaba por descobrir um mundo totalmente novo para ele. Aos poucos, vai-se integrando nas histórias de alguns dos clientes do pai, vai ajudando o pai e o irmão, acabando por tornar-se num deles e ajudando no negócio dos banhos à moda antiga. O filme não tem maldade nenhuma, pelo contrário, nota-se que foi feito com muita ternura e cuidado na mensagem que pretendiam passar. É, por isso, um filme muito simples e ao mesmo tempo complexo nas temáticas abordadas, a família e o dever de ajudar quem necessita. Nesses aspectos, o filme funciona muito bem. E sem a lamechice do cinema americano, isto é bom cinema do mundo.

Kandahar

Nome do Filme : “Kandahar”
Titulo Inglês : “Kandahar”
Titulo Português : “Kandahar”
Ano : 2001
Duração : 85 minutos
Género : Biográfico/Drama
Realização : Mohsen Makhmalbaf
Elenco : Ike Ogut, Nelofer Pazira, Hassan Tantai, Sadou Teymouri, Hoyatala Hakimi, Noam Morgensztern, Zahra Shafahi, Safdar Shodjai, Mollazaher Teymouri.

História : Nafas é uma jovem jornalista afegã que se refugiou no Canadá. Recebe uma carta desesperada da sua irmã mais nova, que ficou no Afeganistão e decidiu suicidar-se antes do iminente eclipse solar que se aproxima. Nafas saiu do seu país durante a guerra civil. Decide voltar e ajudar a sua irmã, tentando atravessar a fronteira Irão-Afeganistão, numa longa e perigosa jornada.

Comentário : Continuamos no cinema do mundo e com mais um filme do Irão. É mais um filme denuncia, neste caso sobre muitas coisas. O realizador mostra-nos a difícil condição de ser-se mulher nestes países, são sempre obrigadas a andar de burka, sendo a vida das crianças também muito complicada, veja-se o caso do garoto guia da protagonista. Temos também um olhar sobre a enorme dificuldade que as pessoas amputadas devido a minas têm em arranjar próteses, mesmo com a Cruz Vermelha a ajudá-las. Temos a questão da sempre constante pobreza e fome, sempre aliadas da maioria destas pessoas, que geram doenças. Já para não falar da guerra, sempre presente nos seus quotidianos e que aparece nas suas mais variadas formas. É um filme biográfico, porque a protagonista existiu de verdade, o argumento é baseado numa história verídica e a única coisa que se lamenta neste filme é não sabermos o que aconteceu depois. Tal como os outros comentados anteriormente, é uma fita onde prima o realismo, é tudo demasiado verdadeiro e genuíno. Podemos acompanhar a complicada jornada da protagonista, que vai conhecendo imensa gente ao longo desse percurso. A sequência que mais me impressionou foi ver os coxos a correr em muletas para tentar apanhar as pernas postiças que chegavam via aérea, brutal.

Crimson Gold

Nome do Filme : “Talaye Sorkh”
Titulo Inglês : “Crimson Gold”
Titulo Português : “Sangue e Ouro”
Ano : 2003
Duração : 94 minutos
Género : Drama
Realização : Jafar Panahi
Elenco : Hossain Emadeddin, Kamyar Sheisi, Azita Rayeji, Shahram Vaziri, Ehsan Amani, Pourang Nakhael, Kaveh Najmabadi, Saber Safael, Yadollah Samadian, Behnaz Houri, Mehran Rajabi, Ramin Rastad.

História : Hussein é um simples entregador de pizzas que está noivo da irmã do seu melhor amigo. Ele leva uma vida complicada e cheia de necessidades, acabando por se dedicar a pequenos roubos de malas de senhoras, juntamente com o seu amigo. Com o passar do tempo, Hussein vai sendo levado ao extremo, tudo devido às constantes injustiças que vai testemunhando e às humilhações a que vai sendo sujeito.

Comentário : Mais um filme do Irão que eu tive a grande oportunidade de ver. Gostei muito desta fita. O final do filme tem a sua continuação no inicio da fita. Ou seja, acabamos por saber o que realmente aconteceu ao protagonista. Jafar Panahi (Taxi) é um dos realizadores que está proibido de filmar no seu país e mesmo assim continua a filmar, mesmo de forma clandestina. Já o fez algumas vezes depois deste filme que estou agora a analisar. Ele é uma prova viva de que a sétima arte não conhece limites nem pode ser travada por querermos dizer e mostrar as situações reais dos nossos países, ainda que isso seja feito como denuncia. Neste pequeno filme independente, o realizador mostra as diferenças entre a vida de um rico e a vida de um pobre, ou podemos falar no plural se fosse necessário. É a diferença de classes. O personagem principal é levado ao extremo devido a um enorme número de situações, não somente as que vemos na fita, como também aquelas que temos que imaginar que ele já passou. O argumento está muito bem articulado e o filme tem cenas muito bem construídas. Tem também algum humor, sem nunca cair no ridículo. Veja-se a sequência em que Hussein distribui pizza pelos criminosos. E o que dizer do chiar de um rato que se ouve quase sempre que a camara filma o quarto do protagonista. Existem muitos Husseins por esse mundo fora e não devemos cuspir para o ar porque nos pode cair em cima, a vida é muito injusta, principalmente com os mais desfavorecidos.

The Blackboard

Nome do Filme : “Takhte Siah”
Titulo Inglês : “The Blackboard”
Titulo Internacional : “Blackboards”
Titulo Português : “O Quadro Negro”
Ano : 2000
Duração : 89 minutos
Género : Drama
Realização : Samira Makhmalbaf
Elenco : Said Mohamadi, Behnaz Jafari, Bahman Ghobadi, Mohamad Karim Rahmati, Rafat Moradi, Mayas Rostami, Saman Akbari, Ahmad Bahrami, Mohamad Moradi, Karim Moradi, Hassan Mohamadi, Somaye Veisee, Rasool Mohamadi.

História : Dois professores calcorreiam as montanhas do Curdistão iraniano à procura de alunos. Trazem às costas quadros negros, enormes ardósias onde se ensina a aprender.

Comentário : Vindo do Irão, este filme foi para mim uma valente surpresa na medida em que eu desconhecia por completo a situação nele retratada. No Curdistão e quem sabe onde mais, os professores percorrem as vastas regiões com enormes quadros às costas para ensinar as crianças dos povos que vivem nessas localidades, e os ensinam a ler e a escrever. A realizadora consegue assim nos apresentar uma situação complicada de pobreza extrema existente nas suas paragens e fá-lo denunciando a situação e arriscando muito. Particularmente, eu gostei deste filme, embora não tenha gostado de algumas coisas. Por exemplo, o filme torna-se por vezes repetitivo e tem uma personagem feminina que chega a irritar com a fala. Tirando esses dois factores, estamos perante um filme bastante aceitável e muito diferente das fitas a que estamos habituados a ver. Um último reparo, gostei das paisagens e do trabalho da cineasta, no geral.

12:08 East Of Bucharest

Nome do Filme : “A Fost Sau N-A Fost ?”
Titulo Inglês : “12:08 East Of Bucharest”
Titulo Português : “12:08 A Este de Bucareste”
Ano : 2006
Duração : 90 minutos
Género : Drama
Realização : Corneliu Porumboiu
Elenco : Mircea Andreescu, Teodor Corban, Ion Sapdaru, Mirela Cioaba, Luminita Gheorghiu, Cristina Ciofu, Lucian Iftime, Annemarie Chertic, Petrica Sapdaru, Catalin Paraschiv, George Guoqingyun, Constantin Dita, Daniel Badale, Marius Rogojinski.

História : O país inteiro assistiu em directo na televisão ao momento em que as multidões enraivecidas forçavam o ditador Ceausescu a fugir de Bucareste. Numa cidade sossegada, a este da capital, 16 anos depois deste dia histórico, o dono da estação de televisão local convida duas pessoas a partilhar os seus momentos de glória revolucionária. Mas os telespectadores que ligam para o programa colocam-nos em causa enquanto heróis.

Comentário : Vi este filme romeno esta noite e confesso que gostei bastante, embora já tivesse visto melhor vindo deste país. O filme não possui qualquer componente histórica, é sim, uma obra de ficção sobre a dúvida de ter havido ou não uma revolução. A dúvida é grande, porque nos momentos finais, convidados do programa e espectadores não chegam a acordo, enervando o apresentador. A situação até fica um pouquinho cómica lá para o fim. Destaque para as interpretações, todos estiveram bem com realce para o mais velho que tem que se vestir novamente de Pai Natal. Gostei da fotografia e do argumento, mostrando o quotidiano de algumas personagens. Trata-se de um drama com algum humor, veja-se as situações dos petardos à porta do idoso e, mais tarde, perto dos miúdos. Uma forma diferente de olharmos outra cultura, outro povo, tão diferentes e ao mesmo tempo tão iguais. Um bom filme.

sábado, 20 de agosto de 2016

The Childhood Of A Leader

Nome do Filme : “The Childhood Of A Leader”
Titulo Inglês : “The Childhood Of A Leader”
Titulo Português : “A Infância de Um Líder”
Ano : 2015
Duração : 115 minutos
Género : Drama
Realização : Brady Corbet
Elenco : Tom Sweet, Berenice Bejo, Liam Cunningham, Yolande Moreau, Stacy Martin, Rebecca Dayan, Sophie Lane Curtis, Robert Pattinson.

História : Após o fim da Primeira Guerra Mundial, uma família americana parte para a França, já que o patriarca foi chamado para ajudar na criação de um Tratado. O filho e a mãe possuem um elo muito forte mas, aos poucos, a criança demonstra um comportamento violento que, muitos anos mais tarde, o faz se tornar um ditador.

Comentário : Trata-se de uma co-produção entre a Inglaterra e a França, um filme simples e muito bem conseguido. Penso que o filme não é biográfico e muito menos baseado num ditador em específico, eu pelo menos, não o associei a ninguém em especial. É uma ficção que mostra como pode mudar alguém no passado de forma a que no futuro seja má pessoa. No caso deste filme, o miúdo tinha pouca atenção dos pais, o pai estava quase sempre fora de casa a trabalho enquanto que a mãe entrou numa fase em que ligava pouco à criança. Basicamente, ele tinha apenas o apoio e a atenção de uma velha governanta, senhora esta que acaba por ser expulsa da mansão pela patroa e por um motivo ridículo, prejudicando o pequeno. Gostei da interpretação de Berenice Bejo, ela fez um trabalho brilhante no papel de uma sofrida mãe e esposa. Mas penso que o grande destaque vai para o pequeno Tom Sweet, o verdadeiro protagonista do filme que arrasa com a sua prestação, fiquei boquiaberto com o desempenho do pequeno. Por outro lado, no papel de pai ausente e marido irresponsável, o veterano Liam Cunningham teve uma prestação bastante aceitável. Gostei de reaver a grande atriz Yolande Moreau. Nem dei por Stacy Martin enquanto que Robert Pattinson não está a fazer nada no filme. A banda sonora chega a ser irritante em certos momentos e alguns planos eram desnecessários. Gostei deste filme, embora esperasse algo com mais conteúdo. Ainda assim, estamos perante um belíssimo filme de época. 

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Gohatto

Nome do Filme : “Gohatto”
Titulo Inglês : “Taboo”
Titulo Português : “Tabu”
Ano : 1999
Duração : 99 minutos
Género : Drama/Thriller
Realização : Nagisa Oshima
Elenco : Takeshi Kitano, Ryuhei Matsuda, Shinji Takeda, Tadanobu Asano, Yoichi Sai, Jiro Sakagami, Koji Matoba, Masa Tommies, Masato Ibu, Zakoba Katsura, Tomorowo Taguchi, Chikako Aoyama, Yoshiaki Fujiwara, Daisuke Iijima, Yoichi Iijima.

História : Num templo, a milícia de Shinsengumi escolhe novos recrutas para os transformar em guerreiros samurai. Aqueles que esperam ser escolhidos devem enfrentar o melhor homem da milícia, Soji Okita. Apenas dois são selecionados : Tashiro e Kano. Rígidas regras e regulamentos mantêm na ordem este grupo de homens que são a força unificadora face à adversidade. Mas de repente a milícia entrega-se a boatos e ciúmes. Tashiro sente-se imediatamente atraído por Kano, mas este entrega-se a relações homossexuais com alguns dos outros guerreiros do grupo. Para agravar a situação de todos, surge um assassinato no meio do grupo e os dois parecem ser os principais envolvidos.

Comentário : Depois de mais uma grande desilusão numa sala de cinema, é tempo de regressar ao lar e, no conforto da nossa casa, ver um filme bom. Foi o que me aconteceu com este filme do chamado cinema do mundo. Neste caso, trata-se de um filme japonês. Confesso que nunca fui grande admirador do cinema de Nagisa Oshima, mas gostei deste seu filme que já possui uns bons anos. Tem a ver com a cultura dos samurai, os mestres, os templos, as artes-marciais, as linhagens, regras e relações aparentemente proíbidas. No centro de tudo, temos um jovem guerreiro chamado Sozaburo Kano, mas conhecido geralmente por Kano, um homem que é bonito demais para tal, ou seja, é bonito demais para homem (se tivesse cabelo comprido passava por mulher), despertando a curiosidade de outros guerreiros que habitam no templo. Principalmente, as atenções de um outro samurai que foi recrutado na mesma altura que ele, Hyozo Tashiro, mas conhecido geralmente por Tashiro, que ama perdidamente Kano. O argumento está muito bem articulado, a fotografia é excelente e muitas cenas parecem quadros profissionalmente pintados, a banda sonora é serena e as interpretações são impecáveis. O filme começa como um drama, mas termina na forma de um thriller, culminando numa espécie de duelo final entre os dois amantes. Gostei imenso das interpretações dos atores que fizeram das patentes mais altas dentro do templo. Grande filme. 

The Neon Demon

Nome do Filme : “The Neon Demon”
Titulo Inglês : “The Neon Demon”
Titulo Português : “O Demónio De Neon”
Ano : 2016
Duração : 120 minutos
Género : Thriller/Crime
Realização : Nicolas Winding Refn
Produção : NWR
Elenco : Elle Fanning, Abbey Lee, Jena Malone, Bella Heathcote, Christina Hendricks, Jamie Clayton, Stacey Danger, Rebecca Dayan, Taylor Marie Hill, Vanessa Martinez, Lily Moffett, Charlize Cotton, Allie Lewis, Georgia Fowler, Dani Seitz, Alysse Reynolds, Autumn Alderson, Lucy Cronkite, Tea Jo, Jennifer Wade, Olga Glenn, Lareja Drane, Frances Parsons, Aminata Mboup, Claire Eberle, Anna Gonzales, Lauren Adams, Bridgham Leigh, Nicole Robinson, Jaydn Meier, Lunden Lisherness, Kiera Smith, Lavinia Postolache, Sophie Mazzaro, Rebecca Kiser, Samantha Miller, Tessa Miller, Keanu Reeves, Alessandro Nivola, Karl Glusman, Desmond Harrington.

História : A linda Jesse, de 16 anos, chega a Los Angeles determinada a realizar o sonho de se tornar modelo profissional. Após uma sessão fotográfica, é contratada por uma agência. Ali terá de aprender a lidar com o enorme egocentrismo das outras modelos, que estão dispostas a tudo pelo reconhecimento, e também com Ruby, uma maquilhadora que se revela muito amorosa, porém perigosa. Rapidamente, Jesse percebe que o mundo da moda não é apenas sobre beleza e perfeição, mas algo doentio, perverso e assustador.

Comentário : Às vezes, quando um filme é mau, costumo perguntar-me o que se passa na cabeça daqueles realizadores que têm à sua disposição todos os meios financeiros e de pessoal para fazer algo bem feito e resolvem nos apresentar uma valente merda, porque foi isso que o egocentrista e convencido Nicolas Winding Refn fez com este “The Neon Demon”. E com isto vem-me à memória e já não falando daqueles filmes tipo “Sharknado”, as nossas novelas que são daquilo que de mais nojento se produz no nosso miserável país e com os nossos dinheiros. É que aquilo é tão mau e tão reles que me espanta como é que tanta gente as vê, mas isso é facilmente explicável pela cultura (ou falta dela) de um povo. Não vamos mais longe, dos quatro canais normais da nossa televisão, não é por acaso que o melhor deles (RTP2) é o menos visto pelo nosso triste povo. Tudo isto para chegar até “The Neon Demon”, um objecto que tenta alcançar o estatuto de filme de culto ou mesmo de pseudo-filme, mas que não chega nem aos calcanhares desses dois conceitos. 

Cometi o grave erro de ir ao cinema ver este filme, é verdade, fui hoje (sexta-feira) à sessão das 16.50H no também miserável Cinema Monumental, que muito me admira como é que Paulo Branco ainda mantém abertas as quatro salas deste complexo. O filme em causa começa mal, continua mal e termina terrivelmente mal. Muitos quiseram salientar o aspecto visual da película, eu nem daí consigo obter virtudes. Outros realizadores já fizeram bem melhor em outros filmes, no que ao campo visual diz respeito. Assim à memória vem-me Tarsem Singh, Wes Anderson, David Lynch, Stanley Kubrick ou mesmo J. J. Abrams, apenas para citar alguns. Ainda sobre o mau cinema, esqueci-me de citar a trilogia remake dos clássicos portugueses (isto é cinema?), que ainda conseguem ser ainda mais reles do que filmes como este e tantos outros que surgem anualmente nas nossas salas de cinema. Aliás, eu deste realizador apenas gostei de “Drive”. Um dado curioso, quando saí da sala de cinema, algumas pessoas que também dela saíram falavam muito mal do filme, diziam que detestaram aquilo que haviam acabado de ver. Eu depois fui comprar uns DVD's à parte da loja deles e a moça que lá estava confirmou-me que as reacções àquele filme têm sido abertamente negativas. Mas vamos ao filme. Trata-se de um filme pretensioso que tem uma mensagem indefinida, eu não percebi qual a mensagem que o cineasta pretendeu passar, se é que tem alguma. 

O filme está cheio de cenas ridículas, tudo parece um doloroso video-clip de quase duas horas. A banda sonora é irritante, a fotografia é má e isso chega ao ponto de nas cenas escuras mal conseguimos ver os rostos dos atores, os diálogos são pobres, todas mas mesmo todas as prestações são medíocres, mesmo Elle Fanning (uma das melhores atrizes desta nova geração) tem aqui a sua segunda pior interpretação da carreira (sim, em “About Ray” ainda desceu mais baixo...). A miúda é linda e tem a particularidade de possuir um rosto angelical, pois foram somente essas duas coisas que ela usou neste filme, notei que ela fez um enorme sacrifício ao encarnar esta personagem, coisa que eu não consigo perceber onde ela estava com a cabeça quando decidiu alinhar neste projeto sem ponta por onde se lhe pegue. Volto a dizer, no campos das interpretações, não se aproveita ninguém.

O filme falha também quando vinha rotulado de filme chocante, profundamente ridículo, de chocante nada tem, apenas umas cenas de violência (vistas em centenas de outras fitas) e a tão falada cena do olho, a mim, tudo me deu vontade de rir, de tão ridículo que aquilo é. O filme não tem história, tem um argumento paupérrimo e vazio de conteúdo, existem muitas cenas que não fazem sentido, outras tantas fora do contexto e alguns erros. Não quero influenciar ninguém, mas não aconselho que vão ver este filme, poupem os vossos euros, a mim, foram-se sete euros, que quase os chorei. E pensar que o realizador tinha todo o potencial e todo o material nas mãos para fazer algo decente. Nem uma cena de sexo lésbico foram capazes de inserir no filme, a jovem de 16 anos ainda não tinha a sua sexualidade definida, suponho eu, pois recusa homens e mulheres. Para mim, foram duas horas penosas, nem chegou a duas horas, porque assim que surgiram as primeiras letras do genérico final, eu abandonei a sala, já estava farto de tanta porcaria num só filme. Valeram a curtíssima aparição de um puma numa cama e a beleza de Elle Fanning, os únicos pontos positivos de um filme que não tem nada, não nos dá nada e que prometia imenso. É que o filme, que era suposto falar-nos no mundo concorrido da moda e dos desfiles, até nisso falhou, não vemos nada disso na fita, apenas sessões fotográficas e audições. Para mim, este filme é um dos piores filmes que eu vi em toda a minha vida. Para mim, foi como se o realizador estivesse a gozar connosco, espectadores, senti que, com este filme, Nicolas Winding Refn nos mandou à merda. A sério, eu senti-me assim, quando saí da sala de cinema, mas ao mesmo tempo aliviado, porque o inferno tinha terminado. Filme execrável e nulo, mesmo muito mau.


Elle Fanning (09/04/1998) – Filmografia Essencial


I Am Sam (Lucy Dawson)
The Door In The Floor (Ruth Cole)
Because Of Winn Dixie (Sweetie Pie)
Babel (Debbie Jones)
Déjà Vu (Abbey)
The Nines (Noelle)
Reservation Road (Emma)
Phoebe In Wonderland (Phoebe Lichten)
The Curious Case Of Benjamin Button (Daisy-age7/8)
Somewhere (Cleo)
Super 8 (Alice Dainard)
Twixt (V)
We Bought A Zoo (Lily Miska)
Ginger And Rosa (Ginger)
Young Ones (Mary Holm)
Low Down (Amy Albany)
Maleficent (Princess Aurora)
Trumbo (Niki Trumbo)
20Th Century Women (Julie)
Live By Night (Loretta Figgis)
Mary Shelley (Mary Shelley)
Sidney Hall (Melody)
How To Talk To Girls At Parties (Zan)
The Beguiled (Alicia)
Galveston (Raquel)
A Think We're Alone Now (Grace)

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Ghost Dog

Nome do Filme : “Ghost Dog : The Way Of The Samurai”
Titulo Inglês : “Ghost Dog”
Titulo Português : “O Método do Samurai”
Ano : 1999
Duração : 116 minutos
Género : Drama/Crime
Realização : Jim Jarmusch
Elenco : Forest Whitaker, John Tormey, Cliff Gorman, Frank Minucci, Richard Portnow, Tricia Vessey, Henry Silva, Gene Ruffini, Victor Argo, Gano Grills, Vince Viverito, Vinny Vella, Joseph Rigano, Isaach Bankole, Camille Winbush, Gary Farmer, Jerry Sturiano, Tony Rigo, Alfred Nittoli, Vanessa Hollingshead.

História : Um homem misterioso e de poucas palavras vive num terraço e divide o espaço com dezenas de pombos, gere a sua vida segundo os preceitos de um texto do século XVIII do guerreiro Hagakure; o livro do samurai; praticando antigas disciplinas japonesas e aplicando-as no seu trabalho como assassino contratado.

Comentário : Gostei muito deste filme, não conheço muito bem o cinema de Jim Jarmusch, mas começo a tomar-lhe o gosto. Li algures que ele gosta de filmar a noite, as rotinas, o negro e, curiosamente, aquilo que mais gostei neste filme foi de ver o protagonista a conduzir pelas ruas à noite, a ver o que se passa, as pessoas, a sentir o frio da madrugada, enfim, a testemunhar a vida noturna, em carros que não são dele. E tudo muito bem filmado, maravilhoso. Só por estas coisas, vale bem a pena o visionamento deste filme. Forest Whitaker obteve neste filme uma das melhores interpretações da sua carreira, ele faz o filme, a fita vive imenso da sua personagem, ele é a essência da película. Gostei também de várias outras cenas, algumas protagonizadas pelos inimigos. Muito curiosa é a amizade inesperada que o protagonista arranja com uma menina que adora andar com uma sacola cheia de livros. A banda sonora também é boa. Todo o elenco de secundários fez igualmente um bom trabalho no que à representação diz respeito. O filme pode desiludir aqueles que o querem ver em busca de ação, pois não possui praticamente nenhuma. É um drama sobre o mundo do crime, uma espécie de balada cinematográfica que aborda um homem que se rege pelos códigos dos antigos samurais. Confesso que não contava com aquele final, foi algo inesperado. Mas percebi a mensagem do autor. Grande filme.

Pete's Dragon

Nome do Filme : “Pete's Dragon”
Titulo Inglês : “Pete's Dragon”
Titulo Português : “A Lenda do Dragão”
Ano : 2016
Duração : 103 minutos
Género : Aventura/Drama
Realização : David Lowery
Elenco : Oakes Fegley, Bryce Dallas Howard, Robert Redford, Oona Laurence, Wes Bentley, Karl Urban, Isiah Whitlock Jr., Marcus Henderson, Phil Grieve, Aaron Jackson.

História : Pete, de dez anos, vive perdido numa grande e densa floresta há alguns anos, o mesmo tempo que não possui contactos com seres humanos. Um dia, é descoberto por Natalie e por Grace, uma guarda florestal que, ao vê-lo abandonado à sua sorte, decide ajudá-lo. Só que Pete não sobreviveu sozinho, ele teve a ajuda de um dragão que domesticou e o ajudou durante todo aquele tempo, entre humano e criatura nascera uma ternurenta amizade. Agora, ao terem encontrado o miúdo, isso poderá colocar em causa não só essa estranha relação como também a existência da lendária criatura.

Comentário : Estava com muita curiosidade para ver este filme, mesmo não sendo muito admirador dos filmes da Disney. Já o vi e gostei bastante. Gostaria de fazer aqui um apelo para que não liguem às criticas negativas que o filme está a ter, porque apesar de ser uma fita mais direcionada ao público infantil, pessoalmente, achei a película muito bem concebida e tudo estava bem elaborado. Quero com isto dizer que julgo que os pais que vão com as suas crianças ao cinema ver este filme, possivelmente também irão gostar daquilo que David Lowery nos tem para mostrar, porque é um filme um tanto complexo que explora o tema da amizade e da compreensão entre espécies, que é uma coisa que tem que ser incutida nos nossos filhos desde muito pequenos. Eu mesmo, ao ver este filme, senti como se estivesse a regressar à minha infância, quando via aqueles desenhos animados em que crianças mantinham amizades com animais, com a diferença que aqui, é quase tudo em imagem real. Mas podem acreditar que é um filme que vale bem o preço do ingresso, embora eu não aconselhe que o vejam em 3D. 

O que é de lamentar no caso deste filme é o facto de que existem mais versões faladas em português do que legendadas, ou seja, a versão original só existe praticamente à noite, mas julgo que normalmente é isso que fazem neste tipo de produções. Por exemplo, lembro-me que fizeram o mesmo com os três filmes da saga “As Crónicas de Nárnia” e o fazem sempre com este tipo de filmes. Nem ao menos pensam que existem adultos que, de vez em quando, também gostam de se distrair com estes filmes, chamados de filmes de família. Mas isto é o dinheiro e o lucro a falar mais alto. Voltando ao filme. Eu gostei bastante deste filme porque a história me encantou e porque fez lembrar a minha infância. E digo mais, gostei mais deste “Pete's Dragon” do que do “Suicide Squad”, estou a ser o mais honesto possível. O único e talvez o maior problema deste filme familiar é o facto de ter imensos clichés, não foram muito originais naquilo que nos deram, quase tudo já visto em outros filmes.

Em relação às interpretações, o melhor do filme chama-se Oakes Fegley e é o pequeno ator que desempenha o papel do protagonista, fiquei boquiaberto com a prestação deste menino. Além de ser lindo (não me importava que fosse meu filho), ele fez de Pete um poderoso personagem, credível e cheio de vida, Pete é claramente a minha personagem preferida do filme, tudo porque escolheram muito bem o pequeno ator para o desempenhar, o pequeno não se limitou a interpretá-lo, ele viveu tudo aquilo. Volto a dizer, Oakes Fegley e o seu Pete são o melhor do filme. Depois temos o dragão, está muito bem conseguido, gostei mais deste dragão do que do dragão do terceiro filme das crónicas de Narnia. Em relação ao interface da criatura com o menino, ficou perfeito. Volto a dizer, o dragão está muito realista. Do restante elenco, todos estiveram bem, com destaque para a pequena Oona Laurence (“Lamb” e “Southpaw”) e para o grande e excelente Robert Redford, este senhor raramente desilude. 

Gostei do som e da banda sonora, bem como da fotografia. O filme tem também bonitas paisagens, julgo que a floresta também seja real. As minhas sequências preferidas da fita são claramente aquelas em que Pete e o dragão “contracenam”, convivem e brincam na floresta, podemos contar com muito disso logo a seguir ao começo do filme. Por último, não posso terminar sem deixar de frisar o enorme trabalho que deve ter dado a fazer este filme, dou por isso os meus parabéns a toda a produção nele envolvida. Mesmo sendo adulto, gostei deste filme, tal como havia gostado da trilogia das Crónicas de Narnia, de “Harry Potter” ou do recente “Heidi”, porque às vezes, faz bem nos libertarmos e vivermos algo do passado, voltarmos a ser crianças nem que seja apenas por noventa minutos numa sala escura. 

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

The Clan

Nome do Filme : “El Clan”
Titulo Inglês : “The Clan”
Titulo Português : “O Clã”
Ano : 2015
Duração : 110 minutos
Género : Biográfico/Histórico/Crime/Drama
Realização : Pablo Trapero
Produção : Pablo Trapero/Pedro Almodóvar
Elenco : Guillermo Francella, Peter Lanzani, Antonia Bengoechea, Lili Popovich, Gaston Cocchiarale, Giselle Motta, Franco Masini, Stefania Koessl.

História : Baseado na vida de um dos gangues mais conhecidos da Argentina, os Puccio, somos levados a conhecer a família que ficou conhecida na década de 1980 por sequestrar e matar várias pessoas.

Comentário : Trata-se de um filme baseado em factos reais que ainda não vimos estrear nas nossas salas de cinema. Trata-se de uma co-produção entre a Argentina e a Espanha, uma fita que fala de uma família nada normal, uma família do crime, que vivia do crime. Uma das cenas foca bem o nível em que aquelas pessoas viviam, aquela parte em que o pai dá ao filho uma enorme quantidade de dinheiro, vários montes de notas. Na realidade, eles protegiam-se uns aos outros. O patriarca da família lidava com os assassinatos com uma facilidade brutal, era como se para ele fosse tudo normal. Guillermo Francella tem assim uma muito merecida melhor prestação do filme. Todos os atores e atrizes que desempenharam os restantes membros da família estiveram muito bem. Adriana foi claramente a minha personagem preferida. A cena do suicídio do rapaz no final está muito realista. Pessoalmente, gostei imenso de ter tido conhecimento da existência desta família e dos seus feitos, apesar de nada aqui ser de louvar. É tudo mais uma questão de ficar informado. Existiu e existe gente neste mundo muito doente e muito criminosa. No fundo, trata-se de um filme esclarecedor e com um bom argumento, que nos confronta com factos. Seria lamentável se este filme não tivesse direito a estrear nos nossos cinemas. 

Princess

Nome do Filme : “Princess”
Titulo Inglês : “Princess”
Titulo Português : “Princesa”
Ano : 2014
Duração : 90 minutos
Género : Drama/Crime
Realização : Tali Shalom Ezer
Elenco : Shira Haas, Keren Mor, Adar Zohar Hanetz, Ori Pfeffer.

História : Adar é uma bonita rapariga que acaba de entrar na adolescência, ela vive com uma mãe desnaturada e com um padrasto que abusa dela sexualmente. Como só vê o pai de tempos a tempos e numa última tentativa de superar os traumas, Adar cria um amigo imaginário que passa a fazer parte do seu mundo. Quando tem a primeira menstruação, a jovem vê os abusos por parte do padrasto aumentarem, acaba por contar à mãe, que não acredita nela. Para Adar, pode já ser tarde demais, pois nunca será uma mulher normal.

Comentário : Este filme representou para mim, um verdadeiro “murro no estômago”, na medida que aborda uma realidade que se pode passar em qualquer lar, o abuso sexual de menores. Sabe-se lá quantas Adar existem por esse mundo fora, que sofrem em silêncio os abusos sexuais, físicos ou psicológicos às mãos de padrastos ou de qualquer outro parente ou amigo chegado à família, gerando profundos traumas. Assim, a realizadora “mete o dedo na ferida” e cria uma espécie de camuflagem para a verdadeira condição da jovem protagonista, lhe atribuindo um amigo imaginário. Muitos dos abusos que a jovem sofre às mãos do padrasto são vividos pelo amigo imaginário dela. 

A jovem Shira Haas tem a melhor interpretação do filme, fiquei realmente surpreendido com o talento da miúda para a representação. Junto com o jovem Adar Zohar Hanetz, eles têm as cenas mais bonitas da fita, tudo isto num filme feio como a trampa que cagamos. Keren Mor limitou-se a representar a mãe “cabra”, enquanto que Ori Pfeffer fez bem o papel do nojento de serviço. A sequência de uma das violações que Adar sofre é bastante aflitiva. E o mais triste é sabermos que as penas criminais no nosso país para este tipo de crimes são leves e acabam por ser reduzidas em alguns casos. Elas, as miúdas, as vítimas, ficam marcadas e traumatizadas para sempre, porque na maior parte dos casos, ninguém realmente se preocupa com elas. E Adar assim continuou, entregue a si mesma, como tantas outras. Um último reparo, adorei a música que passa com os créditos finais.O filme é de Israel e é um dos filmes mais polémicos que o chamado cinema do mundo já nos facultou. 

Miles Ahead

Nome do Filme : “Miles Ahead”
Titulo Inglês : “Miles Ahead”
Titulo Português : “Miles Ahead”
Ano : 2015
Duração : 100 minutos
Género : Biográfico/Drama
Realização : Don Cheadle
Elenco : Don Cheadle, Ewan McGregor, Emayatzy Corinealdi, Christina Karis, Keith Stanfield, Brian Bowman, Michael Stuhlbarg, Brent Vimtrup, Morgan Wolk, Nina Smilow, Chris Grays, Michael Bath, Reginald Willis, Amber Hawkins, Mariah Means, Ken Early, Jeremy Dubin, Marissa Ford, Jeffrey Grover, Kaitlyn Rawlings.

História : Durante a década de 1970, mesmo no auge da sua carreira, o compositor e trompetista Miles Davis decide abandonar os palcos e fechar-se em casa. Durante cinco longos anos, viveu em quase total isolamento, lidando com uma dor crónica e problemas de voz decorrentes de uso abusivo de drogas. Até que, determinado a fazer uma reportagem sobre a grande estrela do jazz há muito desaparecida, Dave Braden, que se apresenta como repórter de uma célebre revista, o ajuda a regressar novamente ao mundo da música.

Comentário : Quem diria que o ator Don Cheadle ia realizar um filme sobre um compositor de jazz, pois é, a vida dá muitas voltas. Trata-se de um bom filme biográfico, quando ouvi falar neste filme pela primeira vez, nunca imaginei que semelhante ator estava ligado a ele. Foi tudo uma grande surpresa para mim, porque Cheadle saiu-se muito bem, seja como realizador, seja enquanto ator protagonista. Não achei que Ewan McGregor estivesse bem no filme, podiam ter colocado outro no seu lugar e a coisa talvez tivesse funcionado melhor. Confesso que nada sei sobre jazz e muito menos sobre Miles Davis, logo, saí satisfeito por ter ficado a saber umas coisas. A clausura do músico deu-se em parte devido ao facto da esposa o ter abandonado. O problema deste filme é que é um pouco confuso, porque possui uma narrativa que está sempre a alternar entre passado e presente, por vezes, mistura os dois, não mostrando muito bem a clareza dos acontecimentos. O ator/realizador deve ser mesmo um grande admirador de Miles Davis para se ter metido nisto. No fim, aquilo que temos é um filme revelador que nos mostra muito o lado menos bom de Miles Davis. Sem querer ser mau, duvido que algumas coisas que se viram no filme tivessem acontecido de verdade, mas enfim.

The Man Who Knew Infinity

Nome do Filme : “The Man Who Knew Infinity”
Titulo Inglês : “The Man Who Knew Infinity”
Titulo Português : “O Homem Que Viu o Infinito”
Ano : 2015
Duração : 109 minutos
Género : Biográfico/Drama
Realização : Matthew Brown
Elenco : Jeremy Irons, Dev Patel, Devika Bhise, Toby Jones, Stephen Fry, Jeremy Northam, Malcolm Sinclair, Raghuvir Joshi, Dhritiman Chatterjee, Padraic Delaney, San Shella, Richard Cunningham.

História : A história de Srinivasa Aiyangar Ramanujan, o prodígio da matemática que, apesar de ter nascido na Índia, foi distinguido e viu o seu trabalho ser reconhecido lá fora. Numa escola inglesa e em conjunto com o grande matemático G. H. Hardy, ele, apesar de todas as dificuldades de adaptação e de algum cepticismo do corpo docente, tornou-se professor em Cambridge e foi agraciado com o ingresso na Royal Society de Ciências. Entre os dois, viria a nascer uma grande amizade, que usaram para desenvolver grandes descobertas e projectos, que influenciaram vários matemáticos ao longo da história.

Comentário : Na semana em que este filme teve estreia nas nossas salas de cinema, eu confesso que pensei para mim mesmo que gostava de o ir ver. Não por gostar de matemática, mas porque é uma fita que fala de algo que existiu de verdade, trata-se de um filme biográfico baseado em factos verídicos sobre um jovem aspirante a matemático, um verdadeiro génio que teve o azar de falecer cedo demais. Uma outra razão pela qual o filme me despertou a atenção foi devido a ter no elenco principal, um dos meus atores preferidos, Jeremy Irons. Claro que gostei bastante deste filme, é uma obra que fala de lutarmos sempre para atingirmos os nossos objectivos, sem nunca desistir e perante todas as adversidades. Na escola, nunca fui bom aluno a matemática e nem a inglês, por isso, tudo aquilo que eles falavam e tratavam não significava muito para a minha pobre pessoa, mas gostei de ter ficado a saber umas coisinhas. Mais uma vez, Jeremy Irons possui uma excelente interpretação, ele é um autêntico senhor na arte da representação e a sua química com o jovem indiano Dev Patel funcionou na perfeição. O elenco de secundários também está de parabéns, com destaque para a linda Devika Bhise, uma bonita indiana que se saiu muito bem no desempenho da sua personagem. Toby Jones e Stephen Fry; como eu gosto também muito destes dois grandes atores; tiveram também boas prestações. Um bom filme para fugirmos à avalanche de cinema comercial que enche as nossas salas de cinema, somente para quem pretende pensar e aprender alguma coisa.

Born To Be Blue

Nome do Filme : “Born To Be Blue”
Titulo Inglês : “Born To Be Blue”
Ano : 2015
Duração : 97 minutos
Género : Biográfico/Drama
Realização : Robert Budreau
Elenco : Ethan Hawke, Carmen Ejogo, Callum Keith Rennie, Tony Nappo, Stephen McHattie, Janet Laine Green, Dan Lett, Kevin Hanchard, Kedar Brown, Katie Boland.

História : A vida complicada do famoso trompetista e cantor de jazz Chet Baker, sempre envolvido em sexo, drogas e violência nos finais na década de 1960. Um dia, ele conhece uma mulher que lhe dá um novo alento à sua vida.

Comentário : Confesso que já andava à bastante tempo para ver este filme biográfico com Ethan Hawke, que desempenha um cantor de jazz e um famoso trompetista. Finalmente, consegui ver o filme e, apesar de não ser nada de especial, tenho que afirmar que gostei do que vi. É um filme detentor de uma componente musical muito forte, uma boa fotografia e um argumento volátil que mistura o tempo do presente com flashbacks a preto e branco do passado do protagonista. Ethan Hawke tem neste filme mais uma brilhante interpretação da sua carreira. Como atrás de um grande homem está sempre uma grande mulher, a acompanhá-lo temos uma excelente Carmen Ejogo, que nos facultou uma personagem bastante convincente. A química entre os dois funcionou na perfeição. Achei a cena da banheira bastante aflitiva, por outro lado, adorei aquela sequência na apresentação em que ele canta uma música para ela em género de dedicatória e toca-lhe um pouquinho de trompete, obtendo assim um enorme aplauso pela maioria da plateia, pelo seu excelente trabalho. Claro que a complicada questão das drogas viria a ser a grande responsável pela separação do casal. Gostei deste filme, embora ache que podiam ter focado mais o lado pessoal e emocional de Chet Baker, bem como o convívio dele com outros músicos daquela época.

The Other Side Of The Door

Nome do Filme : “The Other Side Of The Door”
Titulo Inglês : “The Other Side Of The Door”
Ano : 2016
Duração : 96 minutos
Género : Terror/Drama
Realização : Johannes Roberts
Elenco : Sarah Wayne Callies, Jeremy Sisto, Sofia Rosinsky, Logan Creran, Suchitra Pillai, Mishti Bangera, Shoa Hussain, Javier Botet.

História : Um casal vive com os seus dois filhos menores na Índia numa casa no campo. Um dia e num acidente de carro, apenas mãe e filha se salvam, provocando a morte do menino. Desde esse dia, a mãe não se perdoa e, numa tentativa de falar com o menino uma última vez para lhe pedir desculpa, aceita participar numa experiência que lhe permitirá tal feito. No entanto, ela não cumpre a regra mais importante que a empregada lhe recomendara. A partir desse dia, a existência daquela família transforma-se num verdadeiro inferno.

Comentário : Como filme de terror e se ignorarmos os imensos erros, a coisa até funciona. Apesar das coisas más que o filme tem, eu consegui “fechar os olhos” e assistir a tudo numa boa. Porque nem tudo é mau. Sim, o filme possui imensos erros, principalmente na lógica das coisas e perde-se um pouco por aí. Tem também poucos sustos, apenas a criatura chamada Myrtu é de arrepiar. A criatura é desempenhada pelo ator Javier Botet, o mesmo responsável por outras criaturas arrepiantes e medonhas do mundo dos filmes de terror, para dar um exemplo, foi ele quem fez a Nina Medeiros na sua fase terminal no filme “Rec”. Voltando ao filme, a fita sobrevive basicamente pelas prestações dos seus protagonistas principais e secundários. Sarah Wayne Callies, como mãe, esteve muito bem e emociona em algumas sequências. Jeremy Sisto, como pai e no pouco que aparece, não se pode dizer que estivesse mal, cumpriu os mínimos e nos minutos finais, dá um show. No papel de empregada indiana, Suchitra Pillai arrasou no seu papel, gostei bastante da sua prestação. Depois, temos a pequena Sofia Rosinsky, no papel de filha do casal, a miúda interpretou muito bem o papel de Lucy e, no final, chega mesmo a impressionar com aquilo que faz. No papel de irmão de Lucy e filho do casal e do pouco que aparece, Logan Creran esteve igualmente bem. Na sua forma de fantasma, o menino impressiona lá para o final ou naquela cena do caixão um pouco depois do inicio. Até o cão esteve bem. É um filme que vive às custas das prestações competentes de todo o elenco, mas falha no argumento cheio de buracos e nos imensos erros nos acontecimentos. 

Experimenter

Nome do Filme : “Experimenter”
Titulo Inglês : “Experimenter”
Titulo Português : “Stanley Milgram – O Psicólogo Que Abalou a América”
Ano : 2015
Duração : 99 minutos
Género : Biográfico/Histórico
Realização : Michael Almereyda
Elenco : Peter Sarsgaard, Winona Ryder, John Leguizamo, Anton Yelchin, Emily Tremaine, Kellan Lutz, Lucy Fava, Jude Patrick White, Josh Hamilton, Tom Farrell, Taryn Manning, Ned Eisenberg, Jim Gaffigan, John Palladino, Anthony Edwards.

História : Na década de 1960, o psicólogo Stanley Milgram se tornou conhecido pelos seus experimentos de obediência, inspirados pelos eventos do Holocausto. No seu trabalho, pessoas comuns eram levadas a dar o que acreditavam serem dolorosos choques elétricos em outras pessoas, mesmo quando escutavam gritos de dor. Raramente percebiam que as cobaias eram elas.

Comentário : Esta noite vi este filme e confesso que não o achei nada de especial. Para ser totalmente sincero, nem sei porque me dei ao trabalho de o ver, porque o assunto que ele aborda não me despertou qualquer tipo de interesse. Não achei a realização e a fotografia grande coisa, na verdade, penso até que este filme tem uma má produção. Detestei aquelas partes em que o protagonista se punha a falar para a camara. Algumas personagens eram irritantes. A história não me despertou grande interesse e estava sempre a desejar que o filme acabasse. A caracterização no que ao envelhecimento do protagonista diz respeito está muito mal feita, aquela barba está execrável, vê-se claramente que é falsa. Como aspectos positivos, temos uma boa prestação de Winona Ryder e pouco mais. Um último reparo, este foi mais um dos últimos filmes em que o jovem ator Anton Yelchin entrou, antes de falecer, à dois meses. Um filme somente para interessados na matéria.