sábado, 2 de abril de 2016

Three Sisters

Nome do Filme : “San Zimei”
Titulo Inglês : “Three Sisters”
Titulo Português : “Três Irmãs”
Ano : 2012
Duração : 153 minutos
Género : Drama Documental
Realização : Wang Bing
Produção : Wang Bing
Elenco : Yingying, Zhenzhen, Fenfen, Yanyan.

História : Três irmãs, de quatro, seis e dez anos, vivem em Yunan, uma região montanhosa da China. Com a mãe desaparecida e o pai a trabalhar na cidade, estão praticamente entregues a elas próprias. Os dias são passados entre os trabalhos no campo, visitas aos familiares e a deambular pela aldeia.

Comentário : Mais um grande filme do realizador Wang Bing. Tal como em “A Fossa”, aqui impera o realismo. Na realidade, este foi o filme mais realista que vi na vida. Primeiro, acompanhamos o quotidiano das três irmãs que moram numa espécie de barraca, como todos na aldeia, e que passam os dias a tratar do campo e dos animais, bem como da casa e visitam também o avô e uma tia, onde brincam um pouco com dois primos. Depois, assistimos ao regresso do pai, que voltou e acaba por levar as filhas mais novas para a cidade, deixando a mais velha, Yingying com o avô para o ajudar nas tarefas do campo e da casa. Com um problema de saúde que a faz tossir, a miúda desenrasca-se muito bem em praticamente tudo o que se mete e é uma grande ajuda para o avô. Mais tarde, o pai regressa novamente à aldeia com as duas filhas mais novas, mais a ama das miúdas e a filha desta. Todos se juntam a Yingying para iniciarem um novo ciclo naquela aldeia.

Praticamente é isto que vemos ao longo das duas horas de meia de projeção. Volto a dizer, o filme é muito realista. O realizador segue-os a todos com a camara ao ombro, a imagem é amadora e o som é uma forte componente, são os sons da vida. Os animais são uma graça, com destaque para uma ovelha manhosa que é a última do rebanho e para um gatinho que está em casa constantemente a miar. Do elenco humano, todos não profissionais, o destaque vai claramente para a irmã mais velha, Yingying, esta miúda é praticamente o principal pilar da pequena família e da habitação. Todos eles vivem em péssimas condições, veja-se os interiores das casas e mesmo o aspecto da escola. Possuem poucos meios e o realizador faz sempre questão de focar esses aspectos. O filme é muito longo, eu apenas tirava a sequência de 12 minutos da festa da aldeia que se resume a um monte de gente dentro de uma casa a comer e a conversar de banalidades. Acompanhar o quotidiano de Yingying foi para mim uma experiência bastante interessante, aquelas pessoas limitam-se a viver com muito pouco, quase nada. A sensação quando se sai da sala de cinema é a de um preenchimento e de uma riqueza pelo facto de termos assistido a um grande filme que nos mostrou uma cultura diferente, mas ainda assim, são precisas grandes doses de paciência para o ver. Pessoalmente, amei a experiência. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário