domingo, 8 de fevereiro de 2015

The Judge

Nome do Filme : “The Judge”
Titulo Inglês : “The Judge”
Ano : 2014
Duração : 142 minutos
Género : Drama
Realização : David Dobkin
Elenco : Robert Downey Jr (Hank Palmer), Robert Duvall (Joseph Palmer), Vera Farmiga (Samantha Palmer), Vincent D'Onofrio (Glen Palmer), Jeremy Strong (Dale Palmer), Emma Tremblay (Lauren Palmer), Sarah Lancaster (Lisa Palmer), Catherine Cummings (Mary Palmer), Tamara Hickey (Amy Palmer), Paul Emile Cendron (Joe Palmer), Ian Nelson (Eric Palmer), Billy Bob Thornton (Dwight Dickham), Leighton Meester (Carla Powell), Ken Howard (Warren), Balthazar Getty (Hanson), David Krumholtz (Mike), Grace Zabriskie (Mrs. Blackwell), Jeremy Holm (Redneck).

História : Hank Palmer é um advogado brilhante, mas pouco escrupuloso, que fez carreira a defender criminosos. Sem qualquer sentimento de culpa, ele considera que a lei pode ser contornada de forma a incriminar ou defender seja quem for. Quando é informado da morte da mãe, segue viagem até à pequena cidade onde cresceu e aonde jurou nunca mais regressar. Ali reencontra o pai, um juiz da velha guarda que sempre se guiou por uma moral incorruptível e que nunca aceitou a forma leviana com que o filho encarava a culpa ou a inocência. Mas um acontecimento, vai dar a Hank a grande chance de se reconciliar com o pai e com a familia que lhe resta.

Comentário : Depois de ter visto este filme, posso dizer : que grande filme. Gostei de quase tudo neste filme, só não gostei de não ter ficado a saber se Lauren escolheu ficar com o pai ou com a mãe. Tenho um enorme respeito por certos atores de Hollywood e Robert Duvall é um deles, que interpretação brilhante, ele é um senhor. Simpatizo imenso com Robert Downey Jr e, neste filme, ele superou todas as espectativas. Do elenco de secundários, conhecia alguns, outros não. O argumento é muito bom e está bem esgalhado. O filme está muito bem realizado e é uma fita bastante dramática, nomeadamente quando nos mostra as imagens da infância dos três irmãos com a mãe. O filme possui a componente de filminho de tribunal, mas não foi esse aspeto que dominou a fita, porque o foco principal do filme foi a familia e os valores existentes nas suas diversas relações. Seja a relação de Hank com a filha pequena, seja a relação dele com o pai, com os irmãos ou mesmo com a namorada que não via à vinte anos, estes aspectos foram a alma do filme. Confesso que esperava um final mais dramático, mas não foi isso que David Dobkin nos quis facultar. A mim, este filme me surpreendeu pela positiva, muito bom, muito intenso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário