terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Calvary

Nome do Filme : “Calvary”
Titulo Inglês : “Calvary”
Ano : 2014
Duração : 105 minutos
Género : Drama
Realização : John Michael McDonagh
Elenco : Brendan Gleeson (Father James), Kelly Reilly (Fiona Lavelle), Chris O'Dowd (Jack Brennan), Aidan Gillen (Frank Harte), Dylan Moran (Michael Fitzgerald), Domhnall Gleeson (Freddie Joyce), Marie Josee Croze (Tereza), Isaach Bankole (Simon), Emmet Walsh (Writer), Orla O'Rourke (Veronica Brennan), Owen Sharpe (Leo), Anabel Sweeney (Jeanine).

História : O Padre James é um homem bondoso e humilde que está sempre disposto a ajudar o próximo, mas vive sempre desiludido com as pessoas da sua cidade, com as suas mentalidades e feitos. Após uma confissão, o Padre James vê as coisas piorarem para o seu lado durante a semana seguinte.

Comentário : Depois de ter visto este filme, tenho que confessar que tomei Brendan Gleeson como um dos meus atores de eleição, teve neste filme cinzento, possivelmente a melhor prestação da sua carreira. Claro que gostei bastante deste filme, o argumento é um dos pontos mais altos e é igualmente uma obra que vive imenso das interpretações de todos, desde o elenco principal até ao rol de secundários, que são muitos. A fita está muito bem filmada. O filme tem cenas muito bonitas, por exemplo, o momento em que James perde Bruno, ou ainda no final, aquelas confissões na falésia, já para não falar em alguns momentos vividos entre o padre e a filha.

Mas também possui cenas más, por exemplo, a sequência em que Michael Fitzgerald urina sobre um quadro ou ainda a cena em que James humilha o colega depois daquela cena de luta no bar. Não podemos esquecer os momentos de grande tensão, como a cena em que a igreja é queimada ou aquela longa sequência em que James vai visitar Freddie Joyce à prisão, a conversa que ambos possuem é assustadora e revela bem até que ponto a maldade humana pode ir. Um último reparo, trata-se de cinema europeu, uma co-produção entre a Irlanda e a Inglaterra. Resumindo, este é daqueles filmes que, embora seja muito bom, não deixa ninguém indiferente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário