quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Slumdog Millionaire

Nome do Filme : “Slumdog Millionaire”
Titulo Português : “Quem Quer Ser Bilionário”
Ano : 2008
Duração : 120 minutos
Género : Drama/Romance
Realização : Danny Boyle/Loveleen Tandan
Elenco : Dev Patel (Jamal), Freida Pinto (Latika), Madhur Mittal (Salim), Ayush Mahesh Khedekar/Tanay Chleda (young Jamal), Rubina Ali/Tanvi Ganesh Lonkar (young Latika), Azharuddin Mohammed Ismail/Ashutosh Lobo Gajiwala (young Salim), Anil Kapoor (Prem), Arfi Lamba (Bardi), Irrfan Khan (Inspector), Mahesh Manjrekar (Javed), Ankur Vikal (Maman), Saurabh Shukla (Srinivas).

História : Jamal, um órfão de 18 anos dos subúrbios de Mumbai, está apenas a uma pergunta de ganhar os espantosos vinte milhões de rupias da versão indiana do concurso “Quem Quer Ser Milionário”. Apanhado numa suspeita de fraude, ele confessa à policia a incrível história da sua vida nas ruas e a da rapariga que sempre amou, mas que perdeu. O que ninguém compreende é o que está a fazer um rapaz sem interesse em dinheiro num concurso televisivo e, o mais intrigante, como é que ele sabe todas as respostas.

Comentário : Este foi um dos melhores filmes que vi até hoje e, na noite passada, voltei a vê-lo. Ainda hoje não esqueci a magnífica sensação com que fiquei quando saí da sala de cinema naquela altura em que o filme esteve em exibição, senti uma estranha nostalgia que me assaltou a mente e mexeu muito comigo. Curiosamente, a pessoa que foi comigo ver o filme, também sentiu algo semelhante. Ambos tinhamos adorado o filme. Além disso, o filme deu a conhecer Freida Pinto, a coisa mais linda que o cinema nos deu nesse ano. Gostei de quase tudo no filme, menos daquela musica e dança ridiculas no final da fita, que quebrou todo o clima de drama e romantismo que tinha ficado na última cena antes dos créditos. O realizador Danny Boyle fez assim o seu melhor filme e mostrou um pouco da Índia, fiquei chocado com algumas coisas, por exemplo, não sabia que exploravam as crianças ao ponto de cegar aquelas e aqueles que cantavam melhor com a finalidade de sensibilizar mais os turistas e assim, obter mais dinheiro nas esmolas.

O filme tem boas interpretações, uma poderosa banda sonora (o tema nostálgico de Latika foi uma das melhores melodias que ouvimos nesse ano), está muito bem filmado, o argumento é espetacular, tem uma boa fotografia, o casal protagonista é encantador, além de ter uma excelente história que fala de amor, amizade, maldade, crime, da dor da perda, mas a cima de tudo, é uma das melhores histórias de amor alguma vez contadas em filme. Temos também excelentes cenas, e são imensas, apenas para focar duas, quando o pequeno Salim larga de propósito a mão de Latika no comboio, na realidade, ele sempre foi mau para Jamal, sempre tramou a vida ao irmão. E o que dizer daquele momento em que os irmãos, já em adultos, estão num prédio em construção e Salim comenta com Jamal que não dá para acreditar que lá em baixo, naqueles terrenos onde ficava o bairro onde eles nasceram e passaram parte da infância (e onde viram a mãe ser assassinada), existem apenas empresas, confesso que até eu senti o saudosismo da situação, como que por segundos, sentisse que também eu tinha morado ali e que nada daquilo voltará, uma terrível e dolorosa sensação de perda, de falta, até me custa a explicar o que senti. Um dos melhores 10 filmes de 2008. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário