sábado, 31 de maio de 2014

Tokyo

Nome do Filme : “Tokyo”
Titulo Português : “Tóquio”
Ano : 2008
Duração : 109 minutos
Género : Drama/Fantasia
Realização : Joon Ho Bong/Leos Carax/Michel Gondry
Elenco : Ayako Fujitani (Hiroko), Ayumi Ito (Akemi), Ryo Kase (Akira), Nao Omori (Hiroshi), Satoshi Tsumabuki (Takeshi), Denis Lavant (Merde), Teruyuki Kagawa (man), Yu Aoi (girl).

História : Uma jovem à procura da sua identidade. Uma estranha criatura aterroriza os habitantes de uma cidade apenas porque odeia gente. Um homem passa 11 anos enclausurado em casa.

Comentário : Joon Ho Bong realiza “Shaking Tokyo”. Leos Carax realiza “Merde”. Michel Gondry realiza “Interior Design”. Três realizadores resolveram juntar-se e fazer um filme cada um para depois serem os três juntos no mesmo filme. O resultado é este “Tokyo”. Gostei do filme, principalmente porque contou três histórias surrealistas e o fez de uma forma brilhante. As histórias são muito estranhas, sinceramente, não sei mesmo qual foi a que me despertou mais interesse. Mas sei que aquela que me fez mais confusão foi a de Leos Carax. Todos os segmentos têm a bonita cidade de Tokyo como cenário. Foi mais um filme que perdi nas salas de cinema, mas nunca é tarde para descobrirmos os bons filmes. Só me esta dizer que todos os atores e atrizes intervenientes estão de parabéns.

Classificação do filme : 3.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Night And Day

Nome do Filme : “Bam Gua Nat”
Titulo Português : “Noite e Dia”
Titulo Inglês : “Night And Day”
Ano : 2008
Duração : 142 minutos
Género : Drama
Realização : Sang Soo Hong
Elenco : Su Jeong Hwang (Sung In Han), Yeong Ho Kim (Sung Nam Kim), Seon Gyun Lee (Kyeong Su Yun), Eun Hye Park (Yoo Jung Lee), Min Jung Seo (Jo Hyeon Joo).

História : Para escapar à prisão, um coreano viaja até Paris, deixando para trás a esposa e uma carreira como pintor. Na capital francesa, ele reencontra uma antiga namorada. No entanto, o amor prega-lhe outra partida.

Comentário : Hoje trago um filme do chamado cinema do mundo, neste caso, um filme coreano. Gostei do filme porque tem um bom argumento, porque tem interpretações muito boas mas, a cima de tudo, porque tem um excelente ritmo e é um filme que agarra quem o vê. Gostei da forma como o filme está montado, está sempre a aparecer a data dos acontecimentos que vamos ver a seguir, como se fosse uma espécie de diário do protagonista. Repito, apesar do ritmo lento, nunca me fartei do filme, tudo vê-se muito bem simplesmente porque nos prende ao ecrã. Mas não é um filme para todos os públicos. É somente para quem gosta de cinema de qualidade.

Classificação do filme : 3.

sábado, 24 de maio de 2014

Only Lovers Left Alive

Nome do Filme : “Only Lovers Left Alive”
Titulo Português : “Só Os Amantes Sobrevivem”
Ano : 2013
Duração : 122 minutos
Género : Drama/Romance
Realização : Jim Jarmusch
Elenco : Tilda Swinton (Eve), Mia Wasikowska (Ava), Tom Hiddleston (Adam), John Hurt (Marlowe), Anton Yelchin (Ian), Jeffrey Wright (Watson).

História : Nas cidades desoladas de Detroit e Tanger, Adam, um músico profundamente deprimido, encontra Eve, a sua amante, uma mulher robusta e enigmática. Esta história de amor dura há séculos, mas este idílio libertino é bruscamente interrompido pela chegada da irmã mais nova de Eve, extravagante e incontrolável.

Comentário : Este filme é mais uma grande surpresa deste ano. Nunca pensei gostar tanto de um filme de Jim Jarmusch, até pensava que estava a ver uma obra de Abbas Kiarostami. Este filme não vai agradar à maioria, é extremamente parado, daqueles que leva grande parte da malta jovem a abandonar a sala de cinema logo após os primeiros quinze minutos. Tudo no filme é excelente. Uma excelente fotografia, uma poderosa banda sonora, grandiosas interpretações de Tilda Swinton e de Tom Hiddleston, um argumento coeso, a falta de efeitos especiais é uma benção, enfim, um filme único que aborda o vampirismo de uma forma nunca antes usada pela sétima arte. No fundo, estamos perante um filme romântico que conta o quotidiano de um casal de vampiros. O elenco secundário é repleto de estrelas, onde os destaques vão para Mia Wasikowska e John Hurt. Nunca a música fez tanto sentido num filme de vampiros. É daqueles filmes que se vê várias vezes. “Only Lovers Left Alive” é cinema, e é cinema do melhor. Mais um dos grandes filmes de 2014. Amei.

Classificação do filme : 5.

sábado, 17 de maio de 2014

Godzilla

Nome do Filme : “Godzilla”
Titulo Português : “Godzilla”
Ano : 2014
Duração : 123 minutos
Género : Ficção-Científica
Realização : Gareth Edwards
Elenco : Bryan Cranston (Joe Brody), Juliette Binoche (Sandra Brody), Aaron Taylor Johnson (Ford Brody), Elizabeth Olsen (Elle Brody), Carson Bolde (Sammy Brody), Ken Watanabe (Dr. Ichiro Serizawa), Sally Hawkins (Vivienne Graham), David Strathairn (William Stenz), Victor Rasuk (Morales).

História : Após a trágica morte da esposa, um homem chega à conclusão que o governo esconde algo sobre aquele dia. Só muitos anos depois, ele percebe que tinha razão. Mas talvez seja tarde demais e a humanidade esteja condenada à extinção.

Comentário : Hoje fui ao cinema e vi este filme. Simplesmente, adoro filmes de monstros, mas têm que ser bem feitos. Nos últimos anos adorei filmes como “Monsters”, “Pacific Rim”, “Super 8”, “District 9”, “The Mist”, “Cloverfield” e até a nova versão de “King Kong”. Gareth Edwards já tinha feito um excelente trabalho no seu primeiro filme (Monsters) e voltou a triunfar. Para mim, este filme que nos oferece a nova versão do monstro é um excelente filme. O visual do monstro é assustador, mas ao mesmo tempo, apelativo e realista. O filme também possui uma excelente fotografia, grande parte da fita decorre à noite ou em ambientes escuros, cenas essas todas bem filmadas. É um filme que tem que ser apreciado numa sala de cinema, em casa, perderá algum do seu encanto. Os efeitos especiais estão espectaculares e as três criaturas estão extremamente bem concebidas e muito credíveis. Esta nova versão tem também muito realismo, coisa rara neste género de filmes.

O elenco mais conhecido está de parabéns, embora seja de lamentar que os mais conhecidos tenham pouco tempo de antena em papéis secundários. Apesar de ter tido uma presença curta no filme, Juliette Binoche esteve muito bem. Penso que este filme resultou também em parte porque o realizador não se deixou levar totalmente pelas matrizes de Hollywood, fugiu um pouquinho às regras dos blockbusters e facultou-nos uma obra diferente. Por vezes, parece que estamos a ver um filme independente, tal como “Monsters” o era. Achei uma estupidez os monstros alimentarem-se de energia, se são animais, não faz sentido. O filme soma pontos também porque não tem aquelas piadinhas ridiculas, típicas dos filmes americanos, ou se tem, serão muito poucas, nem dei por isso. Também gostei do facto dos americanos não serem heróis desta vez, mas sim os perdedores. O filme possui ainda uma mensagem muito poderosa, que basicamente apela a que o Homem não interfira com a Natureza, deixe as coisas seguirem o seu rumo natural. Talvez haja muita gente que não goste deste filme, ou porque as criaturas aparecem poucas vezes ou porque a fita foge bastante às regras de Hollywood. Saí mesmo realizado da sala de cinema com este “Godzilla”, para mim já é um dos melhores filmes do ano, o melhor blockbuster de 2014. Resta saber se os filmes “Jupiter Ascending”, “Interstellar” ou a terceira parte de “The Hobbit” estarão ao mesmo nivel.

Classificação do filme : 5.

The Fosters

Nome do Filme : “The Fosters”
Titulo Português : “Família de Acolhimento”
Ano : 2013
Duração : 900 minutos (21 Episodes)
Género : Drama
Realização : Brad Bredeweg/Peter Paige
Elenco : Sherri Saum (Lena Adams), Teri Polo (Stef Foster), Jake Austin (Jesus Foster), David Lambert (Brandon Foster), Cierra Ramirez (Mariana Foster), Danny Nucci (Mike Foster), Hayden Byerly (Jude Jacob), Maia Mitchell (Callie Jacob).

História : Duas jovens mulheres que vivem juntas com outros jovens decidem adotar e acolher em casa uma adolescente muito problemática.

Comentário : Antes de mais, tenho que confessar que não gosto de séries. Em miúdo, adorei a série “MacGyver” e anos mais tarde gostei bastante da série “Dawson's Creek”, que acompanhei durante cerca de seis temporadas. Recentemente, ando a ver num canal qualquer do MEO, esta série chamada “The Fosters – Família de Acolhimento” e estou a adorar. Costuma passar aos sábados à noite. Ainda não vi o final, mas pelo que já vi, é uma série de excelente qualidade sobre a fase mais complicada do ser humano – a adolescência. Mas também aborda as complicadas relações entre progenitores e filhos. Confesso que as relações entre seres humanos sempre me fascinaram e é precisamente dessa temática que esta série fala. Basicamente, é sobre duas lésbicas que estão a criar e a educar jovens. Se a coisa já era complicada, fica ainda mais dramática quando as duas mulheres acolhem no seio do lar uma adolescente cheia de problemas emocionais e com muitas carências a vários niveis.

Conhecia alguns atores, outros nem por isso. As adultas Sherri Saum e Teri Polo vão muito bem. O elenco jovem também representa como deve ser, embora o destaque vá para a bonita e talentosa Maia Mitchell (Teen Beach Movie). A miúda, além de ser linda, tem um talento impressionante para a representação e é a presença jovem mais forte da série. Na minha opinião, os pais deviam ver esta série, pois de certeza que iriam se rever em algumas situações passadas com os seus filhos. Nesta série, encontra-se o drama humano e aprende-se que a vida é muito complicada. E estes jovens vão saber isso de uma forma não muito simpática. A série foca temas muito delicados, mas centra-se basicamente nos sentimentos. Às vezes, penso que gostaria de ter ido para psicólogo, pois adoro conhecer as vivências das pessoas e falar com elas sobre isso. Aconselho vivamente esta série.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Amores Perros

Nome do Filme : “Amores Perros”
Titulo Português : “Amor Cão”
Titulo inglês : “Love Dogs”
Ano : 2000
Duração : 153 minutos
Género : Drama/Thriller/Crime
Realização : Alejandro González Iñarritu
Elenco : Emilio Echevarria (El Chivo), Gael Garcia Bernal (Octavio), Goya Toledo (Valeria), Alvaro Guerrero (Daniel), Vanessa Bauche (Susana), Jorge Salinas (Luis), Marco Perez (Ramiro), Rodrigo Murray (Gustavo), Humberto Busto (Jorge).

História : Um mendigo vive na miséria e na sombra de um passado sofrido. Um jovem ganha a vida de forma ilegal à custa do sacrificio de cães. Uma modelo vê o azar bater-lhe à porta a partir do momento em que se mete com o homem errado. Um acidente vai ligar estas três pessoas, ainda que seja de uma forma indireta.

Comentário : Antes de nos facultar obras-primas como “21 Gramas” ou “Babel”, o realizador Alejandro González Iñarritu concebeu esta primeira também obra-prima que não teve o reconhecimento merecido. “Amor Cão” é um excelente filme, um drama sobre pessoas que vivem no limite de quase tudo e de outras que passam a viver assim. No caso deste filme violento, até para se ser cão é preciso ter sorte. O filme aborda as lutas ilegais de cães, a violência doméstica, a miséria humana, o divórcio e abandono dos filhos, a decadência moral, as relações extra-conjugais, a ganância do dinheiro, a ignorância humana e tudo isto é servido de forma crua e dura, sem contemplações. A narrativa não é certa, mas sim fragmentada. A banda sonora é boa. As interpretações são excelentes, por vezes, nem parece que estamos a ver um filme, de tão realista que é. Confesso que não vi o filme no cinema, vi-o anos mais tarde na TV. É um filme mexicano e demonstra na perfeição como é a vida naquele país. O filme é constituido por três histórias que estão ligadas, ainda que no inicio não pareça. Particularmente, gostei das três histórias, cativaram-me de igual modo. Quatro anos depois, um realizador surgiu com um filme semelhante aos deste realizador, chamava-se Paul Haggis e trouxe-nos a obra-prima “Crash”. Não aconselho “Amores Perros” a pessoas sensiveis. 

Classificação do filme : 5.

Something In The Air

Nome do Filme : “Apres Mai”
Titulo Português : “Depois de Maio”
Titulo Inglês : “Something In The Air”
Ano : 2012
Duração : 116 minutos
Género : Drama
Realização : Olivier Assayas
Elenco : Lola Creton (Christine), Clement Metayer (Gilles), Felix Armand (Alain), Carole Combes (Laure), India Menuez (Leslie), Hugo Conzelmann (Jean Pierre), Mathias Renou (Vincent), Lea Rougeron (Maria).

História : Paris, início da década de 1970. Gilles é um jovem estudante imerso na atmosfera criativa e política da época. Como os seus colegas, ele vive dividido entre o investimento radical na luta política e a realização dos seus desejos pessoais. Entre descobertas amorosas e artísticas, a sua busca leva-o à Itália e à Inglaterra, onde terá que tomar decisões essenciais para a sua vida.

Comentário : Confesso que estava com algum receio em ver este filme e isso comprovou-se. Apesar de gostar de filmes parados e de narrativas lentas, com este filme isso não aconteceu. Confesso que apanhei uma grande seca a ver este filme. Simplesmente porque o filme não prende. A razão principal é porque o filme aborda questões políticas e a revolução. Confesso que a recriação de época está impecável, grande parte do filme dá a sensação de que realmente estamos no anos 1970. Lola Creton teve uma boa interpretação, mas não gostei nada da prestação do ator que desempenha o papel principal, Clement Metayer. Em certas partes do filme, confesso que me deu vontade de desistir de o ver. Li algures que este filme é uma espécie de biografia do realizador, sinceramente, a mim não me causou interesse nenhum. Aqueles jovens parece que não vêm mais nada, parece que não falam de mais nada senão na política. Para mim, este filme já é um dos piores que vi neste ano.

Classificação do filme : 1.

quarta-feira, 14 de maio de 2014

L'Ennui

Nome do Filme : “L'Ennui”
Titulo Português : “O Tédio”
Ano : 1998
Duração : 119 minutos
Género : Drama/Romance/Erótico
Realização : Cedric Kahn
Elenco : Charles Berling (Martin), Sophie Guillemin (Cecilia), Arielle Dombasle (Sophie).

História : Um homem divorciado começa a sentir uma estranha atração por uma jovem que tem idade para ser sua filha.

Comentário : E porque estou numa onda de ver filmes eróticos, esta noite venho aqui comentar mais um. Mas confesso que desta vez acertei em cheio. Isto porque gostei bastante deste filme. Não tenho nada contra o cinema erótico, até nutro uma certa simpatia por este género cinematográfico, quanto mais não seja porque adoro as mulheres e as considero a melhor coisa do mundo. Cedric Kahn fez um excelente trabalho com este “L'Ennui”, lamento imenso não ter descoberto este filme à mais tempo. Realmente, já perdi imensa coisa. E ainda hei-de descobrir muito mais e melhor. Este e outros filmes, mas principalmente este filme, é a prova que algumas mulheres fazem dos homens tudo o que querem. Martin é um professor de filosofia que se divorciou à seis meses e que continua sentimentalmente dependente da esposa. Num dos seus muitos passeios de carro noturnos, vê a sua atenção ser despertada por um casal que atravessa a rua. Desde essa altura, decide saber tudo sobre esse mesmo casal. Dias depois, o parceiro masculino morre e Martin acaba na cama com a tal miúda.

O ator Charles Berling teve uma boa interpretação, mas o grande destaque vai para a linda e sensual Sophie Guillemin, que coisinha tão boa e tão linda, realmente o nosso criador é mesmo generoso com algumas raparigas. Além de ter tido uma excelente interpretação e de se ter entregado totalmente ao seu papel, Sophie Guillemin me conquistou por completo, que mulher. A sua Cecilia é uma personagem adorável e fica-se a gostar mais dela à medida que vai tomando algumas atitudes, é impossivel não desejarmos ter passado por tudo o que Martin passou com ela (sexo incluído), depois da atitude final dela face a ele. O filme transpira cinema por todos os lados, é cinema europeu no seu melhor. O realizador exagerou na maneira de ser do protagonista masculino, só mesmo tendo o plano que Cecilia tinha é que uma rapariga normal aguentava o que ela aguentou com Martin. Destaque também para as cenas de sexo, muito bem filmadas. Desde “Nymphomaniac” e “Intimacy” que um filme erótico não me enchia as medidas como este “L'Ennui – O Tédio”. Um último reparo, se o titulo do filme era alusivo à vida do protagonista masculino, então tenho que confessar que adorava ter a vida que ele tinha.

Classificação do filme : 5.

Room In Rome

Nome do Filme : “Habitacion En Roma”
Titulo Português : “Um Quarto Em Roma”
Titulo Inglês : “Room In Rome”
Ano : 2010
Duração : 104 minutos
Género : Drama/Romance/Erótico
Realização : Julio Medem
Elenco : Elena Anaya (Alba), Natasha Yarovenko (Natasha), Enrico Lo Verso (Max).

História : Duas lindas mulheres, uma russa e uma espanhola, se encontram em Roma, e um quarto de hotel se torna um ambiente perfeito para se entregarem a uma aventura.

Comentário : À dias vi este filme lésbico e confesso que gostei, mas não chega aos calcanhares de “A Vida de Adele”. Estamos perante uma obra razoável que podia ter tido mais sexo explicito, por exemplo, nas cenas de sexo oral que elas fazem uma à outra ou nas cenas das carícias. Grande parte das cenas em que elas estão despidas ou a fazer amor, a fotografia está escura, quase tapando aquilo que interessa ver. Já conhecia Elena Anaya de outros filmes e foi uma surpresa para mim vê-la neste registo. Não conhecia a bonita Natasha Yarovenko, uma jovem que me satisfez pela positiva. As duas atrizes tiveram boas interpretações. Mas não gostei nada da musica, quase todo o filme e quase todas as cenas são acompanhadas por musicas de fundo, algumas bem ridiculas. Além disso, o filme tem pouco de cinema, é pouco artístico. A segunda parte da cena do banho é linda e confesso esperava outro final para o filme. Vê-se bem. Apesar de ser um filme razoável, esperava muito mais.

Classificação do filme : 2.

domingo, 11 de maio de 2014

Blue Ruin

Nome do Filme : “Blue Ruin”
Titulo Português : “Ruína Azul”
Ano : 2013
Duração : 90 minutos
Género : Thriller
Realização : Jeremy Saulnier
Elenco : Macon Blair (Dwight), Devin Ratray (Ben), Amy Hargreaves (Sam), Kevin Kolack (Teddy), Eve Plumb (Kris), David Thompson (William), Brent Werzner (Carl), Stacy Rock (Hope), Bonnie Johnson (Margaret), Ydaiber Orozco (Amanda).

História : Um homem coloca a vida da familia em risco ao iniciar uma vingança pessoal.

Comentário : Hoje vi este filme que julgo que irá estrear dentro de duas semanas. Trata-se de um bom filme, ainda que o argumento não tenha nada de original. Estamos perante uma história de vingança. Um homem mata os pais do nosso protagonista e este tudo fará para os vingar, só que isso origina uma série de acontecimentos que ele nunca pensou. Confesso que não gostei muito da interpretação do ator principal e do resto do elenco também não se viu grande coisa. Onde o filme soma pontos é na fotografia e no ritmo em que as coisas vão sucedendo. Gostei também da história, confesso que adoro histórias de vinganças. Talvez não seja o filme certo para se ir ver a uma sala de cinema, podem perfeitamente esperar que saia em DVD. O que mais gostei neste filme foi o facto de que estava sempre à espera do que iria acontecer a seguir, é um filme que prende o espectador. Um último reparo para os dois twists, um a meio do filme e o outro no final.

Classificação do filme : 3.

sexta-feira, 9 de maio de 2014

The Last Mistress

Nome do Filme : “Une Vieille Maitresse”
Titulo Português : “A Última Amante”
Titulo Inglês : “The Last Mistress”
Ano : 2007
Duração : 110 minutos
Género : Drama/Romance/Erótico
Realização : Catherine Breillat
Elenco : Asia Argento (Vellini), Fu'ad Ait Aattou (Ryno Marigny), Roxane Mesquida (Hermangarde), Claude Sarraute (Marquise Flers), Yolande Moreau (Comtesse Artelles), Michael Lonsdale (Vicomte Prony), Lea Seydoux (Oliva).

História : Um libertino conta para uma velha marquesa a história de amor que teve com uma jovem espanhola.

Comentário : Tal como Jean Claude Brisseau, Catherine Breillat também é dada ao cinema erótico, com a diferença que o cinema desta realizadora é melhor do que o dele. A prova disso é este magnifico “A Última Amante”, um filme de época muito bem realizado e com bastante qualidade. O guarda roupa é excelente, a fotografia é muito boa, a fita possui excelentes planos de camara. Tratando-se de cinema erótico francês, é mesmo do melhor que tenho visto. Asia Argento está perfeita no papel principal. Não gostei muito do ator Fu'ad Ait Aattou, embora tenha que confessar que ele desempenhou muito bem o seu papel. Yolande Moreau estava quase irreconhecível. Michael Lonsdale também estava muito bem disfarçado. Achei a atriz Roxane Mesquida uma mulher linda, algo parecida com Elle Fanning. Este filme pode-se considerar um filme romântico muito triste. O filme está concebido de um modo algo teatral, mas a realizadora soube usar isso a favor da sua pelicula. Catherine Breillat já possui imensos filmes realizados, confesso que ainda só vi dois.

Classificação do filme : 4.

Secret Things

Nome do Filme : “Choses Secretes”
Titulo Português : “Coisas Secretas”
Titulo Inglês “Secret Things”
Ano : 2002
Duração : 115 minutos
Género : Drama/Erótico
Realização : Jean Claude Brisseau
Elenco : Coralie Revel (Nathalie), Sabrina Seyvecou (Sandrine), Blandine Bury (Charlotte), Roger Miremont (Delacroix), Fabrice Deville (Christophe).

História : Duas jovens mulheres descobrem juntas uma vida completamente nova.

Comentário : Com este “Coisas Secretas” fica completa a trilogia erótica de Jean Claude Brisseau onde ainda se incluem “Os Anjos Extreminadores” e “À Aventura”, os três já comentados neste espaço. Na minha opinião, nenhum dos três filmes é bom, são apenas obras razoáveis. Os grandes destaques vão unicamente para as brutais interpretações das atrizes e dos atores que dão corpo às complexas personagens da trilogia. Ainda que este “Coisas Secretas” seja, para mim, o mais fraco dos três. A sequência final da orgia era desnecessária, mas pronto. O inicio do filme é muito mau, mas depois, e à medida que as coisas iam fluindo, a coisa funcionou melhor. Tal como nos outros dois filmes, aqui podemos contar com muitas cenas de sexo lésbico. Desta vez, não temos Lise Bellynck, mas temos duas atrizes igualmente bonitas que deram imenso de si ao filme. Mas volto a dizer, o filme não é nada de especial, uma pelicula completamente banal que não dá nada de novo e também a mais não é obrigada. Vê-se uma vez e chega.

Classificação do filme : 2.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

A L'Aventure

Nome do Filme : “A L'Aventure”
Titulo Português : “À Aventura”
Titulo Inglês : “Adventure”
Ano : 2008
Duração : 103 minutos
Género : Drama/Erótico
Realização : Jean Claude Brisseau
Elenco : Carole Brana (Sandrine), Arnaud Binard (Greg), Lise Bellynck (Sophie), Nadia Chibani (Mina).

História : Cansada do namorado e da vida que leva, uma jovem mulher acaba por encontrar o que procurava nos braços de um psiquiatra com um dom especial para a hipnose.

Comentário : Já comentei neste espaço dois filmes do realizador Jean Claude Brisseau e venho agora comentar este terceiro registo. Tal como em “Os Anjos Extreminadores”, neste “À Aventura” podemos novamente encontrar o sexo como tema principal. Pessoalmente, gostei mais de voltar a ver a linda e sensual Lise Bellynck, ainda que tivesse sido num papel mais secundário, a jovem apenas aparece ao fim de trinta minutos de fita. As cenas de sexo são explícitas e o destaque vai novamente para as cenas lésbicas. O realizador deve ter um fetiche por lésbicas, pessoalmente, confesso que elas também me fascinam. No campo do cinema erótico, confesso que já vi bem melhor. Ainda assim, estamos perante um filme perfeitamente razoável. Um último reparo, adorei as cenas que envolveram a protagonista e o taxista.

Classificação do filme : 2.

sábado, 3 de maio de 2014

Stephanie Daley

Nome do Filme : “Stephanie Daley”
Titulo Português : “Stephanie Daley”
Ano : 2006
Duração : 90 minutos
Género : Drama
Realização : Hilary Brougher
Elenco : Amber Tamblyn (Stephanie Daley), Tilda Swinton (Lydie Crane), Timothy Hutton (Paul Crane), John Ellison Conlee (Jack), Constance Wu (Jenn), Halley Feiffer (Rhana), Melissa Leo (Miri Daley), Jim Gaffigan (Joe Daley), Trisha LaFache (Karen).

História : Uma adolescente é acusada judicialmente de ter assassinado a filha quando esta nasceu. Cabe a uma psicóloga forense averiguar o caso.

Comentário : Este fim-de-semana venho falar-vos de um drama intenso, uma história muito dramática que aborda temas tão delicados como a gravidez na adolescência, as relações sexuais entre adultos e menores, o aborto e o infanticídio. É com este pequeno filme independente que a bonita Amber Tamblyn obteve a melhor interpretação da sua carreira. Tilda Swinton também está brutal neste filme. A fotografia leva a nota mais alta e o argumento poderá ser baseado em milhares de casos reais. Uma coisa curiosa que notei é que existem neste filme gatos em quase todas as casas, possivelmente será um fetiche da realizadora. Confesso que já tinha visto este filme à alguns anos, mas quis agora revê-lo. Já na altura havia gostado e voltei a sentir praticamente as mesmas coisas, pelo que a minha opinião não se alterou em nada. A confissão final de Stephanie Daley encerra o filme e deixa-nos sem palavras. Se conseguirem, vejam este filme.

Classificação do filme : 4.