quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Red

Nome do Filme : “Trois Couleurs : Rouge”
Ano : 1994
Duração : 100 minutos
Género : Drama/Romance
Realização : Krzysztof Kieslowski
Elenco : Irene Jacob (Valentine), Frederique Feder (Karin), Jean Louis Trintignant (le Juge), Jean Pierre Lorit (Auguste).

História : Uma jovem modelo atropela acidentalmente uma cadela grávida. Ao levar o animal ao dono, a rapariga descobre que o homem tem um hábito muito peculiar.

Comentário : Dos 3 filmes que Krzysztof Kieslowski realizou e a que chamou a trilogia das cores, logicamente que este “Red” é o que mais gosto. Uma história apaixonante e uma brilhante Irene Jacob fazem desta fita uma homenagem ao cinema. Fiquei apaixonado por esta história. A cor vermelha está bem vincada no filme, em algumas partes essa cor está bem evidenciada. A empatia que se vai gerando entre Valentine e o juiz é o foco principal do filme. Foi o último filme a surgir, o último a ser feito, somando ainda mais pontos devido a isso, à terceira é de vez. As interpretações são outro ponto alto e no final até somos brindados com um fraco mas notável interface entre os 3 filmes. Sem duvidas, que isto é cinema de grande qualidade. Um último reparo, a imagem que é usada em placards de Valentine é linda. Na minha opinião, este filme é o melhor da trilogia. Classificação : 5.

Blue

Nome do Filme : “Trois Couleurs : Bleu”
Ano : 1993
Duração : 97 minutos
Género : Drama
Realização : Krzysztof Kieslowski
Elenco : Juliette Binoche (Julie Vignon), Benoit Regent (Olivier), Florence Pernel (Sandrine), Charlotte Very (Lucille).

História : Após as mortes do marido e da filha, uma jovem mulher altera por completo a sua maneira de estar na vida.

Comentário : Mais um filme integrante na trilogia das cores realizada por Krzysztof Kieslowski que eu adorei. Claramente que gostei dos 3 filmes, achando que o “White” é o mais fraco, ainda assim, um bom filme. Gosto da atriz Juliette Binoche e neste filme ela esteve brilhante. Todos os 3 filmes possuem uma excelente história e têm um twist lá para o meio da pelicula. Notei que os filmes possuem em comum uma cena : um idoso a tentar colocar uma garrafa vazia num eco ponto. Este filme tem também uma forte vertente musical, sendo ainda possuidor de uma excelente banda sonora. As interpretações são muito boas, sendo o principal destaque para Juliette Binoche. O mote do filme é o facto de um acidente de carro gerar um enorme conflito interno na vida de uma mulher. Julie vive esse drama. Tal como em “White”, neste “Blue” a cor está bem acentuada, neste caso predominam objectos azuis. Este filme é o segundo melhor da trilogia. Classificação : 5.

domingo, 25 de novembro de 2012

The Godfather

Nome do Filme : “The Godfather”
Ano : 1972
Duração : 178 minutos
Género : Drama
Realização : Francis Ford Coppola
Elenco : Marlon Brando (Don Vito Corleone), Al Pacino (Michael Corleone), James Caan (Sonny Corleone), Richard S. Castellano (Clemenza), Robert Duvall (Tom Hagen), Richard Conte (Barzini), Al Lettieri (Sollozzo), Diane Keaton (Kay Adams), Abe Vigoda (Tessio), Talia Shire (Connie), John Cazale (Fredo), Al Martino (Johnny Fontane), Morgana King (Mama Corleone), John Martino (Paulie Gatto), Salvatore Corsitto (Bonasera), Simonetta Stefanelli (Apollonia).

História : Após o memorável casamento da filha, o barão da droga, Don Vito Corleone decide estabelecer um tratado de paz entre as várias familias. Depois da morte da esposa e do irmão mais chegado, o filho preferido do barão da droga decide quebrar o clima de paz e volta a iniciar uma guerra entre as várias familias.

Comentário : Tinha visto este filme à uns anos e confesso que tinha vontade de o rever. Pude fazê-lo à duas noites e mais uma vez, adorei o filme. É um dos melhores filmes que vi até hoje. Concordo que seja considerado como sendo um dos melhores filmes de sempre. Interpretações com nota máxima e uma fantástica história. O filme é uma adaptação de um livro de Mario Puzo, eu não conhecia a história. Considero este filme como sendo o melhor filme de Marlon Brando, que poderosa interpretação. Também considero como sendo um dos melhores filmes de Al Pacino. Talvez pense que aquela mudança de Michael Corleone que num momento nada quer com os negócios da familia e no momento seguinte já quer tomar as rédeas dos negócios do pai, é muito repentina. Diane Keaton está muito nova neste filme, confesso que nunca a tinha visto numa fase tão nova. Francis Ford Coppola é de facto um mestre na sua área, a trilogia “The Godfather” é possivelmente a melhor trilogia da história do cinema. Na minha opinião, este filme é o melhor filme que aborda o tema da máfia. Nos próximos meses, irei rever os restantes filmes da trilogia. Aconselho todos os cinéfilos a reverem este maravilhoso filme, é mesmo uma obra prima. Classificação : 5.

sábado, 24 de novembro de 2012

White

Nome do Filme : “Trois Couleurs : Blanc”
Ano : 1994
Duração : 91 minutos
Género : Drama/Thriller
Realização : Krzysztof Kieslowski
Elenco : Julie Delpy (Dominique), Zbigniew Zamachowski (Karol), Janusz Gajos (Mikolaj).

História : Humilhado e incriminado pela esposa, um homem foge do país e inicia uma nova vida num outro local. No entanto, a vingança não está fora dos seus planos.

Comentário : O realizador Krzysztof Kieslowski fez 3 filmes a que chamou a trilogia das 3 cores. Este “White” é um desses filmes. Pessoalmente adoro os 3, embora considere este o menos excelente. A história é excelente, temos duas boas interpretações e confesso que adorei a fantástica revira volta que o filme teve. O filme mostra o que fazem certas pessoas quando chegam ao limite. Cada vez sou mais da opinião que o cinema europeu é do melhor que há. Julie Delpy aparece muito bonita neste filme, possivelmente era muito jovem na altura. O personagem masculino também não esteve nada mal. “White” não atinge os píncaros de “Red” e de “Blue”, mas é um filme muito bom. Classificação : 4.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Silent Hill

Nome do Filme : “Silent Hill”
Ano : 2006
Duração : 125 minutos
Género : Terror
Realização : Christophe Gans
Elenco : Radha Mitchell (Rose Da Silva), Sean Bean (Christopher Da Silva), Deborah Kara Unger (Dahlia Gillespie), Jodelle Ferland (Sharon/Alessa).

História : Quando a filha pequena desaparece numa cidade abandonada, uma mãe não olha a meios para a reencontrar.

Comentário : Fui ao cinema ver este filme à uns anos e até gostei dele. Adoro filmes de terror, aliás o Terror e o Drama são os meus géneros cinematográficos preferidos. É um filme baseado num famoso jogo de computador, nunca fui admirador de jogos. As interpretações são boas, os efeitos especiais são potentes, imagens alucinantes e uma banda sonora pavorosa (no bom sentido) fazem desta fita um bom exercicio de terror. O elenco é bom e confesso que apanhei alguns sustos. O filme possui ainda cenas verdadeiramente aterradoras. Metaforicamente falando, posso dizer que todo o filme é um pesadelo, mas é um agradável pesadelo. Resumindo, bom filme. Classificação : 3.

sábado, 17 de novembro de 2012

This Side Of Resurrection

Nome do Filme : “Deste Lado Da Ressurreição”
Ano : 2011
Duração : 118 minutos
Género : Drama
Realização : Joaquim Sapinho
Produção : Maria João Sigalho
Elenco : Joana Barata (Inês), Pedro Sousa (Rafael), Mariana António Pacheco (Mariana), Pedro Carmo (Simão), Vera Costa (Leonor), João Cardoso (João).

História : Após o divórcio dos pais, os irmãos Inês e Rafael nunca mais se viram. Recentemente, Inês decide procurar o irmão, embora já desconfie do seu paradeiro.

Comentário : Este filme foi uma das melhores experiências cinematográficas que tive este ano. Um dos melhores filmes portugueses que vi até hoje. Desconheço o trabalho deste realizador. Este foi o primeiro filme que vi dele e adorei. Este filme transmite-nos uma sensação de calmaria brutal. É muito parado, mas é uma lentidão que sabe bem ver, é uma delicia para os nossos sentidos. Excelentes interpretações, as cenas em ambientes escuros estão impecáveis, excelentes planos, tudo neste filme é maravilhoso. Vi numa reportagem que o realizador e a equipa não tiveram qualquer tipo de apoio monetário do Estado, isso é louvável. É um filme que nos deixa a pensar muito tempo depois de vê-lo. O novo filme de Joaquim Sapinho, para mim, é uma obra-prima do cinema português. Calculo que a maioria das pessoas que vão ver este filme ao cinema, não goste dele. É facil perceber as razões. Fui hoje ao cinema ver este filme e só estavam mais cinco pessoas na sala, numa sala com capacidade para cerca de 165 pessoas, numa matiné. Eu comparo este filme ao tipo de cinema que Marco Martins faz, pessoalmente também gosto. Não percebi as razões do personagem principal para as suas atitudes. O filme é perito em dar-nos poucas informações. Repito, o filme é mesmo muito parado, mas isso foi para mim uma mais valia. É um filme muito espiritual, a mim, encheu-me por completo a alma. Classificação : 5.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Stolen Dreams

Nome do Filme : “Sonhos Roubados”
Ano : 2009
Duração : 93 minutos
Género : Drama
Realização : Sandra Werneck
Elenco : Nanda Costa (Jessica), Amanda Diniz (Daiane), Kika Farias (Sabrina), Marieta Severo (Dolores), Nelson Xavier (Horcio), Daniel Dantas (Peri).

História : 3 raparigas adolescentes ficam com os seus sonhos roubados quando são obrigadas a se prostituirem para satisfazer os seus apetites de consumo.

Comentário : Já tinha gostado de um outro filme desta realizadora (sobre gravidez na adolescência) e também gostei muito deste filme que aborda igualmente o drama de jovens raparigas. Algumas situações retratadas no filme são chocantes. Lamentável o facto das mulheres serem sempre postas para segundo plano. As 3 atrizes principais tiveram excelentes interpretações. O filme mostra a realidade dos bairros problemáticos do Brasil. Este filme foi como um murro no estômago para mim, visto que existe cada vez mais gente com menos escrúpulos. Jessica, Daiane e Sabrina, existem muitas delas por esse mundo fora. O filme é mesmo muito bom, do melhor que se faz no Brasil. Lamentavel que em Portugal não se faça cinema desta indole.
Classificação : 5.

domingo, 11 de novembro de 2012

Cowgirls And Angels

Nome do Filme : “Cowgirls N' Angels”
Ano : 2012
Duração : 93 minutos
Género : Aventura
Realização : Timothy Armstrong
Elenco : Bailee Madison (Ida), James Cromwell (Terence Parker), Frankie Faison (Augustus), Kathleen Rose Perkins (Rebecca), Noell Coet (Nora), Dora Madison Burge (Kansas), Leslie Anne Huff (Madison), Haley Ganzel (Rose), Aimee Crowther (Kim), Denise Lee (Alice), Louanne Stephens (Joan), Cristela Carrizales (Marta).

História : Era uma vez uma menina rebelde que tinha dois sonhos : encontrar o pai que nunca conheceu e ingressar no mundo dos rodeos.

Comentário : Antes de mais, quero aqui dizer que sou fascinado pelo mundo dos rodeos e por essa modalidade americana. Aliás, a minha novela brasileira preferida é precisamente “A História de Ana Raio e Zé Trovão”. Todo aquele mundo me fascina : a liberdade, o contacto com a natureza e com os animais, as caravanas, os camiões, a musica e todo aquele conjunto de coisas que envolve os rodeos. Falando do filme. “Cowgirls And Angels” é um filme muito bom, estou espantado como é que um filme direcionado para a familia conseguiu despertar em mim tantas emoções. À muito tempo que acompanho o trabalho e a curta carreira da pequena Bailee Madison e confesso que este filme, aliado a “Don't Be Afraid Of The Dark” são os melhores filmes dela. Trata-se de um filme que apela à vida e acaba por funcionar como um hino à vida e à concretização dos nossos sonhos. Ida sonhava com o dia em que ia encontrar o pai que nunca conhecera e até chegar esse dia, jurou tudo fazer para se tornar uma cowgirl, acabando por se tornar realmente numa espécie de coqueluche do grupo Sweethearts, um grupo de jovens mulheres que são chamadas de Cowgirls, aquelas que animam os rodeos, apresentando numeros com cavalos antes das exibições dos verdadeiros cowboys. A esperança é a última a morrer e para Ida, é essa a regra básica para que ela prossiga a sua vida. Bailee Madison tem a melhor interpretação do filme, diria mesmo que ela é a alma do filme. É o segundo trabalho de Bailee Madison como protagonista. Gostei muito do filme e confesso que à imenso tempo que um filme para a familia não me impressionava tanto quanto este “Cowgirls And Angels” de Timothy Armstrong. Vi este filme esta noite e confesso que foram quase 90 minutos bem passados, uma história cheia de esperança e de coragem, um filme verdadeiramente emocionante e comovente. Classificação : 4.

Twixt

Nome do Filme : “Twixt”
Ano : 2011
Duração : 86 minutos
Género : Terror
Realização : Francis Ford Coppola
Elenco : Val Kilmer (Hall Baltimore), Elle Fanning (V), Bruce Dern (Bobby LaGrange), Ben Chaplin (Poe), David Paymer (Sam), Joanne Whalley (Denise).

História : Ainda atormentado pela morte da filha adolescente, um escritor viaja até uma pequena localidade habitada por gente muito estranha para uma sessão de autógrafos a um livro seu. No entanto, os seus sonhos vão interferindo com um crime ocorrido naquela localidade e que envolve o assassinato de uma menina de 12 anos de idade.
 
Comentário : Este excelente filme marca o regresso do mestre Francis Ford Coppola ao chamado cinema experimental, depois de “Tetro”. Claro que adorei o filme, é uma fita detentora de vários factores positivos : história e argumento excelentes, efeitos especiais rudimentares mas deliciosos, poderosa fotografia, um clima de terror sempre apurado, cenas violentas e, a cima de tudo, a grande base : duas poderosas interpretações de Val Kilmer e de Elle Fanning. Por um lado, nunca gostei muito do ator Val Kilmer e na minha opinião penso que ele teve neste filme a melhor interpretação daquilo que vi dele; por outro lado, temos a jovem Elle Fanning. Depois de excelentes interpretações em excelentes filmes como “Phoebe In Wonderland”, “Super 8” e “Somewhere” e com “Ginger And Rosa” a estrear brevemente nos nossos cinemas, Elle Fanning já provou que não é apenas a irmã da famosa Dakota Fanning, como também é tão boa atriz quanto a irmã mais velha. “Twixt” não chegou aos nossos cinemas e foi pouco divulgado pelo mundo (incluindo nos EUA) e ficou a perder por isso. O filme não teve o valor merecido. Nota positiva para as conversas online que Hall tem no portátil. O look de V é sempre fantástico, seja em que cena do filme apareça. Também gostei do visual de Val Kilmer, com aquele rabo de cavalo e de chapéu. “Twixt” foi escrito, montado, produzido e realizado por Francis Ford Coppola, tal como aconteceu com “Tetro”. Grande parte daqueles que virem este filme não irão gostar muito dele, porque foge muito ao que estamos habituados a ver vindo da América, mas para um verdadeiro cinéfilo, é uma delicia para o nosso intelecto. Claramente que “Twixt” não é aconselhável à maioria dos espectadores comuns, mas para mim, foi já um dos melhores filmes que vi neste ano, bem como um dos melhores filmes que vi até hoje. Uma excelente experiência de cinema. Classificação : 5.

sábado, 10 de novembro de 2012

A One And A Two

Nome do Filme : “A One And A Two”/”Yi Yi”
Ano : 2000
Duração : 168 minutos
Género : Drama
Realização : Edward Yang
Elenco : Jonathan Chang (Yang Yang), Kelly Lee (Ting Ting), Adriene Lin (Li Li).

História : Uma familia de Taipei vive o seu quotidiano com todas as alegrias e tristezas.

Comentário : Gostei muito deste filme japonês. É incrivel como este tipo de cinema me provoca melhores emoções do que qualquer filme comercial americano. Neste filme, acompanhamos o dia a dia de vários membros de uma familia japonesa, desde o mais idoso até ao mais jovem, tudo pelos olhos de Yang Yang, um curioso menino. Testemunhamos os problemas e alegrias dessa familia, desde financeiros a de ordem de saude, passando pelos problemas amorosos. Foi considerado um dos melhores filmes do ano e confesso que é uma boa noção. Nunca tinha visto este filme e reconheço que perdi um bom filme. No entanto, continuo a preferir o cinema de Hirokazu Koreeda, falando de cinema oriental, claramente. Um último destaque para as interpretações, tudo parece real, do melhor que tenho visto em cinema do mundo. Um achado. Classificação : 4.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

The Pact

Nome do Filme : “The Pact”
Ano : 2012
Duração : 91 minutos
Género : Terror
Realização : Nicholas McCarthy
Elenco : Caity Lotz (Annie), Casper Van Dien (Bill), Agnes Bruckner (Nichole), Mark Steger (Charles), Haley Hudson (Stevie), Kathleen Rose Perkins (Liz), Sam Ball (Giles), Bo Barrett (Jesse), Dakota Bright (Eva), Petra Wright (Jennifer).

História : Duas irmãs vivem o drama da morte da mãe. Por altura do Natal, uma das irmãs desaparece, obrigando a outra a viajar até à velha casa para saber o que se passa.

Comentário : Quando este filme foi exibido no festival de cinema de terror Motel X, algumas pessoas alegaram que o filme tinha um ritmo muito lento e que custava a arrancar. Concordo. No entanto, também tenho que dizer que o facto do filme ser lento não me incomoda nada, pelo contrário, ainda é um incentivo para o ir ver. O filme não é mau, mas também não é nada de especial, é apenas um razoável filme de terror. A realização é muito boa e a fotografia também. A nivel de interpretações, apenas tenho que salientar a prestação de Caity Lotz, que esteve bem. Destaque também para a jovem que fez papel de invisual. Claro que há coisas que me desagradaram no filme, certos acontecimentos parecem não ter qualquer tipo de lógica. Além disso, o argumento foi pouco desenvolvido. Ainda assim, dá gosto ver este filme. Repito, não é nada de especial, mas vê-se bem. O clima de tensão ao longo do filme está sempre presente e basta esse factor para a coisa ter resultado. Classificação : 2.

sábado, 3 de novembro de 2012

Black Bread

Titulo Português : “Pão Negro”
Ano : 2010
Duração : 112 minutos
Género : Drama
Realização : Agusti Villaronga
Elenco : Francesc Colomer (Andreu), Marina Comas (Nuria), Nora Navas (Florencia).

História : Após a fuga do pai para França, um menino chamado Andreu é mandado pela mãe para a casa da avó a fim de recomeçar lá uma nova vida. No entanto, Andreu acaba não só por conhecer um mundo novo para ele como também por conhecer a verdade sobre os seus pais, alterando para sempre o rumo da sua vida.

Comentário : Vi este filme espanhol esta noite e confesso que gostei imenso dele. Desconheço se é baseado em alguma história real, apenas sei que é adaptado de um romance muito famoso. Trata-se de um filme dramático e ao mesmo tempo de uma história comovente sobre um menino que viu o azar bater-lhe à porta. O inicio do filme é brutal, com aquela cena forte da matança do cavalo. A nivel de interpretações está excelente e tem ainda uma poderosa fotografia. É também um filme que mostra a miséria humana, quer seja a forma como aquelas pessoas viviam, quer a sua miséria moral. O pequeno ator que dá vida ao personagem principal teve um poderoso desempenho, confesso que senti a sua angustia. Cada vez gosto mais deste tipo de filmes e ainda bem que continuamos a ter acesso a este tipo de cinema. A coragem de Andreu é brutal, mesmo perante as desgraças e verdades que lhe vão surgindo pela frente. Certas crianças são obrigadas a crescer à força. Resumindo, é um bom filme que nos mostra a vida como ela é e que temos que aceitar as oportunidades que nos surgem pela frente. Muito bom. Classificação : 4.

Sinister

Titulo Português : “A Entidade Do Mal”
Ano : 2012
Duração : 110 minutos
Género : Terror
Realização : Scott Derrickson
Elenco : Ethan Hawke (Ellison), Juliet Rylance (Tracy), Clare Foley (Ashley), Michael Hall D'Addario (Trevor), Victoria Leigh (Stephanie).

História : Um escritor de histórias policiais e de mistério se instala com a esposa e com os dois filhos na mesma casa onde foram cometidos crimes horrendos. No entanto, apenas ele conhece o passado daquela casa. A situação complica-se à medida que ele vai vendo os videos caseiros da familia assassinada, deixados esquecidos numa caixa.

Comentário : Só agora venho falar da minha noite de Halloween. Como sempre, costumo ver um ou dois filmes de terror na noite das bruxas e desta vez optei por ver dois : “Paranormal Activity 4” (que desilusão) e este “Sinister”, que representou para mim uma agradável surpresa. Já devem ter percebido que adorei o filme. No filme, podemos contar com uma boa história, um excelente clima de tensão e mistério, alguns sustos, umas poucas boas interpretações e confesso que a fita possui muitos pontos altos. No entanto, para mim o melhor do filme foram os momentos em que Ellison assistia aos videos caseiros. Confesso que senti medo ao ver aqueles videos, tudo estava filmado de uma forma tão real que de facto, tudo parecia mesmo a realidade. O som contido nos pequenos filmes também ajudou. Sou completamente fanático por este tipo de filmes, no ano passado vibrei com o excelente “Insidious”, tal como amei os 3 primeiros filmes da saga “Paranormal Activity” e outros filmes do mesmo género que vão surgindo ao longo dos anos. Este “Sinister” é um excelente filme de terror que nos envolve de tal forma que é impossivel não sentirmos algum desconforto com certas cenas. Além disso, ficamos de tal forma vincados no filme que raramente lhe tiramos os olhos de cima. Um dos aspectos menos conseguidos da fita é possivelmente o seu ritmo muito lento, não aconselhavel aos jovens que procuram emoções rápidas e muito sangue. Destaque também para o desempenho de Ethan Hawke, foi a primeira vez que o vi num filme de terror, pelo menos que esteja lembrado neste momento. Tal como “Insidious” foi para mim um dos filmes de terror mais bem conseguidos de 2011, este “Sinister” já é para mim um dos filmes de terror mais bem conseguidos de 2012. Um último destaque para o final do filme, verdadeiramente espectacular, confesso que nunca estava à espera daquele final para este filme. De facto, estava à espera de outras respostas, de outro fim, mas ainda bem que o realizador me surpreendeu pela positiva. O filme tem um bom twist nos minutos finais que culminou num final único e digno de um excelente filme de terror, a sério, preparem-se para serem surpreendidos e pela positiva. Apesar de alguns erros de lógica, adorei o filme. Classificação : 4.

Paranormal Activity 4

Titulo Português : “Atividade Paranormal 4”
Ano : 2012
Duração : 88 minutos
Género : Terror
Realização : Ariel Schulman/Henry Joost
Elenco : Kathryn Newton (Alex), Matt Shively (Ben), Aiden Lovekamp (Wyatt), Alexondra Lee (Holly), Brian Boland (Daniel), Brady Allen (Hunter/Robbie), Stephen Dunham (Doug), Katie Featherston (Katie).

História : Uma linda adolescente chamada Alex, vê a sua vida mudar drasticamente quando os pais aceitam acolher em casa um menino filho de uma mãe solteira que ficou doente. Desde o dia em que o menino foi morar lá para casa, Alex decide pedir ajuda a um amigo e juntos, com o auxilio de toda a espécie de camaras, pretendem apurar se os estranhos eventos que vão acontecendo estão ou não relacionados com o menino.
 Comentário : Este filme está a um nivel inferior a qualquer um dos anteriores desta saga. Quando se julgava que este quarto filme iria explicar coisas dos outros filmes, após vê-lo ficamos rapidamente desiludidos, porque isso não acontece. Pelo contrário, este quarto filme ainda nos deixa com mais questões levantadas. Posso arriscar-me a afirmar que a fórmula já está gasta, no entanto, neste filme temos uma novidade, surgem novas maneiras de captar imagens. A nivel de interpretações, está pior do que qualquer um dos anteriores, sendo a única prestação a aproveitar a da jovem protagonista, Kathryn Newton (o melhor do filme), a sua Alex é linda e adorável e é graças a ela que penetramos no seio da sua familia. Os pais da jovem não servem para nada no filme e os atores que lhes dão corpo não servem para representar, mas isso talvez não seja culpa deles. O amigo de Alex é irritante e até a nossa Katie, que apenas aparece em pequenas cenas, podia ter tido uma presença mais marcante. A cena da garagem, que muitos apelaram como sendo a mais assustadora, a mim não me assustou rigorosamente nada. Penso que a única cena que me assustou verdadeiramente foi logo nos primeiros 20 minutos, quando Alex se ausenta do portátil a meio de uma conversa que estava a ter online com o amigo, se ausenta durante uns minutos para ir ver o que se passa na casa e depois reaparece de repente frente ao portátil, confesso que nesta parte, saltei da cadeira. Fazendo o ponto da situação, o meu preferido é o primeiro, de que gostei imenso, gostei também do segundo e do terceiro. Este quarto filme é, desta forma, apenas um filme razoável que acaba por nos proporcionar uma grande sensação de desilusão não somente pelo que escrevi anteriormente, mas igualmente pelo seu final. Um filme destes merecia ter um final bem melhor do que o que teve, sinceramente, não entendo qual o motivo do filme terminar daquela forma e fiquei sem entender a mensagem dos realizadores em relação ao filme e em relação ao final. Volto a frisar, o final do filme é mesmo muito mau, a roçar o patético. “Paranormal Activity 5” já está confirmado para estrear no Halloween de 2013, para mim, esta saga terminou no terceiro filme, apesar deste quarto filme ser a sequela do segundo. Um último aparte : confesso que acredito nestes fenomenos e tenho um enorme respeito por estas questões. Uma vez, estava a tentar adormecer e senti uma presença debruçada sobre o meu ombro que respirava perto dos meus ouvidos. Fiquei cheio de medo, mas cerca de dois minutos depois, essa presença desapareceu e depois adormeci. Ainda hoje me lembro desses acontecimentos, não entendo como existem pessoas que brincam com estas coisas, pois lá que elas existem isso existem.
Classificação : 2.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

I'm Not Scared

Titulo Português : “Não Tenho Medo”
Ano : 2003
Duração : 110 minutos
Género : Drama
Realização : Gabriele Salvatores
Elenco : Giuseppe Cristiano (Michele), Giulia Matturo (Maria), Mattia Di Pierro (Filippo).

História : Numa localidade no sul de Itália, um menino de dez anos chamado Michele descobre um segredo monstruoso. Michele terá que tudo fazer para tentar impedir um acto igualmente monstruoso.
 
Comentário : Vi este filme e confesso que gostei imenso. O filme aborda temas polémicos como o rapto de crianças e o assassinato de crianças. O elenco principal é composto somente por crianças, diga-se todas estiveram bem nos seus papéis. Os adultos surgem no filme em papéis mais secundários, atirados para segundo plano. É notável a interpretação do pequeno Giuseppe Cristiano, o seu Michele é um personagem adorável. Não sei se o filme é baseado em alguma história real, mas sei que me transtornou muito, só de pensar que existem pessoas como aquelas. Algumas paisagens são muito bonitas, nomeadamente cada vez que surgem os campos de cereais. Alguns acontecimentos não são muito crediveis. Até que ponto estaríamos nós dispostos a nos sacrificar para repormos a justiça e para salvarmos alguém indefeso. Penso que o filme explora bem estas questões. Bom filme. Classificação : 4.