domingo, 28 de outubro de 2012

Conviction

Titulo Português : “A Advogada”
Ano : 2010
Duração : 105 minutos
Género : Drama
Realização : Tony Goldwyn
Elenco : Hilary Swank (Betty Anne Waters), Sam Rockwell (Kenny Waters), Owen Campbell (Ben), Conor Donovan (Richard), Minnie Driver (Abra Rice), Melissa Leo (Nancy Taylor), Bailee Madison (young Betty Anne), Tobias Campbell (young Kenny), Clea DuVall (Brenda), Juliette Lewis (Roseanna), Ari Graynor (Mandy).

História : Kenny Waters é preso por um crime hediondo e condenado a prisão perpétua. No entanto, e apesar de ter tudo contra si, Kenny poderá sempre contar com a sua irmã que tudo fará para o livrar da prisão, nem que para isso tenha que se tornar advogada.

Comentário : Fui ontem ao cinema ver este filme baseado numa história verdadeira e gostei do filme. É um poderoso drama intenso que mostra o verdadeiro desespero de um homem injustamente condenado por um crime que supostamente não cometera, uma espécie de vitima de um sistema corrupto. Hilary Swank e Sam Rockwell estão soberbos no filme. Mais do que uma batalha em tribunal, o filme é sobre o amor brutal e puro de uma irmã pelo seu irmão. Betty Anne Waters chegou mesmo ao ponto de esquecer de viver a sua vida para se dedicar em exclusivo ao caso do irmão. Mais uma vez, o titulo português nada está relacionado com o titulo original do filme. Kenny Waters foi mesmo um dos homens mais azarados da história, pois desde a infância que nada de bom lhe aconteceu, foi sempre tudo de mau. O seu único factor de sorte na vida foi a sua irmã. Claramente que o filme carrega o fardo de ser parecido com tantos outros que falam do mesmo e isso torna-o numa fita vulgar. Ainda assim, é um bom filme. Classificação : 3.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

The Story Of The Weeping Camel

Titulo Português : “A História Do Camelo Que Chora”
Ano : 2003
Duração : 90 minutos
Género : Drama
Realização : Byambasuren Davaa/Luigi Falorni
Elenco : Janchiv Ayurzana (Janchiv), Chimed Ohin (Chimed), Amgaabazar Gonson (Amgaa), Zeveljamz Nyam (Zevel), Ikhbayar Amgaabazar (Ikchee).

História : Na Mongólia, uma familia de nómadas assiste ao complicado e doloroso nascimento de um camelo albino que acaba por ser rejeitado pela mãe. Para que o pequeno camelo viva será necessário que chamem um musico que conhece um ritual para que a fêmea volte a cuidar da cria.

Comentário : Apesar de parecer real, isto é uma obra de ficção. O filme mostra o quotidiano de uma familia, as suas necessidades e a forma como vivem. Fiquei impressionado com a forma que a mãe arranja para manter a filha pequena perto da casa. É um filme feito a quatro mãos, por dois realizadores. O filme mostra também a relação entre os nómadas e os animais, eles protegem os seus bichos e cuidam muito bem deles. O carinho que humanos e animais partilham entre si chega mesmo a comover. Quero também dizer que as imagens do moroso e chocante nascimento do camelo albino são mesmo impressionantes e não aconselháveis a pessoas sensiveis. Deviam haver mais filmes destes, que nos mostrassem outras culturas e outros mundos, diferentes do nosso. O filme é mesmo muito bom.
Classificação : 4.

A Time For Drunken Horses

Titulo Português : “Um Tempo Para Cavalos Bêbedos”
Ano : 2000
Duração : 79 minutos
Género : Drama
Realização : Bahman Ghobadi
Elenco : Ayoub Ahmadi (Ayoub), Rojin Younessi (Rojin), Amaneh Ekhtiar Dini (Ameneh), Madi Ekhtiar Dini (Madi), Kolsolum Ekhtiar Dini (Kolsolum), Karim Ekhtiar Dini (Karim), Nezhad Ekhtiar Dini (Nezhad).

História : Após a morte do pai, vários irmãos tudo fazem para tentar salvar a vida de um irmão deficiente.

Comentário : Verdadeiro murro no estômago foi a sensação com que fiquei após ter visto este filme curdo. O filme mostra a vida sempre dificil de certos povos, bem como todas as suas dificuldades. São pessoas que vivem com muito pouco e mesmo assim são felizes. O ponto mais alto são as interpretações, tudo parece real. Desconhecia que eles tinham o hábito de embebedar os cavalos para tornar mais facil as viagens dos animais. Muito comoventes os laços de amor e ternura que unem aqueles irmãos, tomara que na realidade houvesse mais daquilo. Gostei do filme. Classificação : 3.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Gebo And The Shadow

Titulo Português : “O Gebo E A Sombra”
Ano : 2012
Duração : 95 minutos
Género : Drama
Realização : Manoel de Oliveira
Elenco : Michael Lonsdale (Gebo), Leonor Silveira (Sofia), Claudia Cardinale (Doroteia), Jeanne Moreau (Candidinha), Ricardo Trepa (João).

História : Gebo continua na sua profissão como contabilista, enquanto faz os possiveis para acalmar a esposa que vive atormentada com o longo desaparecimento do filho.

Comentário : Ao contrário da maioria, eu penso que o cinema de Manoel de Oliveira até nem é mau. Adorei “Aniki Bobó”, mais uns quantos filmes pelo meio e adorei o seu último trabalho “O Estranho Caso de Angélica”. Agora surge este “O Gebo E A Sombra”, que não está ao mesmo nivel dos dois nomeados anteriormente, mas ainda assim é um bom filme. Parece teatro, é verdade e em alguns momentos dá vontade de dormir, mas é do melhor cinema que se faz em Portugal, tirando Marco Martins. As interpretações são boas e a fotografia é potente. Fui vê-lo ao cinema e gostei de o ver. Lamentável é que o cinema em Portugal ande pelas ruas da amargura, felizmente existem filmes que fogem a essa regra. Bom para nós. Classificação : 4.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

War Of The Worlds

Titulo Português : “Guerra Dos Mundos”
Ano : 2005
Duração : 115 minutos
Género : Ficção
Realização : Steven Spielberg
Elenco : Tom Cruise (Ray), Miranda Otto (Mary Ann), Dakota Fanning (Rachel), Justin Chatwin (Robbie), Tim Robbins (Harlan Ogilvy).

História : Uma familia disfuncional assiste à invasão da Terra por forças de um outro planeta.

Comentário : Fui ao cinema ver este filme e confesso que gostei imenso. Tom Cruise fazia parte do elenco principal e havia a pequena estrela Dakota Fanning. Uma das coisas que mais gostei neste filme foi o clima de terror que está quase sempre presente. Certas cenas chegam mesmo a ser aflitivas, como por exemplo a cena do carro no meio da multidão desesperada. A nivel de interpretações está muito bom, onde o maior destaque vai todo para a pequena Dakota Fanning. O realizador gosta muito de retratar em seus filmes familias disfuncionais, neste filme mais uma vez tornou a fazê-lo. Os efeitos especiais são muito bons e a história é emocionante. Lamentável é o facto de os aliens serem quase sempre retratados pela sétima arte como seres maus. Já considero este filme como um dos melhores do mestre Steven Spielberg. O único senão do filme é o seu péssimo final, algo metido às pressas e com pouco nexo, além disso tudo acontece rápido demais, como se quisessem terminar logo a fita. É uma obra que ainda se torna melhor vista numa sala de cinema. Classificação : 4.

domingo, 14 de outubro de 2012

North

Titulo Português : “Norte”
Ano : 2009
Duração : 78 minutos
Género : Drama
Realização : Rune Denstad Langlo
Elenco : Anders Baasmo Christiansen (Jomar Henriksen), Marte Aunemo (Lotte), Kyrre Hellum (Lasse), Mads Sjogard Pettersen (Ulrik), Astrid Solhaug (Mari), Even Vesterhus (Thomas), Ragnhild Vannebo (Rigmor), Celine Engebrigtsen (Overlege Kran).

História : Na Noruega, Jomar mora e trabalha numa estância de esqui. Após saber que tem um filho de quatro anos de idade fruto da relação que teve com uma antiga namorada, ele parte numa jornada em direção ao norte do país com a intenção de conhecer o filho que nunca viu.

Comentário : Trata-se do primeiro filme norueguês que vi na vida. Fui vê-lo ao cinema em inicios de 2010 e ainda me lembro que foi na única sala que tinha o filme em exibição. Na altura adorei o filme e agora que o revi, continuo a adorá-lo. Excelente filme. Esta pequena pérola do cinema do mundo conta a história de um homem sem um pingo de sorte na vida que acaba por embarcar numa longa jornada onde conhece algumas pessoas que, tal como ele, não nasceram com o “rabo virado para a lua”. A realização é muito boa, a fotografia é nitida como cristal e as interpretações são de um rigor impressionante para uma produção de um país que penso que não vê na sétima arte a sua praia. Todos os minutos de imagens deste “North” são admiráveis e confesso que nunca me senti cansado ao longo dos seus setenta e poucos minutos. Acabamos por sentir uma certa simpatia pelo protagonista, principalmente quando ele fica cego temporariamente. É lamentável não termos mais filmes deste tipo nas nossas salas de cinema. O final do filme acaba por ser o previsto. No fim chegamos à feliz conclusão que foi muito bom termos assistido a um pequeno filme que nada prometia, mas que acabou por ser tão bom que nos deixou com uma enorme sensação de preenchimento dentro de nós. E isso hoje em dia é super raro.
Classificação : 5.

domingo, 7 de outubro de 2012

Brokeback Mountain

Titulo Português : “O Segredo de Brokeback Mountain”
Ano : 2005
Duração : 134 minutos
Género : Drama/Romance
Realização : Ang Lee
Elenco : Heath Ledger (Ennis Del Mar), Michelle Williams (Alma), Jake Gyllenhaal (Jack Twist), Anne Hathaway (Lureen Newsome), Kate Mara (Alma Jr.).

História : Dois rancheiros aceitam um trabalho nas montanhas de Brokeback e entre eles nasce algo mais do que uma amizade.

Comentário : Fui ao cinema ver este filme quando estreou e confesso que até gostei dele. O filme retrata uma história de amor muito diferente do habitual e as respetivas consequências dessa relação. O filme é muito bom e o realizador regressou com ele ao género de drama, que tinha iniciado com o excelente “The Ice Storm”. “Brokeback Mountain” possui dois pontos de destaque : excelentes interpretações e lindas paisagens. De facto, Heath Ledger e Jake Gyllenhaal entregaram-se ao máximo aos seus papéis. Não deve ter sido fácil as cenas dos beijos, bem como as cenas mais intimas. O filme ganhou 3 óscars mas em categorias técnicas. Michelle Williams também teve uma poderosa interpretação, pelo que foi nomeada por ela, mas perdeu. Confesso que gostei mais do filme que ganhou o óscar de melhor filme neste ano. “Brokeback Mountain” peca por ter demasiados erros, somente para frisar um erro que eu julgo que é um escândalo : numa cena o personagem de Jack tem um grande bigode, na frame seguinte aparece sem o tal bigode e segundos depois volta a surgir com o mesmo, será que não reparam nestes detalhes. O filme tem ainda uma forte carga dramática, assente principalmente no drama de Alma assim que descobre o segredo do marido e também já na parte final, quando Ennis visita a casa dos pais de Jack e descobre a camisa que ele julgava ter perdido nas montanhas. Não é um filme fácil, principalmente para os mais conservadores, mas é uma obra notável que, na minha opinião, foi a melhor história de um amor homossexual alguma vez contada em filme. Um último reparo, o personagem Ennis Del Mar é fantástico, desde a maneira de ser até à maneira de falar.
Classificação : 4.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

The Possession

Titulo Português : Possuída
Ano : 2012
Duração : 93 minutos
Género : Terror/Thriller
Realização : Ole Bornedal
Elenco : Jeffrey Dean Morgan (Clyde), Natasha Calis (Em), Kyra Sedgwick (Stephanie), Madison Davenport (Hannah).

História : Clyde e Stephanie estão em processo de divórcio. Clyde decide passar uns dias com as duas filhas adolescentes e acaba por ceder ao primeiro pedido especial da filha mais nova, comprando-lhe uma velha caixa de madeira. No entanto, esse objecto antigo acaba por mudar para pior a vida daquela familia disfuncional.

Comentário : Em primeiro lugar gostaria de esclarecer que apesar de no inicio do filme aparecer uma legenda a dizer que é baseado em factos veridicos, o que é retratado no filme não aconteceu na realidade. A única verdade disto é que a caixa que o filme mostra talvez exista porque houve umas pessoas que diziam que guardavam os espíritos maléficos nessa suposta caixa (dybbuk box). Foi a partir dessa lenda que os argumentistas desenvolveram a história que se vê na fita. Mas vamos ao filme. A história até é original e confesso que aquela parte do “exorcismo” é arrepiante. O filme está muito bem conseguido em relação à questão de gerar um clima de tensão, embora isso se veja mais em algumas partes do que em outras. A nivel de interpretações, o “elo mais forte” é a jovem Natasha Calis, que desempenha a menina possuida que dá nome ao titulo português. De facto, a jovem possui a melhor interpretação de todo o filme. Mas a velha questão continua patente aqui, a questão dos clichés, por outras palavras, certas coisas vistas ao longo do filme já foram visionadas em outras fitas do género. Ainda assim, volto a frisar que o argumento até tem algumas vertentes de originalidade, afinal, talvez a dita caixa exista na realidade. Não gostei muito dos minutos iniciais, aquela parte da senhora e da caixa, era dispensável. Outro factor negativo é o facto de os pais das jovens demonstrarem pouca preocupação com as coisas que vão sucedendo à filha possuida, posso não estar correcto face a isto mas foi esta a sensação que me deu. “The Possession” funciona bem como filme de terror, nos pregando alguns sustos em algumas partes, aquela parte em que Em observa uns dedos no interior da sua garganta, ao olhá-la com uma pequena lanterna é de fazer gelar a espinha. O filme tem um bom clima de tensão ao longo dos quase noventa minutos de imagens e penso que o realizador cumpriu os seus objetivos, sendo o principal o de nos dar uma boa história de terror. Confesso que gostei do filme e lamento o facto de termos poucos bons filmes de terror actualmente, tem o seu grau de originalidade no que toca ao assunto abordado, mas por vezes acaba por cair em alguns clichés próprios do género, facto que não aconteceu no excelente “The Ring”, o remake de Gore Verbinski. Classificação : 4.

Mr. Nobody

Titulo Português : “Sr. Ninguém”
Ano : 2009
Duração : 157 minutos
Género : Drama/Romance/Fantasia
Realização : Jaco Van Dormael
Elenco : Jared Leto (Nemo Nobody), Toby Regbo (teen Nemo), Thomas Byrne (young Nemo), Diane Kruger (Anna), Juno Temple (teen Anna), Laura Brumagne (young Anna), Sarah Polley (Elise), Clare Stone (teen Elise), Lea Thonus (young Elise), Linh Dan Pham (Jean), Audrey Giacomini (teen Jean), Anais Van Belle (young Jean), Allan Corduner (Dr. Feldheim), Daniel Mays (journalist), Michael Riley (Harry).

História : As possiveis vidas de Nemo Nobody são lembradas por ele próprio na actualidade. Qual será a sua existência verdadeira ?

Comentário : Confesso que foi um dos filmes mais estranhos que vi até à data. Claramente que houve factos que eu não entendi, mas penso que o Amor é o tema principal deste filme. É a história de Nemo Nobody, alguém que supostamente viveu várias vidas e que, na actualidade com mais de cem anos de idade, vive os seus últimos momentos. Gostei de alguns momentos do filme, outros nem tanto. Vi a versão do realizador, com cerca de vinte e tal minutos a mais do que a versão de cinema. Volto a dizer, é um filme estranho, confuso e que de certo que não irá agradar a maioria, visto que grande parte do publico vai ao cinema para se divertir e não para pensar. Se eu pudesse escolher o melhor do filme, aquilo que mais gostei, diria que foram todos os momentos em que apareceram as versões adolescentes de Nemo e Anna, maravilhosos e que empatia poderosa entre Toby Regbo e Juno Temple (na foto em baixo). Achei todas as partes espaciais completamente ridiculas, na minha humilde opinião, penso que o realizador podia não ter complicado tanto as coisas e facultar-nos algo mais simples. As interpretações são boas e os pequenos efeitos especiais que vão surgindo também não desiludem. Destaque também para a boa fotografia. Nota negativa para a irritante banda sonora, à parte dos temas dos Eurythmics e de Nena, tudo o resto era muito irritante. Quero também dizer que não é um filme fácil de assistir, pelo menos para quem não esteja a perceber o que se vai passando ao longo da pelicula. Ainda assim, trata-se de um bom filme que prima pela originalidade do confuso argumento e de algumas situações retratadas na fita, tornando as quase duas horas e meia numa agradável experiência cinematográfica.
Classificação : 3.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Tulpan

Titulo Português : “Tulpan”
Ano : 2008
Duração : 101 minutos
Género : Drama
Realização : Sergei Dvortsevoy
Elenco : Tolepbergen Baisakalov (Boni), Samal Yeslyamova (Samal), Ondas Besikbasov (Ondas), Bereke Turganbayev (Beke), Nurzhigit Zhapabayev (Nuka), Mahabbat Turganbayeva (Maha), Askhat Kuchencherekov (Askhat).

História : Após ter cumprido o serviço militar obrigatório, um jovem regressa à sua tribo nómada para cumprir uma outra missão : arranjar uma esposa. No entanto, só resta uma rapariga, chama-se Tulpan e não parece querer unir-se ao simpático rapaz.

Comentário : Mais um exemplo eficaz do chamado cinema do mundo, neste caso um filme do Kazaquistão. Confesso que fui ao cinema ver o filme e até gostei, embora o filme tenha algumas cenas que ferem a sensibilidade daqueles que são mais sensiveis, claro que estou a falar do nascimento da ovelha. Pelo menos a mim, causou-me muita impressão. Tudo o que acontece ao longo do filme é de uma naturalidade brutal, por vezes até me perguntei se aquilo que vemos não foi filmado por camaras amadoras, visto que os atores agem como se realmente estivessem nos seus quotidianos, sem qualquer realizador ou cameraman por perto. Essa naturalidade notou-se em todos, mas principalmente nas crianças. Fazem falta em Portugal mais filmes deste tipo de cinema, em vez disso, enchem-nos de comédias e blockbusters, mas é assim, o dinheiro fala mais alto. Um último destaque para as maravilhosas paisagens e para a presença do vento como personagem secundária. Um filme belo. Classificação : 4.