segunda-feira, 31 de outubro de 2011

A Passagem Da Noite

Titulo Inglês : “Night Passage”
Ano : 2002
Duração : 96 minutos
Género : Drama
Realização : Luís Filipe Rocha
Elenco : Leonor Seixas (Mariana), João Ricardo (Vítor), João Pedro Vaz (Salvador/Gadelhas), Maria Rueff (prostituta), Ana Bustorff (professora)
História : Mariana é uma adolescente que leva uma vida normal. Até ao dia em que, em mais um passeio até à praia de Carcavelos, é violada por um adulto e fica grávida deste. A passagem dessa noite será a passagem da fase de menor à fase adulta, uma passagem feita à força. Determinada a carregar o fardo sozinha, Mariana só poderá contar com ela mesma.
Comentário : Na minha opinião, é o meu filme português preferido. Tem a minha atriz portuguesa preferida (Leonor Seixas) e aborda um tema que é muito delicado : a gravidez na adolescência. A jovem Leonor Seixas carrega o filme praticamente sozinha, tendo uma poderosa interpretação. Reconheci os comboios antigos da linha de Cascais daquela época, muito andei naqueles comboios. Confesso que não aprecio cinema português, mas neste caso e após ver e continuar a ver filmes nacionais, posso afirmar que este é dos poucos que gostei. A fotografia é boa e o ritmo também. Também gostei de ver Maria Rueff, adoro esta atriz. Classificação : 5.

domingo, 30 de outubro de 2011

In America

Titulo Inglês : “In America”
Ano : 2002
Duração : 105 minutos
Género : Drama
Realização : Jim Sheridan
Elenco : Paddy Considine (Johnny), Samantha Morton (Sarah), Sarah Bolger (Christy), Emma Bolger (Ariel), Djimon Hounsou (Mateo).
História : Após perderem um filho vitima de cancro, um casal viaja com as duas filhas da Europa para os EUA, a fim de recomeçarem uma nova vida. No entanto, as coisas não são o paraiso com que sempre sonharam e a vida deles torna-se muito complicada, além disso não é fácil esquecer a morte da criança. Tudo muda, quando as meninas conhecem Mateo.
Comentário : Trata-se de um dos filmes que mais me comoveram até à data, um drama daqueles que nos vem a lágrima aos olhos. Brilhantemente filmado e mostrado com uma grande sensibilidade, “In America” é daqueles casos raros em que ficamos com aquela estranha sensação de saudosismo depois de o vermos. Destaque para o grupo de actores, todos eles excelentes. Paddy Considine começava a dar os seus primeiros passos em Hollywood, Samantha Morton prova com este filme que é uma grande atriz. Djimon Hounsou esteve impecável, muito firme no seu papel. É impossivel não ficarmos sensibilizados com a ternura e carinho das irmãs Bolger, que são também irmãs na vida real. Um drama intenso que teve o azar de não vencer na cerimónia dos óscars desse ano. Um grande e poderoso filme. Classificação : 5.

sábado, 29 de outubro de 2011

Cloverfield

Titulo Inglês : “Cloverfield”
Ano : 2008
Duração : 82 minutos
Género : Ficção
Realização : Matt Reeves
Elenco : Michael Stahl David (Rob), Jessica Lucas (Lily), Lizzy Caplan (Marlena), Odette Annable (Beth), Mike Vogel (Jason)
História : Um grupo de amigos festeja a partida de um deles para um outro país, na mesma noite em que um enorme monstro aparentemente indestrutivel invade a cidade e semeia o caos. Agora, eles vão ter que lutar para viver, pois as suas vidas vão virar um verdadeiro inferno.
Comentário : Um dos melhores filmes que vi até hoje, seguramente o melhor filme de monstros que já vi. A forma como nos é mostrado e como está filmado é estupendamente original. Todos os atores são amadores e todos tiveram excelentes interpretações. Os efeitos especiais só aparecem quando necessários, ao contrário de quase todas as tretas de Hollywood. O filme põe-nos sempre em tensão até ao último minuto, gerando uma agradável sensação de suspense. Destaque para os efeitos sonoros e para os sons emitidos pelo monstro, em especial naquela cena em que os amigos descem pela escada de uma estação de metro, no exacto momento em que o monstro está a ser atacado e emite um grunhido forte para eles. É um filme que dividiu opiniões um pouco por todo o mundo e talvez fosse essa a intenção do realizador. Já está a ser estudada a elaboração de uma sequela, embora eu seja contra as sequelas, a menos que esta seja para explicar alguma coisa que não ficou explicada. Classificação : 5.

Somewhere

Titulo Inglês : “Somewhere”
Ano : 2010
Duração : 100 minutos
Género : Drama
Realização : Sofia Coppola
Elenco : Stephen Dorff (Johnny Marco), Elle Fanning (Cleo), Michelle Monaghan (Rebecca).

História : Johnny Marco é um famoso actor de Hollywood que leva uma vida de luxos e entediante, vivendo em hotéis. Um dia, a filha de 11 anos, Cleo, o visita e a mãe dela pede-lhe que fique com o pai por uns dias. Agora, pai e filha vão ter que por de lado o facto de raramente se verem e terão que conviver no mesmo espaço. No final, criam uma empatia que só podia existir entre um pai e uma filha que se amam. E Marco percebe qual o sentido a dar à sua vida.

Comentário : Na minha opinião, é o melhor filme da realizadora Sofia Coppola até à data. Mas também gostei do seu primeiro filme (The Virgin Suicides). É um filme independente com planos parados e sequências morosas que não irão agradar à maioria dos cinéfilos. Uma boa interpretação da jovem Elle Fanning, que prova que é mais que a irmã da famosa Dakota Fanning. O filme nos transmite bem a mensagem de que vida de rico é uma seca. Destaque para o final do filme, detentor de uma mensagem brutal. Classificação : 5.

Hanna

Titulo Inglês : “Hanna”
Ano : 2011
Duração : 112 minutos
Género : Ação
Realização : Joe Wright
Elenco : Eric Bana (Erik), Saoirse Ronan (Hanna), Cate Blanchett (Marissa), Jessica Barden (Sophie), Olivia Williams (Rachel), Jason Flemyng (Sebastian)
História : Hanna é uma adolescente de 16 anos que foi criada pelo pai numa casa de madeira em uma zona isolada e com ele aprendeu a sobreviver e aprendeu a arte da luta. Quando se pergunta pelo seu passado, a jovem parte numa odisseia para encontrar a mulher que lhe matou a mãe e que a quer matar a ela.
Comentário : Joe Wright muda completamente o seu tipo de filmes e filma o seu primeiro filme de ação. Confesso que “Hanna” não supera o maravilhoso “Pride And Prejudice”, mas ainda assim é um filme muito bom. Admirável a interpretação de Erik Bana, bem como a sua luta na estação de metro está muito bem feita. Cate Blanchett também esteve muito bem como a vilã da fita. Mas os méritos pertencem todos à jovem Saoirse Ronan, que é já uma excelente atriz. O filme tem um bom ritmo, sempre alucinante e a BSO a cargo do grupo The Chemical Brothers também ajuda. Uma boa realização e com bons planos de câmera, quase sempre colada à cara das adolescentes. Em Resumo, é um bom filme de acção. Classificação : 4.

Trust

Titulo Inglês : “Trust”
Ano : 2010
Duração : 105 minutos
Género : Drama
Realização : David Schwimmer
Elenco : Liana Liberato (Annie), Clive Owen (Will), Catherine Keener (Lynn), Viola Davis (Gail), Spencer Curnutt (Peter), Aislinn Debutch (Katie), Chris Coffey (Charlie)
História : Annie é uma bonita adolescente que tem facilidade em aceder à internet e, num desses acessos, conhece um rapaz da sua idade chamado Charlie e os dois correspondem-se durante semanas. Quando o conhece num centro comercial e apesar de Charlie ser um adulto na casa dos 30 anos, Annie aceita continuar com a amizade e os dois acabam por ter relações sexuais. Mas, quando estes acontecimentos chegam aos ouvidos dos pais e das pessoas, a coisa altera-se e os actos de Annie terão duras e crueis consequências para toda a familia.
Comentário : Antes de mais, quero aqui dizer que este filme devia ser de visionamento obrigatório para todos os pais com filhas adolescentes. É um forte aviso aos pais. Mas, falemos do filme. Gostei do filme, está muito bem realizado. Clive Owen possui uma boa interpretação, como o pai preocupado. A jovem Liana Liberato consegue sozinha carregar o filme às costas, possuindo uma poderosa interpretação. Penso que a intenção do realizador foi percebida. Todo o grupo de actores que compõem o nucleo familar de Annie conseguiu nos transmitir a verdadeira sensação do que uma familia real sentiria se esta situação lhes acontecesse. Um dos melhores filmes do ano. Classificação : 5.

Palindromes

Titulo Inglês : “Palindromes”
Ano : 2004
Duração : 100 minutos
Género : Drama
Realização : Todd Solondz
Elenco : Ellen Barkin (Joyce), Matthew Faber (Mark), Rachel Corr (Aviva)
História : Aviva é uma adolescente de 13 anos que tem o sonho de ser mãe e tudo fará para o conseguir. Nem que para isso tenha que passar por cima das leis rigidas de sua mãe, e de procurar um homem para lhe fazer o filho de qualquer idade, seja ele adolescente ou adulto. Mas, quando engravida e a mãe a obriga a abortar, ela decide simplesmente fugir de casa e cumprir seu maior objectivo : ter um filho.
Comentário : Trata-se de um filme para quem tem uma mentalidade aberta. É uma espécie de filme new age em que o realizador nos choca mas de forma suave. A dada altura, o realizador coloca diferentes atrizes a desempenhar o papel principal, e isso tem a ver com os estados de espirito e situações da personagem. A nivel de interpretações está igualmente muito bom, destaque para Ellen Barkin e para a sua Joyce, uma mãe firme e determinada em dar à filha o que ela precisa. Também todas as personagens que fizeram de Aviva estiveram muito bem. É um bom trabalho de realização de um homem que nos habituou a filmes pertencentes a um género diferente. Isto é cinema independente, e são filmes que nos mostram por vezes o quanto complicada é a vida. Nós tememos pela segurança de Aviva e para que a menina tenha sucesso nas suas intenções e, no fundo, é isso que todos queremos. Resumindo, é um excelente filme. Classificação 5.

Orphan

Titulo Inglês : “Orphan”
Ano : 2009
Duração : 125 minutos
Género : Terror
Realização : Jaume Collet Serra
Elenco : Vera Farmiga (Kate), Peter Sarsgaard (John), Aryana Engineer (Maxine), Jimmy Bennett (Daniel), Isabelle Fuhrman (Esther)
História : Kate e John são um jovem casal que têm um casal de filhos e que perderam recentemente a filha mais nova. Vítima de uma violenta depressão, Kate quer agora é descansar e decide adoptar uma menina para ajudar a superar a perda da criança. O marido John engraça com uma menina solitária chamada Esther e é mesmo esta criança que eles levam para casa. No inicio, tudo corre bem. Mas aos poucos, a doce e ternurenta Esther vai revelando toda a sua real personalidade.
Comentário : Depois do fraco “House Of Wax”, o realizador volta a penetrar no género do terror e consegue um filme melhor e mais adulto do que o anterior. “Orphan” é um filme tenso e perturbador, conta com boas interpretações, mas o destaque vai todinho para a jovem Isabelle Fuhrman que, com a sua Esther, impressiona. O filme tem algumas cenas chocantes e muita violência. Não é aconselhável a pessoas sensiveis. A história é boa e atenção às revelações no final do filme, muito supreendentes. É um bom filme de terror e é uma pelicula que cumpre os objectivos propostos. O filme, quando estreou, foi visto como um folheto de alerta para quando se vai adoptar crianças, mas penso que isso é uma idiotice, filme é sempre filme.
Classificação : 5 estrelas.

Dream House

Titulo Inglês : “Dream House”
Ano : 2011
Duração : 94 minutos
Género : Thriller
Realização : Jim Sheridan
Elenco : Rachel Weisz (Lib), Daniel Craig (Will), Taylor Geare (Beatrice), Claire Geare (Katherine), Naomi Watts (Ann), Elias Koteas (Boyce)
História : Will é um homem que está cansado da sua vida laboral e decide mudar-se com a familia para uma nova casa a fim de lhes dar mais atenção. Aos poucos, as coisas começam a se alterar e ele começa a suspeitar que algo de errado se passa. Agora, Will tudo fará para descobrir o que o seu passado lhe esconde e acima de tudo, descobrir o que aconteceu com a sua esposa e com as suas duas filhas pequenas.
Comentário : Confesso que gostei do filme, embora as minhas espectativas fossem muito elevadas, afinal, tratasse do novo filme de Jim Sheridan, o homem que nos trouxe o encantador “In America”. Daniel Craig consegue ter uma prestação convicente, bem como Rachel Weisz, embora eu tivesse gostado mais de ver Naomi Watts no filme. O filme nos proporciona uns valentes sustos, apesar de não ser um filme de terror e é pena o trailer revelar importantes promenores sobre o que se vai passar no filme. Não é dos melhores registos de Sheridan, mas certamente é um filme a ter em atenção. As meninas que fazem de irmãs no filme são igualmente irmãs na vida real.
Classificação : 3 estrelas.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Paranormal Activity 3

Titulo Inglês : “Paranormal Activity 3”
Ano : 2011
Duração : 83 minutos
Género : Terror
Realização : Ariel Schulman/Henry Joost
Elenco : Lauren Bittner (Julie), Christopher Nicholas Smith (Dennis), Chloe Csengery (Katie), Jessica Tyler Brown (Kristi), Dustin Ingram (Randy)
História : Anos antes dos acontecimentos ocorridos em casa de Kristi e de Katie, a presença espiritual apareceu pela primeira vez quando as duas irmãs eram crianças. Tudo começa com pequenos ruidos e posteriormente, quando a irmã mais nova, Kristi, começa a falar com Tobi, um suposto amigo imaginário. A situação piora, quando as irmãs fazem um estranho jogo de espelhos. Dennis, padrasto das meninas, instala 3 câmeras na casa e a presença manifesta-se.
Comentário : Neste terceiro filme da saga, a acção passa-se no passado e conta o que se passou na infância das irmãs Katie e Kristi e, no final do filme, ficamos a saber quem iniciou tudo aquilo com a tal presença, embora isso já tivesse sido revelado no segundo filme. As interpretações estão igualmente boas, mas as situações parecem menos realistas do que nos dois primeiros filmes. As meninas foram as que tiveram um melhor desempenho. 90% das imagens dos trailers não surgem na versão de cinema.
Classificação : 4 estrelas.

Paranormal Activity 2

Titulo Inglês : “Paranormal Activity 2”
Ano : 2010
Duração : 92 minutos
Género : Terror
Realização : Tod Williams
Elenco : Katie Featherston (Katie), Brian Boland (Daniel), Sprague Grayden (Kristi), Molly Ephraim (Ali), Vivis Colombetti (Martine)
História : Poucos meses antes dos acontecimentos em casa de Katie, a sua irmã, Kristi, também foi seguida pela mesma presença espiritual que a afectou a ela, ao marido, ao filho e à enteada. Daniel, marido de Kristi, embora não acredite naquilo, instala várias câmeras pela casa para filmar o que lá se passa e descobre que não se trata de assaltos como ele havia presvisto, mas sim de algo mais terrivel.
Comentário : Não tão excelente como o primeiro, mas ainda assim, um filme muito bom. Neste segundo filme, ficamos a saber que a presença já se tinha manifestado às irmãs Katie e Kristi, quando estas eram crianças, mas depois parou e voltou a se manifestar na fase adulta, mais concretamente, quando a irmã mais nova teve o primeiro filho rapaz. Quem acaba por descobrir um factor importante sobre a presença é a enteada de Kristi. . Mais uma vez temos boas interpretações dos principais, mesmo sendo eles amadores.Tudo parece muito realista, mais uma vez. Para quem não entendeu e aqui vai uma ajuda, o que se passa neste segundo filme acontece antes dos acontecimentos do primeiro filme e o final deste segundo filme corresponde ao que aconteceu depois do final do primeiro filme. Até o cão e o bebé estiveram bem.
Classificação : 4 estrelas.

Paranormal Activity

Titulo Inglês : “Paranormal Activity”
Ano : 2007
Duração : 85 minutos
Género : Terror
Realização : Oren Peli
Elenco : Katie Featherston (Katie), Micah Sloat (Micah), Ashley Palmer (Diane)
História : Katie sempre sentiu uma estranha presença espiritual desde os seus 8 anos de idade. Actualmente a viver com o namorado Micah, a coisa piora e ele instala no quarto uma câmera que irá filmar o que se passa enquanto dormem. Katie apercebe-se de que a coisa já vem do passado.
Comentário : Achei o filme muito bom. Boas interpretações do casal protagonista, com destaque para o profissionalismo e sensualidade de Katie Featherston. O conceito é original, bem como o modo de filmar, parece que aquilo aconteceu de verdade, está tudo muito realista. O filme nos proporciona uns valentes sustos, como aquele em que, quando o casal dorme, a porta do quarto se fecha com toda a força. Um achado neste novo conceito de filmar.
Classificação : 5 estrelas.