quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Buried

Titulo Inglês : “Buried”
Ano : 2010
Duração : 96 minutos
Género : Thriller
Realização : Rodrigo Cortes
Elenco : Ryan Reynolds (Paul), Samantha Mathis (Linda)
História : Paul é um camionista no Iraque que foi capturado e deixado debaixo da terra, dentro de um caixão, só possuindo um isqueiro, um telemóvel e 90 minutos de oxigénio. Agora, ele terá que tudo fazer para se safar daquela situação.

Comentário : Assistir a este filme numa sala de cinema é uma experiência aterradora. Trata-se de um filme mediano, a ideia não é nova, Quentin Tarantino já o tinha feito quando realizou dois episódios especiais da série C.S.I. O filme é todo passado dentro de um caixão e tem somente um único ator em cena. O filme é muito tenso e chega mesmo a ser sufocante em alguns momentos, principalmente nos momentos em que a cobra entra em cena. Peca o facto de o filme vir com quase dois anos de atraso, visto ter sido produzido em 2010. Ryan Reynolds até é um ator simpático e já nos deu provas de que sai-se bem nos papéis que lhe dão. Fiquei irritado porque, no final, estamos à espera que as coisas terminem bem como aconteceu à vitima dos já frisados dois episódios da tão transmitida série mas, neste caso, isso não aconteceu. Classificação : 3.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Melissa

Titulo Inglês : “Melissa”
Ano : 2009
Duração : 16 minutos
Género : Curta Metragem
Realização : Sphear Collins
Elenco : Emily Grace Reaves (Melissa), Christopher Atkins (Ellis), Sophie Texeira (Breanne), Keana Texeira (Grace)
História : Melissa é uma menina que vive com o pai, Ellis. Ela tem uma grande amiga da sua idade chamada Breanne e juram ficar juntas para sempre. Tudo muda quando Melissa descobre que tem um tumor no cérebro e terá morte certa dali a meses. Agora, ela terá que deixar uma coisa à amiga, como prova da amizade poderosa que existe entre as duas.

Comentário : Trata-se de um dos filmes mais comoventes que vi até hoje. Apesar de não ser uma história nova, aqui a novidade é o facto de ser uma história vivida entre duas meninas pequenas, daí que a sensibilidade contida nela é superior às demais. O ator que fez de pai de Melissa é o ator que desempenhou o papel protagonista masculino no êxito “The Blue Lagon – A Lagoa Azul”. As duas pequenas atrizes também estiveram muito bem nos seus papeis. A fotografia do filme é muito boa, bem como o argumento. Uma obra que nos choca pela sua enorme sensibilidade. Classificação : 5.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Rudo & Cursi

Titulo Inglês : “Rough And Vulgar”
Ano : 2008
Duração : 102 minutos
Género : Comédia Dramática
Realização : Carlos Cuaron
Elenco : Diego Luna (Beto/Rudo), Gael Garcia Bernal (Tato/Cursi), Guillermo Francella (Batuta), Adriana Paz (Tona), Jessica Mas (Maya)
História : Beto e Tato são dois irmãos que trabalham na apanha da banana. Um dia, num jogo de futebol amigável com uns amigos locais são descobertos por Batuta, um homem mal formado que lança novos talentos do mundo do futebol, recebendo uma parte do dinheiro que eles ganham. No entanto, e cheios de sucesso, os dois irmãos vão aprender depressa que a fama e fortuna também dá dissabores, alguns deles, irreversíveis.

Comentário : Confesso que não fui ver este filme ao cinema na altura em que ele esteve nas salas, mas comprei-o em DVD nestes dias, quando saiu com o jornal. Não perdi nada ao perdê-lo no cinema, mas ainda assim, é um filme nobre e razoável, onde se relata a subida de dois homens ao auge da fama e, posteriormente, a respectiva descida aos infernos dos dois. A fama e o dinheiro fazem muito mal a certas pessoas e o filme comprova isso, nos dando uma grande lição de vida, devido aos destinos dos dois protagonistas. Gostei de o ver, mas repito, nada de especial. Classificação : 2.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

The Kid With A Bike

Titulo Inglês : “The Kid With A Bike”
Ano : 2011
Duração : 86 minutos
Género : Drama
Realização : Jean Pierre Dardenne/Luc Dardenne
Elenco : Thomas Doret (Cyril), Cecile De France (Samantha), Jeremie Renier (Guy)
História : Cyril é um menino que vive num centro de acolhimento, porque o pai o abandonou e não quer saber dele para nada. Um dia, ele conhece Samantha e pede-lhe que ela fique com ele e cuide dele. No entanto, as coisas não correm como era suposto e a rebeldia de Cyril fala mais alto.

Comentário : Gosto do cinema destes realizadores, sendo “The Child – A Criança” o meu filme preferido deles. Este novo filme não é tão bom quanto o referido anteriormente, mas é igualmente um belo filme. Não houve um cuidado em estabelecer regras em relação a prazos das ações, por exemplo, o menino faz o que quer e volta sempre para Samantha, como se não houvesse as obvias decisões do tribunal. Depois do que ele fez, era normal que regressasse ao centro de acolhimento e tão depressa não fosse para outra familia. Fora isso, é um filme razoável, boas interpretações, uma boa fotografia e uma história simples. Um último reparo para o facto do menino mudar muito depressa de atitudes, sem existir o tal tempo de reflexão ou tomada de medidas, mas nada que prejudique o trabalho final. Classificação : 3.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Gran Torino

Titulo Inglês : “Gran Torino”
Ano : 2008
Duração : 119 minutos
Género : Drama
Realização : Clint Eastwood
Elenco : Clint Eastwood (Walt), Ahney Her (Sue), Bee Vang (Thao), Christopher Carley (Janovich), Dreama Walker (Ashley), Geraldine Hughes (Karen)
História : Walt é um antigo combatente da guerra da Coreia e guarda na sua garagem um carro Gran Torino de 1972. Um dia, Walt salva um menino chamado Thao de um gang e passa a ser visto como um herói lá no bairro.
Comentário : Trata-se do último filme de Clint Eastwood enquanto ator e um dos melhores filmes de 2008. A interpretação de Clint Eastwood é excelente, mas isso já não é de admirar e a relação que se cria entre ele e os restantes personagens é o ponto mais alto do filme. Apesar de algumas pessoas terem criticado a morte do personagem principal, quem esteve realmente atento ao filme, irá facilmente entender qual o significado. Destaque para a bonita Ahney Her que conquistou muitos gostos devido à sua simpatia. O filme tem situações engraçadas com aquela quando Walt leva Thao ao barbeiro ou as conversas entre Walt e o padre. Um dos melhores filmes do grande mestre Clint Eastwood. Classificação : 4.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

The Descent

Titulo Inglês : “The Descent”
Ano : 2005
Duração : 96 minutos
Género : Terror
Realização : Neil Marshall
Elenco : Shauna Macdonald (Sarah), Natalie Mendoza (Juno), Alex Reid (Beth), Saskia Mulder (Rebecca), Myanna Buring (Sam), Nora Jane Noone (Holly), Oliver Milburn (Paul), Molly Kayll (Jessica)
História : Passou um ano desde que Sarah viu a filha menor e o marido falecerem, vitimas de um acidente de carro que quase a matou a ela também. Na actualidade, Sarah reune cinco amigas e, juntas, embarcam numa aventura por dentro de várias cavernas e grutas que nunca foram exploradas. No entanto, quando as rochas cedem, elas ficam presas no interior da gruta, aparentemente sem qualquer saída.
Comentário : Vi este filme e continuo sem entender o alarido e o sucesso que ele gerou. É um filme mediano, a roçar o fraco, com cenas descabidas e erros de argumento. Não vou aqui enumerar esses erros, apenas quero aqui dizer que os pontos altos do filme é o constante clima claustrofóbico em que ele nos coloca, e são algumas cenas que parecem reais, de tão bem filmadas que estão. De resto, é coisa vista em muitos filmes. Um último destaque para as interpretações das 6 meninas, credíveis. Classificação : 2.

Quiet Chaos

Titulo Inglês : “Quiet Chaos”
Ano : 2008
Duração : 110 minutos
Género : Drama
Realização : Antonello Grimaldi
Elenco : Nanni Moretti (Pietro), Blu Yoshimi (Claudia), Alessandro Gassman (Carlo), Valeria Golino (Marta), Isabella Ferrari (Eleonora), Kasia Smutniak (Jolanda), Roman Polanski (Steiner), Manuela Morabito (Maria)
História : Após a morte da esposa, Pietro decide mudar a sua vida por completo. Ele leva a filha à escola todas as manhãs, passa o dia todo no jardim frente à escola da filha, onde fica sentado num banco, fala com quem passa, lê, vai ao café e começa a relacionar-se com as pessoas que frequentam diariamente aquele jardim. No final do dia, vai buscar a filha à escola e regressa a casa.
Comentário : Trata-se do meu filme italiano preferido. Uma obra que desta vez não tem Nanni Moretti como realizador, mas sim como ator. É um drama familiar que relata a relação de um pai com a sua filha criança. É um pai viuvo que tem que ser pai e mãe ao mesmo tempo, cuidar e proteger a filha e dar-lhe um futuro melhor. Brilhante a cena quando a filha lhe pede a prenda que quer receber do pai. Excelentes interpretações, excelente fotografia, uma boa banda sonora e até temos direito a uma breve participação do realizador Roman Polanski. Uma obra única. Classificação : 5.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Antichrist

Titulo Inglês : “Antichrist”
Ano : 2009
Duração : 105 minutos
Género : Terror
Realização : Lars Von Trier
Elenco : Willem Dafoe (he), Charlotte Gainsbourg (she)
História : Após a trágica morte do filho de ambos, um casal abandona a casa e vai morar para uma cabana no meio de um bosque. Quando se pensava que iam encontrar conforto e paz para tentar aliviar o sofrimento, as coisas não correm como previsto e a loucura invade o quotidiano de ambos.
Comentário : O cinema de Lars Von Trier é assim, ou se gosta ou se detesta. Eu gosto, mas existem filmes do realizador que eu gosto mais que outros. Este “Antichrist” é um filme razoável, embora não chegue aos calcanhares de obras como “Dogville” ou “Melancholia”. É um filme cru e duro, com algumas cenas muito fortes, como por exemplo, a tão falada cena de mutilação genital feminina. É um filme muito diferente de tudo o que já vimos. No entanto, o ponto mais alto do filme são as brilhantes interpretações do veterano Willem Dafoe e da bonita Charlotte Gainsbourg. Não aconselhável a pessoas sensíveis, é um filme que, apesar de razoável, não nos diz nada. Classificação : 2.

domingo, 11 de dezembro de 2011

The Salt Of Life

Titulo Inglês : “The Salt Of Life”
Ano : 2011
Duração : 88 minutos
Género : Drama
Realização : Gianni Di Gregorio
Elenco : Gianni Di Gregorio (Gianni), Valeria De Franciscis (madre), Valeria Cavalli (Valeria), Aylin Prandi (Aylin), Kristina Cepraga (Kristina), Teresa Di Gregorio (Teresinha), Lilia Silvi (Lilia), Gabriella Sborgi (Gabriella), Laura Squizzato (Laura), Silvia Squizzato (Silvia), Michelangelo Ciminale (Michelangelo)
História : Gianni é um homem na casa dos cinquenta anos, reformado, que passa os dias a fazer favores à esposa, à filha adolescente, à mãe e a uma jovem vizinha. Um dia, um amigo diz-lhe que ele já não liga a mulheres e ele decide alterar isso.
Comentário : Depois de “Mid August Lunch”, Gianni Di Gregorio regressa e realiza o seu segundo filme. Trata-se de um filme bom, embora não esteja ao nivel do primeiro. Realmente, Gianni é um senhor em tudo e neste segundo filme, foca-se a relação dele com as mulheres que rondam a sua vida. Desde a peculiar relação com a vizinha, passando pela relação com uma antiga amiga cantora de fado e terminando num antigo amor. Confesso que gosto muito dos dois filmes, mas continuo a preferir o primeiro. Ainda assim, “The Salt Of Life” ou “Gianni E Le Donne” é do melhor que se faz em cinema italiano. Um hino à vida. Classificação : 3.

Mid August Lunch

Titulo Inglês : “Mid August Lunch”
Ano : 2008
Duração : 75 minutos
Género : Drama
Realização : Gianni Di Gregorio
Elenco : Valeria De Franciscis (madre), Gianni Di Gregorio (Gianni), Marina Cacciotti (Marina), Maria Cali (Maria), Grazia Cesarini Sforza (Grazia), Alfonso Santagata (Alfonso), Luigi Marchetti (Vichingo)
História : Gianni é um solteirão na casa dos cinquenta que mora com a mãe num modesto apartamento. No feriado de 15 de Agosto todas as lojas estão fechadas. No dia anterior, Gianni aceita fazer dois favores a dois conhecidos e acaba por passar dois dias com quatro idosas no seu apartamento, incuindo a sua mãe.
Comentário : O ator estreia-se muito tarde na função de realizador (aos 60 anos), mas saiu-se muito bem com este pequeno filme que é super hilariante. Confesso que não me importava de estar naquela mesa a almoçar com Gianni e com as quatro idosas. O próprio Gianni desempenha um homem que é um mar de simpatia, todas as mães deviam ter um filho assim. Adorei aquela parte em que, de madrugada, Marina e Gianni conversam no sofá e ela tenta convencê-lo a ficar com ela a falar. É um filme italiano, ou seja, é cinema do mundo e eu adoro esse tipo de cinema. Destaque ainda para a qualidade das interpretações, parece que é tudo verdade, que está realmente a acontecer. Bem merecidos todos os prémios que auferiu nos respectivos festivais. Classificação : 4.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

My Grandmother's House

Titulo Inglês : “My Grandmother's House”
Ano : 2005
Duração : 81 minutos
Género : Drama
Realização : Adan Aliaga
Elenco : Marita Fuentes (Marita), Marina Pastor (Marina) Miguel Such (Mendigo)
História : Marina é uma menina de seis anos muito esperta que gosta de viver em casa da sua avó. A avó, por seu lado, vive naquela casa à 52 anos e recebeu uma notificação na qual ela terá que abandonar o lar porque este vai ser demolido. Apesar de viver na mais completa miséria e mesmo sabendo que vai para uma casa muito melhor, Marita sente pena de sair daquela casa onde ela passou grande parte da sua vida. Mas para Marina, que tem como animais de estimação ratos, isso é irelevante.
Comentário : Trata-se de um filme muito premiado, vi-o pela primeira vez no Canal Odisseia, pois trata-se de uma fusão de dois géneros, o drama e o documentário. O filme está muito bom, retrata a crueldade da vida e a realidade de certas familias. Gostei do filme e posso afirmar que se deviam fazer mais filmes deste tipo, que esclareçam situações da vida das pessoas. A avó da menina representa frente às cameras e até parece que não está ninguém a filmá-la, tal não é a naturalidade com que o faz. A menina também segue o mesmo caminho, impecável, faz ver a muitas crianças que representam. A vida é assim, dura e real. Classificação : 4.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Drive

Titulo Inglês : “Drive”
Ano : 2011
Duração : 100 minutos
Género : Thriller
Realização : Nicolas Winding Refn
Elenco : Ryan Gosling (driver), Carey Mulligan (Irene), Bryan Cranston (Shannon), Albert Brooks (Bernie), Christina Hendricks (Blanche), Ron Perlman (Nino)
História : Esta é a história de um homem diferente dos demais, um homem que tem vários biscates e faz disso a sua vida, um homem que tem dois lados, um homem que não tem familia, alguém que não tem nada a perder e que está disposto a tudo para proteger a mulher que ama, mesmo que a tenha conhecido à pouco tempo. No entanto, a vida troca-lhe as voltas e ele vê-se forçado a libertar o seu lado mais negro e mau.
Comentário : Trata-se de um dos melhores filmes que vi ultimamente e já é uma das melhores surpresas do ano. Ryan Gosling prova mais uma vez porque razão é que é um dos meus atores preferidos e a fôfa Carey Mulligan, apesar de estar com o cabelo curto, prova que é a melhor atriz da sua jovem geração. Também gostei de ver o espectacular Ron Perlman, este senhor é um deus da representação. “Drive” é um excelente filme, recheado de boas interpretações, uma banda sonora potente, uma eximia fotografia e violência a rodos, tudo para surpreender o espectador mais sensível. Não aconselho este filme a pessoas mais sensiveis, porque tem cenas muito fortes. Não é um filme que deixe um simples espectador satisfeito após sair da sala de cinema, mas para todos aqueles cinéfilos que gostem de ser surpreendidos e que gostam de cinema da velha guarda, este é um excelente objecto. Ainda bem que eu o fui ver ao cinema, foi uma ótima experiência. Classificação : 5.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

The Wackness

Titulo Inglês : “The Wackness”
Ano : 2008
Duração : 99 minutos
Género : Drama
Realização : Jonathan Levine
Elenco : Ben Kingsley (Squires), Josh Peck (Luke), Olivia Thirlby (Stephanie), Mary Kate Olsen (Union), Famke Janssen (Mrs. Squires)
História : No verão de 1994, encontramos um jovem chamado Luke que anda num psiquiatra e que tem problemas com os pais. Para agravar a situação, vende droga para comprar as suas coisas. Quando conhece a filha do seu médico, a jovem Stephanie, Luke apaixona-se pela primeira vez e julga que será muito feliz. No entanto, as intenções e objectivos dela não são iguais aos dele.
Comentário : Apesar de ser um filme de 2008, só o consegui ver esta semana e gostei. Um filme simples que aborda temas complicados como a toxicodependência, o amor não correspondido, a virgindade e os dramas familiares. Luke é um jovem simpático, responsável e de bom coração que teve o azar de escolher para sua primeira paixão uma pessoa que não o ama e muito sofrerá com isso. As consultas entre ele e o seu médico são um dos pontos altos do filme, e o sempre excelente Ben Kingsley está mais uma vez de parabéns. A atriz Famke Janssen não aquece nem arrefece, porque tem no filme talvez a pior interpretação da sua carreira. A jovem Mary Kate Olsen consegue surpreender mais uma vez com a originalidade de mais uma personagem. É um filme simples, mas com uma grande mensagem. Classificação : 3.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

The Skin I Live In

Titulo Inglês : “The Skin I Live In”
Ano : 2011
Duração : 120 minutos
Género : Thriller
Realização : Pedro Almodovar
Elenco : Antonio Banderas (Robert), Elena Anaya (Vera), Marisa Paredes (Marilia), Jan Cornet (Vicente), Blanca Suarez (Norma), Roberto Alamo (Zeca)
História : Robert é um excelente cirurgião cuja a esposa sofreu um grave acidente ficando gravemente queimada. Após o suicidio da esposa, Robert fica viciado em criar um tipo de pele que seja resistente a vários factores. Quando a filha é violada, Robert tem a sua grande chance de por em prática o que sabe.
Comentário : Confesso que não sou apreciador do cinema deste realizador, mas gostei deste filme. O único filme que eu tinha gostado dele foi o “Áta-me”. O filme tem o grandioso Antonio Banderas que tem mais uma excelente interpretação. Gostei também de ver a atriz Elena Anaya, muito bonita e talentosa. Achei completamente ridicula toda a cena do personagem do tigre, e dei-me por mim a perguntar no cinema : “Mas o quê que é isto?”. Brilhante foi o twist que acontece a meio do filme com uma personagem masculina. Ver este novo filme de Pedro Almodovar numa sala de cinema foi uma boa experiência para mim, porque pensava que ia sair a meio da projeção mas, em vez disso, gostei de lá estar e de ver o filme até ao fim. O fim do filme era precisamente aquilo que eu estava à espera. Uma agradável surpresa. Classificação : 4.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Rubber

Titulo Inglês : “Rubber”
Ano : 2010
Duração : 80 minutos
Género : Terror
Realização : Quentin Dupieux
Elenco : Roxane Mesquida (Sheila), Hayley Holmes (Cindy), Haley Ramm (Fiona), Daniel Quinn (dad), Devin Brochu (son)
História : Por razão nenhuma, no meio de uma lixeira, um pneu ganha vida e segue pela estrada fora. Enquanto segue o seu caminho, matando tudo o que se atravessa no seu caminho, o pneu é observado por um grupo de gente. O problema é que o pneu assassino tem poderes psíquicos.
Comentário : É o filme mais original que eu vi este ano. Foi necessário uma mente igualmente original para criar este filme e escrever o argumento. Trata-se de um filme de baixo orçamento e independente que nos conta a história de um pneu assassino que se apaixona por uma rapariga e a observa por onde ela anda, até quando a moça toma banho. O final do filme é brutalmente original, tal como tudo o que acontece durante os 75 minutos de projeção. Um verdadeiro achado. Escusado será dizer que adorei o filme. Classificação : 4.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Miral

Titulo Inglês : “Miral”
Ano : 2010
Duração : 110 minutos
Género : Drama
Realização : Julian Schnabel
Elenco : Freida Pinto (Miral), Vanessa Redgrave (Bertha), Willem Dafoe (Eddie), Hiam Abbass (Hind), Alexander Siddig (Jamal), Yasmine Elmasri (Nadia)
História : Jerusalém, 1948, Hind vai a caminho do trabalho quando se depara com 55 meninas órfãs na rua e decide levá-las para uma casa, que mais tarde, transforma em lar de acolhimento para elas e dá-lhes todas as bases. 6 meses depois, o número de crianças aumentam e assim nasce o instituto Dar Al Tifel. Jamal casa-se com Nadia que já vai grávida e decide assumir a paternidade da menina, que se passa a chamar Miral. Esta, por sua vez, ingressa na escola de Hind e assim começa a história de Miral. Cedo, ela desperta para a eterna guerra entre palestinianos e isrealitas.
Comentário : Este é um dos 50 melhores filmes que vi no ano de 2011. Trata-se de um filme muito realista e que mostra a dura realidade de um país dividido em duas partes. É um conflito que fez muitas vitimas e gerou muita guerra. “Miral” é um filme que retrata na perfeição uma história veridica, a história verdadeira daquele país. E a jovem Miral está no meio daquilo tudo e apenas espera ter um país livre e pacifico. Freida Pinto é o expoente máximo do filme, a jovem é linda e é igualmente uma excelente atriz. Destaque ainda para a grande mulher que foi Hind Husseini. Todo o elenco teve boas interpretações e a recriação de época está perfeita. Classificação : 5.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Melancholia

Titulo Inglês : “Melancholia”
Ano : 2011
Duração : 140 minutos
Género : Drama
Realização : Lars Von Trier
Elenco : Kirsten Dunst (Justine), Charlotte Gainsbourg (Claire), Charlotte Rampling (Gaby), Alexander Skarsgard (Michael), John Hurt (Dexter), Brady Corbet (Tim), Stellan Skarsgard (Jack), Kiefer Sutherland (John), Cameron Spurr (Leo)
História : Justine e Michael casam-se numa linda cerimónia em familia e, nesse mesmo dia, um planeta desconhecido entra em rota de colisão com o planeta Terra. Claire, irmã de Justine, dá o seu melhor para que ela se cure da sua depressão, mas isso talvez não a ajude. Será que o fim do mundo está para breve ?
Comentário : Gosto do cinema do polémico Lars Von Trier, gostei de filmes como “Dogville”, “Antichrist” e “Breaking The Weaves”. Este cineasta é muito polémico nas suas afirmações e até já foi banido em um festival de cinema. Mas não podemos confundir a maneira de ser do realizador com os magnificos filmes que faz. “Melancholia” é mais um filme diferente e muito bem realizado, desde a poderosa interpretação de Kirsten Dunst, passando pelos espectaculares efeitos especiais e pela banda sonora e acabando na fotografia. É um excelente trabalho a todos os niveis. Certamente é um filme que não irá agradar a grande parte do publico, pois grande parte dele quer é filmes pipoca, mas eu adorei ver “Melancholia” numa sala de cinema. Deu para sentir a empatia entre as personagens de Dunst e Gainsbourg e a primeira representou na perfeição uma jovem em depressão. Conheço a carreira da bonita Kirsten Dunst e posso afirmar que foi neste filme que ela teve a sua melhor interpretação. “Melancholia” é cinema em estado puro, disso não resta dúvidas. Classificação : 5.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Without Name

Titulo Inglês : “Without Name”
Ano : 2009
Duração : 96 minutos
Género : Drama
Realização : Cary Fukunaga
Elenco : Paulina Gaitan (Sayra), Edgar Flores (Willy), Diana Garcia (Martha), Kristian Ferrer (Smiley), Tenoch Huerta (Lil)
História : Sayra é uma adolescente que decide fugir com uns familiares, incluindo o seu pai, num comboio rumo à fronteira para chegar à América, a fim de se tornar livre. Willy é um criminoso que trabalha para um bando de perigosos assassinos e que, após o seu lider lhe matar a namorada, opta por continuar a seguir o lider do grupo no mesmo comboio onde está Sayra e a familia. Mas, quando Willy decide acabar com o seu inferno e tornar-se amigo da jovem, começa rapidamente outro inferno, bem pior do que o anterior e todos serão fortemente afectados com isso.
Comentário : Trata-se de um filme que aborda o lado mais negro e cru da emigração, bem como todas as suas consequências. Será pelas personagens de Sayra e Willy que este drama será contado, automaticamente, após travarem amizade, os dois passam-se a preocupar um com o outro e com os seus destinos. O filme mostra ainda a violência existente nesses grupos de assassinos que não perdoam nada. Tecnicamente, o filme está muito bom, a mensagem passa com clareza e todos tiveram boas interpretações, com destaque para a jovem Paulina Gaitan que, depois do magnifico “Trade”, tem aqui mais uma boa prestação. Um filme independente a não esquecer. Classificação : 4.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Hard Candy

Titulo Inglês : “Hard Candy”
Ano : 2005
Duração : 103 minutos
Género : Thriller
Realização : David Slade
Elenco : Ellen Page (Hayley), Patrick Wilson (Jeff), Sandra Oh (Judy)
História : Jeff é um homem na casa dos 35 anos de idade que é fotógrafo e sempre gostou de conviver com adolescentes ou com mulheres novas. Após semanas a teclar na internet com uma adolescente, os dois marcam um encontro num café e ele desconhece que a jovem (Hayley) tem um plano especial para colocar em prática durante o dia que se avizinha. Chegou a altura do capuchinho vermelho caçar o lobo mau.
Comentário : Um filme que é impróprio para os homens. Ellen Page fez um excelente trabalho de interpretação no papel de uma jovem de 14 anos que está prestes a ser vitima de um abusador de menores, mas consegue inverter o jogo e passa a ser esse pedófilo a vitima desse mesmo jogo. Trata-se de um filme completamente diferente de tudo o que já vi, em que qualquer homem fica com os nervos à flor da pele devido às torturas que a jovem aplica ao tarado e devido à famosa e morosa sequência em que a miúda serve-se dos seus conhecimentos médicos para castrar cirurgicamente o pedófilo com este acordado e a dar conta de todos os procedimentos. Já vi o filme à alguns anos no cinema e, na sala onde eu estava, dois homens abandonaram a mesma durante a projeção. Um filme impressionante e onde o ponto mais forte é o facto de ser pior aquilo que não se vê do que aquilo que se vê. Espantosa Ellen Page num filme em que mostra qual o castigo que os pedófilos deviam de ter, todos eles. Classificação : 5.

The Hottest State

Titulo Inglês : “The Hottest State”
Ano : 2006
Duração : 120 minutos
Género : Drama/Romance
Realização : Ethan Hawke
Elenco : Catalina Sandino Moreno (Sarah), Mark Webber (William), Laura Linney (Jesse), Sonia Braga (Mrs. Garcia), Michelle Williams (Samantha)
História : William é um jovem que viveu com a mãe e cujo pai o abandonou quando ele tinha oito anos de idade. Um dia, ele conhece uma linda jovem chamada Sarah e apaixona-se por ela, apesar dela não sentir nada por ele. Os dois iniciam uma relação, mas as coisas no amor nunca são fáceis.
Comentário : O filme tem o titulo que tem, devido ao facto do estado mais quente dos EUA ser precisamente o Texas e é onde se passa metade da ação do filme. Trata-se de um filme independente que aborda o tema do amor, mas neste caso, o amor é sentido apenas por uma das partes. Catalina Sandino Moreno representa no filme uma jovem muito bonita e muito decisiva que sabe muito bem o que pretende da vida e essas intenções não passam por casar e ter filhos e, muito menos, ter um namorado. É um filme realizado pelo ator Ethan Hawke, que tem na sua maioria filmes independentes. É um filme singelo e bonito, simples e esclarecedor que nos dá muito. Classificação : 3.

sábado, 26 de novembro de 2011

We Have A Pope

Titulo Inglês : “We Have A Pope”
Ano : 2011
Duração : 101 minutos
Género : Drama
Realização : Nanni Moretti
Elenco : Michel Piccoli (Pope), Renato Scarpa (Gregori), Nanni Moretti (psicoanalista)
História : No Vaticano, acaba de falecer um Papa. Dias depois, todos os cardeais se tornam a juntar para fazerem um conclave e apurar quem é o novo Pontifice. Quando esse novo Papa é escolhido por votação, tudo parece estar a correr bem. No entanto, fica tudo mal, quando o novo Papa é vitima de uma depressão e consegue fugir do retiro papal. Já nada é o que era no Vaticano.
Comentário : Confesso que gosto dos filmes deste realizador e até simpatizo com a sua pessoa. Quanto ao filme, confesso que é bom, mas o realizador não conseguiu obter o resultado que conseguira em outros filmes. Ainda assim, trata-se de algo inédito, nunca antes foi feito um filme que nos desse esta perspectiva do interior do Vaticano e muito menos nos foi dada a visão de um Papa em depressão. A interpretação do ator Michel Piccoli é o ponto mais alto da pelicula, há ternura nas suas expressões. Pessoalmente, desconhecia que os cardeais praticavam desporto no interior das instalações religiosas. Muito engraçada a possibilidade do Papa andar a passear no meio de toda a gente e a andar de transportes como um comum cidadão como se nada fosse. Um filme curioso e, por vezes, divertido. Classificação : 3.

Offside

Titulo Inglês : “Offside”
Ano : 2006
Duração : 90 minutos
Género : Comédia Dramática
Realização : Jafar Panahi
Elenco : Sima Mobarak Shahi, Shayesteh Irani, Ayda Sadeqi, Golnaz Farmani, Mahnaz Zabihi, Nazanin Sediq Zadeh
História : No Irão, sempre que já jogos de futebol em estádios, as mulheres são sempre impedidas de irem assistir aos jogos. No entanto e para ultrapassar essa situação, algumas vestem-se de homens e pintam-se de fans, tudo para poderem escapar aos olhos da policia de costumes e assistirem ao desejável jogo.
Comentário : Este realizador iraniano é muito polémico e até já esteve preso algumas vezes. Actualmente, está proibido de realizar filmes, mas mesmo assim, continua a fazer o seu trabalho. O filme “Offside” é um bom filme, está bem realizado, tem interpretações muito boas, é filmado em estilo quase documental com a camera sempre em cima dos atores e o realizador soube passar na perfeição a ideia do inferno que passam as mulheres no seu país. A parte da comédia vem todinha de dois soldados que passam 90% do filme com as raparigas corajosas. Deviam ter dado mais atenção à primeira rapariga, aquela que compra o poster e uma nota alta para o facto do amor ao futebol ter sido retratado na perfeição. Um achado. Classificação : 4.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Tuesday After Christmas

Titulo Inglês : “Tuesday After Christmas”
Ano : 2010
Duração : 100 minutos
Género : Drama
Realização : Radu Muntean
Elenco : Mimi Branescu (Paul), Mirela Oprisor (Adriana), Sasa Paul Szel (Mara), Maria Popistasu (Raluca), Dragos Bucur (Cristi)
História : Paul é um homem casado com uma mulher chamada Adriana e os dois têm uma filha pequena chamada Mara. No entanto, Paul tem um caso com uma mulher chamada Raluca, que por acaso é a dentista da sua filha. Quando Adriana descobre que o marido a anda a trair, todos terão que refletir e decidir que rumo dar às suas vidas.
Comentário : O tema das relações extra conjugais já foi abordado pelo cinema inúmeras vezes e esta não foge à regra. O filme abre logo com uma cena que dispensa qualquer comentário, com um homem na cama a fazer caricias a uma mulher, que depois ficamos a saber que se trata da sua amante. Penso que o realizador focou bem as reações das pessoas que lidam com estas situações. O homem é um escroque que não respeita a esposa e muito menos a filha pequena e trai a familia com uma mulher que, sabendo que está a proceder mal, deixa a situação avançar. O final da história só podia ser este : a separação. Um curioso filme de lingua não inglesa que funcionou na perfeição e com o qual podemos assistir à podridão da mente dos homens. Classificação : 4.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

O Estranho Caso De Angélica


Titulo Inglês : “The Strange Case Of Angelica”
Ano : 2010
Duração : 94 minutos
Género : Drama/Fantasia
Realização : Manoel de Oliveira
Elenco : Pilar Lopez de Ayala (Angélica), Ricardo Trepa (Isaac), Adelaide Teixeira (Justina), Sofia de Portugal (enfermeira), Luis Miguel Cintra (engenheiro), Leonor Silveira (mãe), Ricardo Aibéo (mendigo)
História : Isaac é um estranho fotógrafo que gosta de fotografar qualquer coisa, principalmente coisas antigas. Um dia, é chamado para fotografar uma mulher que morreu muito nova. Numa noite chuvosa, lá vai ele fazer o seu trabalho. Quando ele posiciona a camara na morta, esta começa a sorrir para ele. A partir desse dia, a defunta passa-lhe a aparecer em sonhos e em todo o lado.
Comentário : Foi o primeiro filme português que eu vi com efeitos especiais que, não sendo nada de especial, vindo da camara de quem veio, devo dizer que estão muito bons.  Os meus  filmes portugueses preferidos são “A Passagem da Noite” e “Embargo”.  É uma fábula sobre o Amor e o realizador presta-lhe com o filme uma justa homenagem. Curioso aquele plano em que aparece o gato a olhar para o pássaro na gaiola durante vários minutos sem nunca olhar para a camara do realizador, foi como se o mestre não estivesse ali. Manoel de Oliveira tinha 101 anos de idade quando filmou este filme e isso é louvável. Penso que este filme devia ter concorrido para os óscars, em vez do filme documentário “José e Pilar”, mas isso são outros assuntos. “O Estranho Caso de Angélica” é um filme muito bom, um achado nacional. Classificação : 4.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Dragonfly


Titulo Inglês : “Dragonfly”
Ano : 2002
Duração : 102 minutos
Género : Drama
Realização : Tom Shadyac
Elenco : Kevin Costner (Joe), Susanna Thompson (Emily), Kathy Bates (Mrs. Belmont), Peter Hansen (Phillip)
História : Joe é um conceituado médico que vê a sua vida virada do avesso, quando a esposa desaparece durante um acidente de autocarro, quando estava na floresta a ajudar crianças. Desde esse desaparecimento, que Joe sente a presença de Emily e a situação piora quando os meninos doentes da sua esposa começam a dizer-lhe que sonham com Emily e com um estranho arco-iris. Joe tudo fará para descobrir a verdade.
Comentário : Considerado por muitos como um filme fraco, confesso que não é do melhor de Kevin Costner, mas também não é um mau filme. Eu gostei do filme. A interpretação de Kevin Costner não é nada de especial, mas chega a cativar em alguns momentos. A banda sonora é boa, a história é o ponto mais alto da pelicula, muito boa. Gostei muito da interpretação da veterana Kathy Bates, esta senhora nunca desilude. O filme é dramático e isso fica bem evidente. Destaque para o espectacular final, que compensa tudo o resto e a banalidade do filme. Classificação : 3.

sábado, 12 de novembro de 2011

Restless

Titulo Inglês : “Restless”
Ano : 2011
Duração : 90 minutos
Género : Drama
Realização : Gus Van Sant
Elenco : Mia Wasikowska (Annabel), Henry Hopper (Enoch), Ryo Kase (Hiroshi)
História : A jovem Annabel é uma rapariga que padece de um cancro no cérebro e que tem uns 3 ou 4 meses de vida pela frente. Enouch é um jovem problemático que tem o costume de ir a funerais de desconhecidos, não vai à escola e fala com um fantasma suicida. Em mais um funeral, os dois se encontram e o amor nasce entre eles. Doravante, as coisas não voltarão a ser como eram.
Comentário : Gus Van Sant, na minha opinião é um dos melhores realizadores da actualidade, apesar de já realizar filmes desde os anos 70. Adoro o estilo do seu cinema, bem como a sua maneira de filmar as pessoas e as situações. Ao contrário do filme “50/50”, este “Restless” não leva a situação para o lado cómico, mas para o drama real em que estes doentes vivem, devido à doença. É uma pelicula realista, mas ao mesmo tempo deliciosa que nos obriga a mergulhar a fundo no cerne do problema. Mia Wasikowska prova mais uma vez que é uma boa actriz, de resto do elenco não há mais nada a assinalar. É um filme muito bom, que nos leva a pensar na vida que temos, nos ensina a dar valor às pequenas coisas e a reparar nos promenores. Uma verdadeira lição de vida. Classificação : 4.

50/50

Titulo Inglês : “Fifty/Fifty”
Ano : 2011
Duração : 99 minutos
Género : Comédia Dramática
Realização : Jonathan Levine
Elenco : Joseph Gordon Levitt (Adam), Anna Kendrick (Katherine), Anjelica Huston (Diane), Serge Houde (Richard), Seth Rogen (Kyle), Philip Baker Hall (Alan)
História : Adam é um rapaz saudável que leva uma vida igualmente saudável e tem um bom amigo e uma namorada aparentemente companheira. Um dia, quando faz uns exames, é descoberto um cancro raro na coluna. Agora, ele terá que averiguar quem é verdadeiramente seu amigo e em que pessoas pode contar.
Comentário : Uma lufada de ar fresco no género do cinema independente, uma mistura de comédia com drama que funciona na perfeição. O grupo de actores funcionou lindamente, principalmente o jovem Joseph Gordon Levitt que desempenhou na perfeição um doente com cancro. O actor Seth Rogen que está mais habituado a fazer filmes de comédia, safou-se bem neste registo dramático. Gostei muito do desempenho da veterana Anjelica Huston, esta senhora é um espectáculo. Gostei do filme, no entanto, penso que aquilo em que falhou foi o facto de levar para a brincadeira uma situação que não é para brincadeiras, um cancro é um cancro, é uma das piores doenças que existem e não é motivo para risos ou para gozos. No entanto, me emocionei com o optimismo do protagonista. Classificação : 3.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Innocence

Titulo Inglês : “Innocence”
Ano : 2004
Duração : 121 minutos
Género : Drama
Realização : Lucile Hadzihalilovic
Elenco : Marion Cotillard (Eva), Helene De Fougerolles (Edith), Zoe Auclair (Iris), Lea Bridarolli (Alice), Berangere Haubruge (Bianca), Olga Peytavi Muller (Laura), Alisson Lalieux (Selma), Ana Palomo Diaz (Nadja), Astrid Homme (Rose), Josephine Van Wambeke (Vera), Johanna Surbier (Fanny)
História : No meio de uma imensa e densa floresta, existe um internato para meninas com idades compreendidas entre os 6 e os 12 anos de idade. Esse internato está cercado por uma grande muralha onde supostamente apenas deve ter uma única porta. Bianca é a menina mais velha e apresenta, Iris, a recém chegada às outras meninas. Iris é então apresentada a um mundo novo para ela, cheio de passagens secretas, caminhos iluminados por lanternas e muito conforto. Os únicos adultos do internato são os tutores das meninas e os empregados.
Comentário : Um filme diferente de tudo o que vi até hoje. É cinema do mundo no seu melhor. A realização é muito boa, excelentes interpretações das meninas, uma fotografia impecável, um bom argumento, todos estes factores culminam numa obra singular, onde o mistério e o drama caminham de mãos dadas. Neste filme, as prestações das meninas são a alma do filme, que tem ainda um maravilhoso final. Classificação : 5.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

I Spit On Your Grave

Titulo Inglês : “I Spit On Your Grave"
Ano : 2010
Duração : 110 minutos
Género : Terror
Realização : Steven R. Monroe
Elenco : Sarah Butler (Jennifer), Jeff Branson (Johnny), Daniel Franzese (Stanley), Andrew Howard (Storch), Rodney Eastman (Andy), Chad Lindberg (Matthew)
História : Jennifer é uma linda jovem que acaba de chegar a uma localidade nova e a uma nova casa. No entanto, ela é vitima de um grupo de cinco homens que a espancam, torturam-na e a violam de forma selvática. Quando se recompõe, a jovem Jennifer só tem um plano em mente : a vingança.
Comentário : Trata-se de um filme extremamente violento, cheio de gore e instintos de malvadez muito acentuados. No centro da trama, está uma jovem que teve o azar de ir parar ao sitio errado e de apanhar com gente da pior espécie. Depois temos um grupo de homens, ou diria, animais, que não possuem qualquer tipo de sentimentos, um deles até é casado e tem uma filha pequena. O filme serve para mostrar até que ponto vai a maldade humana que insiste sempre em maltratar os mais fracos e não mostram qualquer tipo de sentimento e respeito pelos seus semelhantes. Destaque para a forma como Jennifer se vinga e mata os seus agressores, confesso que certos homens mereciam aquele tratamento. Classficação : 4.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Dark Water

Titulo Inglês : “Dark Water”
Ano : 2005
Duração : 106 minutos
Género : Terror
Realização : Walter Salles
Elenco : Jennifer Connelly (Dahlia), Ariel Gade (Ceci), Tim Roth (Jeff), Dougray Scott (Kyle), Perla Haney Jardine (Natasha), Pete Postlethwaite (Veeck)
História : Uma mãe solteira (Dahlia) vai morar com a filha pequena (Ceci) para um velho prédio e, dias depois, começam a acontecer coisas fora do normal. Dahlia apercebe-se que esses acontecimentos podem estar relacionados com o último andar e com uma menina chamada Natasha, com quem a sua filha está sempre a falar. Sozinha, Dahlia terá que descobrir o que se passa, sem a ajuda de ninguém.
Comentário : Trata-se de um razoável filme de terror, nada de muito grandioso como, por exemplo, “The Ring” ou “Saw”, mas ainda assim um filme de terror agradável de se ver e com um final verdadeiramente espectacular. A fotografia e a história são muito boas. O destaque vai para a atriz Jennifer Connely, que tem aqui uma boa prestação e um último reparo para o excelente ator veterano Pete Postlethwaite, falecido recentemente. Classificação : 3.

domingo, 6 de novembro de 2011

Bella

Titulo Inglês : “Bella”
Ano : 2006
Duração : 92 minutos
Género : Drama
Realização : Alejandro Monteverde
Elenco : Eduardo Verastegui (Jose), Tammy Blanchard (Nina), Manny Perez (Manny), Sophie Nyweide (Bella), Alexa Gerasimovich (Lucinda)
História : Nina é uma jovem camareira que vive na bonita cidade de New York, que está grávida e cuja criança não tem pai. Nina perde o emprego e luta contra a opção de abortar o filho. Enquanto isso, torna-se amiga de um empregado de um restaurante chamado Jose, que sofreu uma tragédia no passado, e que poderá ser a única pessoa que se preocupa com ela. Juntos, eles terão que escolher a melhor opção sobre se a gravidez segue para a frente ou não.
Comentário : Um filme que nos mostra um incrivel drama, está em jogo se devemos ou não meter um novo ser no mundo, drama esse que acontece nas nossas vidas reais muitas mais vezes do que se pensa. O realizador escolheu bem o seu grupo de actores. O que aconteceu no passado de Jose é uma situação realmente muito grave. Agora, ele terá uma grande oportunidade para se redimir, mesmo sabendo que as coisas não voltarão a ser como eram. Todos os actores tiveram interpretações consistentes. O filme tem ainda uma boa fotografia. Destaque para o destino que Nina decide dar à filha, bem como para o final do filme, magnifico. Classificação : 5.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Insidious

Titulo Inglês : “Insidious”
Ano : 2010
Duração : 105 minutos
Género : Terror
Realização : James Wan
Elenco : Patrick Wilson (Josh), Rose Byrne (Renai), Barbara Hershey (Lorraine), Ty Simpkins (Dalton), Lin Shaye (Elise), Leigh Whannell (Specs)
História : Um menino chamado Dalton entra misteriosamente no estado de coma e os seus pais tudo fazem para ajudá-lo, pedindo ajuda aos médicos. Quando começam a acontecer coisas estranhas em casa, os dois começam a ponderar se tratar de uma assombração na casa. O que eles não contavam era com o facto de que não é a casa que está assombrada.
Comentário : Trata-se de um dos filmes de terror mais bem conseguidos do ano de 2010. Este filme foi produzido pela mesma equipa que nos trouxe a trilogia “Paranormal Activity” e a saga “Saw” e realizado por James Wan, que realizou o primeiro “Saw”. O filme soma pontos em relação a muitos filmes de terror, porque chega a assustar em alguns momentos, eu próprio apanhei alguns sustos valentes. O filme também tem semelhanças com um excelente filme antigo chamado “Poltergeist”, embora este último esteja muito melhor. A realização é muito boa, a fotografia é igualmente impecável, alguns cenários causam calafrios, as entidades do outro mundo impõem respeito e algumas cenas causam impacto. Destaque ainda para os efeitos sonoros. Um excelente filme de terror com um final supreendente. Classificação : 4.

Carriers

Titulo Inglês : “Carriers”
Ano : 2009
Duração : 85 minutos
Género : Terror
Realização : David Pastor/Alex Pastor
Elenco : Chris Pine (Brian), Piper Perabo (Bobby), Emily VanCamp (Kate), Christopher Meloni (Frank), Kiernan Shipka (Jodie), Lou Taylor Pucci (Danny)
História : Quatro amigos viajam de carro pelo seu país fora a fugir de uma pandemia que assolou quase todas as pessoas. Pelo caminho, vão encontrando pessoas infectadas e terão que tudo fazer para eles próprios não fiquem doentes.
Comentário : Trata-se de um filme razoável, existem filmes do género melhores, como por exemplo, “Rec” ou “28 Days Later”. O realizador soube gerir bem o argumento que tinha em mãos, bem como todo o grupo de actores. O clima de desconfiança e de tensão está bem patente durante todo o filme. Destaque para a interpretação do jovem Chris Pine que foi aquele que mais se destacou em todo o filme, o seu Brian foi bastante convicente. O ponto alto do filme são as relações entre os quatro amigos, é ver cada um a puxar para si. Achei ridicula toda a sequência em que entram aqueles militares, completamente desnecessária. Resumindo, é um bom filme de terror. Classificação : 3.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

The Ring

Titulo Inglês : “The Ring”
Ano : 2002
Duração : 117 minutos
Género : Terror
Realização : Gore Verbinski
Elenco : Naomi Watts (Rachel), Martin Henderson (Noah), David Dorfman (Aidan), Brian Cox (Richard), Amber Tamblyn (Katie), Daveigh Chase (Samara)
História : Um grupo de jovens assiste a um VHS e, passados 7 dias, morrem todos. Agora, cabe a uma mulher chamada Rachel descobrir a verdade sobre esse VHS. Após ver a fita, Rachel tem também os dias contados e terá uma semana para descobrir a verdade e tentar evitar a sua morte.
Comentário : Trata-se de um dos filmes que mais me apavorou até hoje. O realizador Gore Verbinski aposta assim num filme que abdica da violência e do gore e aposta mais no terror psicológico e nesse campo, triunfa em pleno. Naomi Watts tem uma interpretação razoável, a melhor do filme. Martin Henderson anda um pouco à deriva no filme, mas consegue aguentar-se. O veterano Brian Cox também esteve bem, mas já viu dias melhores. Este é um filme muito bom, funciona bem como filme de terror e um dos pontos chave é o facto de partir de uma premissa simples, mas vai se desenrolando numa história extremamente complexa e bem estruturada, que envolve o passado de uma familia inteira. Um último destaque para as imagens do pequeno video do VHS. Um filme a não perder que deu origem a uma sequela que não presta para nada. Classificação : 5.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Grace Is Gone

Titulo Inglês : “Grace Is Gone”
Ano : 2007
Duração : 83 minutos
Género : Drama
Realização : James Strouse
Elenco : John Cusack (Stanley), Shelan O'Keefe (Heidi), Gracie Bednarczyk (Dawn)
História : Após a morte da esposa na guerra do Iraque, um homem chamado Stanley fica viuvo e pai solteiro de duas meninas menores. Incapaz de lidar com a situação e de contar a verdade às filhas, Stanley opta por pegar nelas e iniciar uma viagem no seu carro pelo país todo com destino a um parque de diversões. No entanto, as filhas começam a perceber que algo se passa e questionam o pai.
Comentário : Um road movie que me comoveu bastante não só pela história, mas pela coragem daquele pai quando chegou a altura de contar às filhas o que realmente se passou com a mãe delas. Soberbas interpretações de John Cusack e das crianças que fazem de filhas dele. Um drama intenso em que o realizador não nos poupa ao sentimentalismo próprio da situação relatada no filme e ainda bem que o faz, porque o resultado final foi satisfatório. John Cusack interpreta um pai cinco estrelas, que faz ver a muitos pais homens. Um último destaque para a empatia que nasce entre aquele pai e as suas duas filhas. Um filme que me encheu as medidas. 

terça-feira, 1 de novembro de 2011

The Tree Of Life

Titulo Inglês : “The Tree Of Life”
Ano : 2011
Duração : 140 minutos
Género : Drama
Realização : Terrence Malick
Elenco : Brad Pitt (Mr. O'Brien), Jessica Chastain (Mrs. O'Brien), Sean Penn (old Jack), Hunter McCracken (young Jack), Fiona Shaw (grandmother)
História : A vida de Jack desde bebé até à fase adulta é contada, a sua vivência, os problemas com o seu pai autoritário e com a sua mãe bondosa. A relação com os irmãos, com a esposa e com o trabalho. Tudo isto é relatado ao mesmo tempo em que a vida é criada e são também relatados os primeiros tempos de vida na Terra.
Comentário : Não existem filmes como os de Terrence Malick, o realizador costuma nos seus filmes fundir uma boa história de pessoas com a Natureza. Para mim, o seu melhor filme continua a ser o maravilhoso “The New World”, embora para muitos, seja mesmo este “The Tree Of Life”. Este último é um bom filme. Excelentes imagens, sequências magnificas, nas cenas em que os miudos entram, a camêra está sempre ao nivel dos seus olhos. Um filme sublime que dificilmente sairá das nossas cabeças. Classificação : 4.

Dogville

Titulo Inglês : “Dogville”
Ano : 2003
Duração : 178 minutos
Género : Drama
Realização : Lars Von Trier
Elenco : Nicole Kidman (Grace), Harriet Andersson (Gloria), Lauren Bacall (Ma Ginger), Paul Bettany (Tom), James Caan (Big Man), Patricia Clarkson (Vera), Ben Gazzara (Jack), Chloe Sevigny (Liz), Stellan Skarsgard (Chuck)
História : Uma jovem mulher chamada GraceMulligan anda fugida e pede refúgio numa pequena localidade, onde é aceite. De inicio, tudo corre bem, os vizinhos dão-lhe abrigo, comida, ajuda e até cama e um tecto. Com o passar dos dias, esses mesmos vizinhos que antes lhe deram todo o conforto, agora, pedem-lhe favores e a maltratam. Sem escolha, Grace é obrigada a ceder aos pedidos dos habitantes da localidade. Mas a chegada do pai de Grace à localidade vai mudar o destino dela e dos sádicos moradores.
Comentário : Os filmes do realizador Lars Von Trier são e serão sempre alvo de polémica quer pelo seu conteúdo, quer pela forma como nos são apresentados. É um tipo de cinema alternativo, que quase ninguém gosta. Ou se gosta ou de odeia. Eu faço parte dos primeiros. O filme é muito bom e as quase 3 horas passam a correr. Com o filme, podemos ver até que ponto pode ir o egoísmo e a maldade das pessoas, que apenas vêm os seus interesses em primeiro lugar. Destaque para a forma como o filme está montado e mostrado, parece uma peça de teatro, verdadeiramente delicioso e original. Nicole Kidman está divinal, como sempre. Um filme obrigatório.
Classificação : 5.

The Collector

Titulo Inglês : “The Collector”
Ano : 2009
Duração : 88 minutos
Género : Terror
Realização : Marcus Dunstan
Elenco : Josh Stewart (Arkin), Daniella Alonso (Lisa), Haley Alexis Pullos (Cindy), Michael Reilly Burke (Michael), Andrea Roth (Victoria), Karley Scott Collins (Hannah), Madeline Zima (Jill).
 
História : Um trabalhador da construção civil chamado Arkin é casado com uma mulher que tem uma grande dívida, em que está em jogo a sua independência. Para obter esse dinheiro, Arkin decide assaltar a última casa onde trabalhou, na mesma noite em que um psicopata invade a casa silenciosamente e pretende matar a familia inteira com armadilhas sanguinárias e mortais. Arkin tem duas opções : ajudar a familia onde se inclui uma menina pequena ou roubar o que pretende e fugir o mais rapidamente possivel daquela casa infernal.
 
Comentário : Foi o filme que escolhi para ver neste Halloween e não podia ter escolhido melhor. Uma mistura eficaz de “Saw” com “The Texas Chainsaw Massacre” que resultou num filme chocante e sangrento com brilhantes interpretações a cargo de todo o elenco principal. Adoro filmes de terror e adorei este filme, mesmo muito bom. Destaque para as armadilhas, vê-se claramente que esta história saiu das mentes perturbadas que nos trouxeram a saga “Saw”. Os requintes de malvadez do psicopata estão bem evidenciados ao longo do filme e quem vê o filme poderá colocar-se no lugar de Arkin e perguntar o que faria naquela situação : salvar aquela familia daquela situação macabra ou roubar o que pretende para garantir a independência da sua própria familia ? Classificação : 4.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

A Passagem Da Noite

Titulo Inglês : “Night Passage”
Ano : 2002
Duração : 96 minutos
Género : Drama
Realização : Luís Filipe Rocha
Elenco : Leonor Seixas (Mariana), João Ricardo (Vítor), João Pedro Vaz (Salvador/Gadelhas), Maria Rueff (prostituta), Ana Bustorff (professora)
História : Mariana é uma adolescente que leva uma vida normal. Até ao dia em que, em mais um passeio até à praia de Carcavelos, é violada por um adulto e fica grávida deste. A passagem dessa noite será a passagem da fase de menor à fase adulta, uma passagem feita à força. Determinada a carregar o fardo sozinha, Mariana só poderá contar com ela mesma.
Comentário : Na minha opinião, é o meu filme português preferido. Tem a minha atriz portuguesa preferida (Leonor Seixas) e aborda um tema que é muito delicado : a gravidez na adolescência. A jovem Leonor Seixas carrega o filme praticamente sozinha, tendo uma poderosa interpretação. Reconheci os comboios antigos da linha de Cascais daquela época, muito andei naqueles comboios. Confesso que não aprecio cinema português, mas neste caso e após ver e continuar a ver filmes nacionais, posso afirmar que este é dos poucos que gostei. A fotografia é boa e o ritmo também. Também gostei de ver Maria Rueff, adoro esta atriz. Classificação : 5.

domingo, 30 de outubro de 2011

In America

Titulo Inglês : “In America”
Ano : 2002
Duração : 105 minutos
Género : Drama
Realização : Jim Sheridan
Elenco : Paddy Considine (Johnny), Samantha Morton (Sarah), Sarah Bolger (Christy), Emma Bolger (Ariel), Djimon Hounsou (Mateo).
História : Após perderem um filho vitima de cancro, um casal viaja com as duas filhas da Europa para os EUA, a fim de recomeçarem uma nova vida. No entanto, as coisas não são o paraiso com que sempre sonharam e a vida deles torna-se muito complicada, além disso não é fácil esquecer a morte da criança. Tudo muda, quando as meninas conhecem Mateo.
Comentário : Trata-se de um dos filmes que mais me comoveram até à data, um drama daqueles que nos vem a lágrima aos olhos. Brilhantemente filmado e mostrado com uma grande sensibilidade, “In America” é daqueles casos raros em que ficamos com aquela estranha sensação de saudosismo depois de o vermos. Destaque para o grupo de actores, todos eles excelentes. Paddy Considine começava a dar os seus primeiros passos em Hollywood, Samantha Morton prova com este filme que é uma grande atriz. Djimon Hounsou esteve impecável, muito firme no seu papel. É impossivel não ficarmos sensibilizados com a ternura e carinho das irmãs Bolger, que são também irmãs na vida real. Um drama intenso que teve o azar de não vencer na cerimónia dos óscars desse ano. Um grande e poderoso filme. Classificação : 5.

sábado, 29 de outubro de 2011

Cloverfield

Titulo Inglês : “Cloverfield”
Ano : 2008
Duração : 82 minutos
Género : Ficção
Realização : Matt Reeves
Elenco : Michael Stahl David (Rob), Jessica Lucas (Lily), Lizzy Caplan (Marlena), Odette Annable (Beth), Mike Vogel (Jason)
História : Um grupo de amigos festeja a partida de um deles para um outro país, na mesma noite em que um enorme monstro aparentemente indestrutivel invade a cidade e semeia o caos. Agora, eles vão ter que lutar para viver, pois as suas vidas vão virar um verdadeiro inferno.
Comentário : Um dos melhores filmes que vi até hoje, seguramente o melhor filme de monstros que já vi. A forma como nos é mostrado e como está filmado é estupendamente original. Todos os atores são amadores e todos tiveram excelentes interpretações. Os efeitos especiais só aparecem quando necessários, ao contrário de quase todas as tretas de Hollywood. O filme põe-nos sempre em tensão até ao último minuto, gerando uma agradável sensação de suspense. Destaque para os efeitos sonoros e para os sons emitidos pelo monstro, em especial naquela cena em que os amigos descem pela escada de uma estação de metro, no exacto momento em que o monstro está a ser atacado e emite um grunhido forte para eles. É um filme que dividiu opiniões um pouco por todo o mundo e talvez fosse essa a intenção do realizador. Já está a ser estudada a elaboração de uma sequela, embora eu seja contra as sequelas, a menos que esta seja para explicar alguma coisa que não ficou explicada. Classificação : 5.

Somewhere

Titulo Inglês : “Somewhere”
Ano : 2010
Duração : 100 minutos
Género : Drama
Realização : Sofia Coppola
Elenco : Stephen Dorff (Johnny Marco), Elle Fanning (Cleo), Michelle Monaghan (Rebecca).

História : Johnny Marco é um famoso actor de Hollywood que leva uma vida de luxos e entediante, vivendo em hotéis. Um dia, a filha de 11 anos, Cleo, o visita e a mãe dela pede-lhe que fique com o pai por uns dias. Agora, pai e filha vão ter que por de lado o facto de raramente se verem e terão que conviver no mesmo espaço. No final, criam uma empatia que só podia existir entre um pai e uma filha que se amam. E Marco percebe qual o sentido a dar à sua vida.

Comentário : Na minha opinião, é o melhor filme da realizadora Sofia Coppola até à data. Mas também gostei do seu primeiro filme (The Virgin Suicides). É um filme independente com planos parados e sequências morosas que não irão agradar à maioria dos cinéfilos. Uma boa interpretação da jovem Elle Fanning, que prova que é mais que a irmã da famosa Dakota Fanning. O filme nos transmite bem a mensagem de que vida de rico é uma seca. Destaque para o final do filme, detentor de uma mensagem brutal. Classificação : 5.

Hanna

Titulo Inglês : “Hanna”
Ano : 2011
Duração : 112 minutos
Género : Ação
Realização : Joe Wright
Elenco : Eric Bana (Erik), Saoirse Ronan (Hanna), Cate Blanchett (Marissa), Jessica Barden (Sophie), Olivia Williams (Rachel), Jason Flemyng (Sebastian)
História : Hanna é uma adolescente de 16 anos que foi criada pelo pai numa casa de madeira em uma zona isolada e com ele aprendeu a sobreviver e aprendeu a arte da luta. Quando se pergunta pelo seu passado, a jovem parte numa odisseia para encontrar a mulher que lhe matou a mãe e que a quer matar a ela.
Comentário : Joe Wright muda completamente o seu tipo de filmes e filma o seu primeiro filme de ação. Confesso que “Hanna” não supera o maravilhoso “Pride And Prejudice”, mas ainda assim é um filme muito bom. Admirável a interpretação de Erik Bana, bem como a sua luta na estação de metro está muito bem feita. Cate Blanchett também esteve muito bem como a vilã da fita. Mas os méritos pertencem todos à jovem Saoirse Ronan, que é já uma excelente atriz. O filme tem um bom ritmo, sempre alucinante e a BSO a cargo do grupo The Chemical Brothers também ajuda. Uma boa realização e com bons planos de câmera, quase sempre colada à cara das adolescentes. Em Resumo, é um bom filme de acção. Classificação : 4.

Trust

Titulo Inglês : “Trust”
Ano : 2010
Duração : 105 minutos
Género : Drama
Realização : David Schwimmer
Elenco : Liana Liberato (Annie), Clive Owen (Will), Catherine Keener (Lynn), Viola Davis (Gail), Spencer Curnutt (Peter), Aislinn Debutch (Katie), Chris Coffey (Charlie)
História : Annie é uma bonita adolescente que tem facilidade em aceder à internet e, num desses acessos, conhece um rapaz da sua idade chamado Charlie e os dois correspondem-se durante semanas. Quando o conhece num centro comercial e apesar de Charlie ser um adulto na casa dos 30 anos, Annie aceita continuar com a amizade e os dois acabam por ter relações sexuais. Mas, quando estes acontecimentos chegam aos ouvidos dos pais e das pessoas, a coisa altera-se e os actos de Annie terão duras e crueis consequências para toda a familia.
Comentário : Antes de mais, quero aqui dizer que este filme devia ser de visionamento obrigatório para todos os pais com filhas adolescentes. É um forte aviso aos pais. Mas, falemos do filme. Gostei do filme, está muito bem realizado. Clive Owen possui uma boa interpretação, como o pai preocupado. A jovem Liana Liberato consegue sozinha carregar o filme às costas, possuindo uma poderosa interpretação. Penso que a intenção do realizador foi percebida. Todo o grupo de actores que compõem o nucleo familar de Annie conseguiu nos transmitir a verdadeira sensação do que uma familia real sentiria se esta situação lhes acontecesse. Um dos melhores filmes do ano. Classificação : 5.

Palindromes

Titulo Inglês : “Palindromes”
Ano : 2004
Duração : 100 minutos
Género : Drama
Realização : Todd Solondz
Elenco : Ellen Barkin (Joyce), Matthew Faber (Mark), Rachel Corr (Aviva)
História : Aviva é uma adolescente de 13 anos que tem o sonho de ser mãe e tudo fará para o conseguir. Nem que para isso tenha que passar por cima das leis rigidas de sua mãe, e de procurar um homem para lhe fazer o filho de qualquer idade, seja ele adolescente ou adulto. Mas, quando engravida e a mãe a obriga a abortar, ela decide simplesmente fugir de casa e cumprir seu maior objectivo : ter um filho.
Comentário : Trata-se de um filme para quem tem uma mentalidade aberta. É uma espécie de filme new age em que o realizador nos choca mas de forma suave. A dada altura, o realizador coloca diferentes atrizes a desempenhar o papel principal, e isso tem a ver com os estados de espirito e situações da personagem. A nivel de interpretações está igualmente muito bom, destaque para Ellen Barkin e para a sua Joyce, uma mãe firme e determinada em dar à filha o que ela precisa. Também todas as personagens que fizeram de Aviva estiveram muito bem. É um bom trabalho de realização de um homem que nos habituou a filmes pertencentes a um género diferente. Isto é cinema independente, e são filmes que nos mostram por vezes o quanto complicada é a vida. Nós tememos pela segurança de Aviva e para que a menina tenha sucesso nas suas intenções e, no fundo, é isso que todos queremos. Resumindo, é um excelente filme. Classificação 5.

Orphan

Titulo Inglês : “Orphan”
Ano : 2009
Duração : 125 minutos
Género : Terror
Realização : Jaume Collet Serra
Elenco : Vera Farmiga (Kate), Peter Sarsgaard (John), Aryana Engineer (Maxine), Jimmy Bennett (Daniel), Isabelle Fuhrman (Esther)
História : Kate e John são um jovem casal que têm um casal de filhos e que perderam recentemente a filha mais nova. Vítima de uma violenta depressão, Kate quer agora é descansar e decide adoptar uma menina para ajudar a superar a perda da criança. O marido John engraça com uma menina solitária chamada Esther e é mesmo esta criança que eles levam para casa. No inicio, tudo corre bem. Mas aos poucos, a doce e ternurenta Esther vai revelando toda a sua real personalidade.
Comentário : Depois do fraco “House Of Wax”, o realizador volta a penetrar no género do terror e consegue um filme melhor e mais adulto do que o anterior. “Orphan” é um filme tenso e perturbador, conta com boas interpretações, mas o destaque vai todinho para a jovem Isabelle Fuhrman que, com a sua Esther, impressiona. O filme tem algumas cenas chocantes e muita violência. Não é aconselhável a pessoas sensiveis. A história é boa e atenção às revelações no final do filme, muito supreendentes. É um bom filme de terror e é uma pelicula que cumpre os objectivos propostos. O filme, quando estreou, foi visto como um folheto de alerta para quando se vai adoptar crianças, mas penso que isso é uma idiotice, filme é sempre filme.
Classificação : 5 estrelas.